SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   Brasil negocia com EUA mais acesso a fertilizantes do Irã, anuncia chanceler

Brasil negocia com EUA mais acesso a fertilizantes do Irã, anuncia chanceler


Fonte: Agência Senado (7 de abril de 2022 )
Carlos França, ministro das Relações Exteriores, e Kátia Abreu, presidente da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE) do Senado – Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

 

O Itamaraty continua negociando com o chefe do Departamento de Estado dos EUA, Anthony Blinken, uma trégua que permita a compra, por parte de empresas brasileiras, de fertilizantes do Irã. Essas negociações são necessárias porque os EUA impuseram sanções contra o Irã, e por isso as empresas brasileiras não se sentem seguras para adquirir fertilizantes iranianos — negócios com o Irã podem levar a punições por parte dos EUA a qualquer empresa que negocie uma série de produtos com essa nação asiática. Foi o que informou o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Carlos França, durante audiência pública na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE) do Senado nesta quarta-feira (6).

 

O acesso aos fertilizantes iranianos pode ser uma via para que o Brasil não dependa do fornecimento de fertilizantes da Rússia, país responsável por quase um terço das importações brasileiras desse insumo. Isso porque a guerra da Rússia contra a Ucrânia limitou essas importações e o país governado por Vladimir Putin passou a sofrer sanções do Ocidente. Por outro lado, conforme ressaltou Carlos França, o Irã possui um grande estoque de fertilizantes e tem a intenção de vender esse insumo para o Brasil.

 

— No Irã há um grande excedente de fertilizantes, mas os importadores brasileiros têm dificuldades para negociar. Na prática, o que fazemos com o Irã é um escambo, porque depositamos os recursos numa conta no Brasil, que é usada pelo Irã na compra de insumos médicos e alimentos. Por isso negocio com os Estados Unidos uma trégua temporária nesse embargo, para que empresas brasileiras possam negociar com o Irã sem sofrer represálias dos Estados Unidos. Os fertilizantes iranianos inclusive facilitam às empresas brasileiras atender melhor os mercados europeus e o dos próprios Estados Unidos. Vocês se lembram que há alguns anos até a Petrobras temeu abastecer um cargueiro iraniano atracado em Santa Catarina devido à possibilidade de represálias norte-americanas — disse o chanceler.

 

A presidente da CRE, senador Kátia Abreu (PP-TO), disse que é “um absurdo” o Brasil, nas condições que possui, ter dependência externa de fertilizantes.

 

— É impressionante a hipocrisia aqui em torno dos fertilizantes. Temos água, solo, temperatura e tecnologia de ponta, mas não podemos produzir fertilizantes. Impomos uma insegurança alimentar monstruosa a nós mesmos ao não termos o principal insumo, que é jogar tudo na terra com a tecnologia que possuímos, mas sem fertilizantes. O ambientalismo é chave para o Brasil, mas desconsiderar a autonomia nos fertilizantes é complicado. Sem comida não se vive, não podemos fingir que nada está ocorrendo — protestou a senadora.

 

Por iniciativa de Kátia Abreu, a CRE realizará uma audiência pública em breve sobre a questão dos fertilizantes, buscando reunir representantes do governo e da sociedade civil. Ao responder à senadora, Carlos França destacou que, além de abrir a janela de negociações com o Irã, o Brasil também vem negociando a compra de excedentes de fertilizantes do Canadá, da Nigéria e do Marrocos.

 

Relações com a Venezuela

Durante a audiência na CRE, o senador Chico Rodrigues (DEM-RR) pediu ao Itamaraty a normalização das relações com a Venezuela. Ele disse que seu estado, Roraima, historicamente possui relações comerciais sólidas com a nação vizinha. Mas essas relações foram prejudicadas nos últimos anos, já que o Brasil não reconhece a reeleição de Nicolas Maduro como presidente daquele país. De acordo com o senador, hoje a embaixada brasileira em Caracas “na prática não funciona; precisa ser reaberta”. Chico Rodrigues afirmou que até mesmo os EUA estudam voltar a permitir a compra de petróleo venezuelano, enquanto o Brasil não sinaliza flexibilizar sua posição.

 

Em sua resposta, Carlos França também mencionou uma possível flexibilização por parte dos EUA. Mas o Brasil continua impondo condições para normalizar suas relações com a Venezuela.

 

— Podemos repensar a normalização diplomática também. Mas o governo Maduro precisa sinalizar que lá haverá liberdade de imprensa, que os presos políticos serão libertados e que a Venezuela voltará a ser uma democracia. Sem isso, fica muito complicado — declarou o chanceler.

 

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)


Mais lidas


Celebramos hoje (12) o Dia Internacional da Enfermagem, data escolhida em homenagem ao aniversário de Florence Nightingale, considerada a pioneira da enfermagem moderna.   Para quem não sabe, a profissão tem origem milenar e data da época em que ser enfermeiro era uma referência a quem cuidava, protegia e nutria pessoas convalescentes, idosos e deficientes. […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais

Por causa da curvatura da Terra, a distância na qual um navio pode ser visto no horizonte depende da altura do observador.   Para um observador no chão com o nível dos olhos em h = 7 pés (2 m), o horizonte está a uma distância de 5,5 km (3 milhas), cada milha marítima igual a 1.852 […]

Leia Mais