SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   Plásticos descartados no oceano se transformam e geram impactos climáticos

Plásticos descartados no oceano se transformam e geram impactos climáticos


Fonte: Jornal USP (28 de abril de 2022 )

 

 

O uso e o descarte indiscriminado de plástico estão em debate há anos e as consequências da má utilização desse material para o planeta preocupa agentes internacionais. Ao contrário do que se pensava sobre o plástico se concentrar na superfície do oceano em forma de lixo, cientistas descobriram que boa parte do polímero está afundando e gerando impactos climáticos, como o agravamento do aquecimento global.

 

O professor do Instituto Oceanográfico (IO) da USP e coordenador da Cátedra Unesco para a Sustentabilidade do Oceano, Alexander Turra, revela que microplásticos estão se aglutinando na “neve marinha” – condição normal do oceano gerada por partículas de microalgas, bactérias e fitoplânctons que afundam devagar no mar – e se tornando mais densas que a água, com a ajuda de microrganismos.

 

“Essas partículas [da neve marinha] correspondem à matéria orgânica. Então muitos organismos acabam se alimentando diretamente das partículas ou, como as bactérias, transformam e remineralizam essa matéria orgânica em nutrientes que podem ser utilizados pelas algas para fazer a fotossíntese”, informa Turra.

 

Uma cadeia de efeitos

Segundo o professor, quando os microplásticos afundam com a “neve marinha”, a coluna d’água fica empobrecida de materiais orgânicos e a fotossíntese é comprometida. Consequentemente, há uma redução na captura de CO2, gás relacionado ao efeito estufa.

 

“Se você para de consumir gás carbônico, o oceano acaba perdendo um pouco do seu papel em controlar o efeito estufa e com isso a gente tem um aumento da temperatura do planeta”, informa Turra sobre os resultados desse processo.   

 

Com o aumento da temperatura do planeta, incêndios, períodos de seca, perda de espécies terrestres e marinhas, tempestades severas e aumento da fome são alguns dos impactos que podem ocorrer. “A gente precisa racionalizar o uso desse material para que a gente possa então utilizar o que ele traz de melhor sem necessariamente gerar malefícios para o ambiente”, afirma o professor.

 

Por Alexander Turra 

Mais lidas


Celebramos hoje (12) o Dia Internacional da Enfermagem, data escolhida em homenagem ao aniversário de Florence Nightingale, considerada a pioneira da enfermagem moderna.   Para quem não sabe, a profissão tem origem milenar e data da época em que ser enfermeiro era uma referência a quem cuidava, protegia e nutria pessoas convalescentes, idosos e deficientes. […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais

Por causa da curvatura da Terra, a distância na qual um navio pode ser visto no horizonte depende da altura do observador.   Para um observador no chão com o nível dos olhos em h = 7 pés (2 m), o horizonte está a uma distância de 5,5 km (3 milhas), cada milha marítima igual a 1.852 […]

Leia Mais