SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Mercado   /   Soja: preços sobem no Brasil com ganhos em Chicago e alta do dólar

Soja: preços sobem no Brasil com ganhos em Chicago e alta do dólar


Fonte: Canal Rural (15 de dezembro de 2021 )

Os preços da soja reagiram bem no mercado físico brasileiro nesta terça-feira. A alta combinada da Bolsa de Chicago com o dólar determinou o avanço nos valores da oleaginosa no país. Mas os negócios seguiram moderados. O produtor segue cauteloso, esperando os preços melhorarem mais.

 

– Passo Fundo (RS): a saca de 60 quilos subiu de R$ 169,00 para R$ 173,00

 

– Região das Missões: a cotação passou de R$ 168,00 para R$ 172,00

 

– Porto de Rio Grande: o preço passou de R$ 172,00 para R$ 175,00

 

– Cascavel (PR): o preço avançou de R$ 162,00 para R$ 164,00 a saca

 

– Porto de Paranaguá (PR): a saca subiu de R$ 167,00 para R$ 169,00

 

– Rondonópolis (MT): a saca subiu de R$ 155,00 para R$ 156,00

 

– Dourados (MS): a cotação passou de R$ 156,00 para R$ 157,00

 

– Rio Verde (GO): a saca se manteve em R$ 154,00

 

Soja em Chicago

Os contratos futuro da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a terça-feira com preços mais altos. Após a forte baixa de ontem, compras de barganha garantiram a recuperação. Mas o mercado encerrou abaixo das máximas do dia, em meio à perspectiva de clima favorável na América do Sul.

 

A expectativa de demanda enfraquecida pela oleaginosa dos Estados Unidos, com os compradores voltando sua atenção para os portos brasileiros, também é fator limitante para a recuperação.

 

Para amanhã, as atenções se voltam para o os números de processamento nos Estados Unidos. A Associação Norte-Americana dos Processadores de Óleos Vegetais (NOPA) divulga nesta quarta-feira o resultado do esmagamento dos Estados Unidos no mês de novembro. Os números saem às 14 horas, horário de Brasília.

 

O mercado aposta em número de 181,640 milhões de bushels. Em outubro, foram esmagados 183,993 milhões de bushels. Em novembro do ano passado, foram 181.018.

 

Os contratos da soja em grão com entrega em janeiro fecharam com alta de 15,50 centavos de dólar por bushel ou 1,24% a US$ 12,59 1/2 por bushel. A posição março teve cotação de US$ 12,64 1/2 por bushel, com ganho de 13,75 centavos ou 1,09%.

 

Nos subprodutos, a posição janeiro do farelo fechou com alta de US$ 14,80 ou 4,08% a US$ 376,90 por tonelada. No óleo, os contratos com vencimento em janeiro fecharam a 52,24 centavos de dólar, com baixa de 1,11 centavo ou 2,0863%.

 

Câmbio

O dólar comercial fechou em R$ 5,6940, com alta de 0,35%. A moeda norte-americana foi afetada pelas chances cada vez maiores do anúncio da aceleração do tapering (remoção de estímulos) e da antecipação do aumento dos juros nos Estados Unidos já para o próximo semestre.


Mais lidas


  Na última sexta-feira (08) o Sindicato dos Operadores Portuários do Estado de São Paulo (SOPESP) recebeu, na sua sede, o Secretário Nacional de Portos e Transportes Aquaviários do Ministério da Infraestrutura (MInfra), Mario Povia.   Essa foi à primeira visita do secretário a entidade desde que assumiu a pasta, em maio deste ano, e […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais

Por causa da curvatura da Terra, a distância na qual um navio pode ser visto no horizonte depende da altura do observador.   Para um observador no chão com o nível dos olhos em h = 7 pés (2 m), o horizonte está a uma distância de 5,5 km (3 milhas), cada milha marítima igual a 1.852 […]

Leia Mais