SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Mercado   /   Marcelo Sammarco: Coberturas de P&I e garantias aos trabalhadores

Marcelo Sammarco: Coberturas de P&I e garantias aos trabalhadores


Fonte: A Tribuna On-line (7 de dezembro de 2021 )
Foto: Carlos Nogueira

 

No plano internacional, foi firmada em 2006 a Convenção do Trabalho Marítimo (MLC – Maritime Labor Convention), fruto de discussões realizadas no âmbito da Organização Internacional do Trabalho (OIT), tendo por finalidade estabelecer requisitos mínimos para o trabalho de marítimos a bordo de embarcações; condições dignas de emprego, alojamento, instalações recreativas, alimentação, proteção à saúde, cuidados médicos, seguridade social, entre outros direitos.

 

Recentemente, o tema ganhou nova relevância em razão de recorrentes episódios de abandonos de navios e respectivas tripulações, inclusive na costa brasileira e, também, pela ratificação da Convenção do Trabalho Marítimo pelo Estado Brasileiro através do Decreto 10.671 de 2021.

 

Em especial, a convenção garante ao trabalhador o direito de repatriação ao país de origem de forma gratuita, bem como a regularidade de salários, que devem ser pagos ao menos uma vez ao mês e o direito a férias anuais em terra. Nos termos da MLC, o trabalhador marítimo não poderá ficar a bordo da embarcação por mais de 12 meses, de forma ininterrupta.

 

No entanto, como ficam os tripulantes nas hipóteses de abandono da embarcação pelo armador/empregador? É justamente neste ponto que a figura dos Clubes de Proteção e Indenização (P&I Clubs) se apresenta como garantidor das necessidades mais urgentes dos tripulantes, muito embora com limitações legais e sem assumir a posição do empregador na relação de trabalho originalmente estabelecida.

 

Como se sabe, os clubes de P&I são associações mútuas sem fins lucrativos que oferecem mecanismos de proteção e indenização aos seus membros associados, os armadores e afretadores. Portanto, um clube P&I não é um mútuo de seguro, mas uma associação constituída especialmente com o objetivo de cobrir certos riscos inerentes a atividade de transporte aquaviário.

 

Portanto, a proteção concedida pelos Clubes de P&I não se confunde com um contrato de seguro, tendo em vista que o instituto consiste na contribuição de todos os membros em determinado prejuízo suportado por apenas um, não havendo o pagamento de indenização propriamente dita pelo Clube ao membro.

 

Nos termos da MLC 2006, todos os navios mercantes são obrigados a exibir o certificado emitido por um Clube de P&I ou outro provedor de garantia financeira, confirmando que o seguro ou garantia financeira está em vigor para assistir o trabalhador marítimo na eventualidade de seu abandono, posto que nesta situação o armador não cumprirá com a obrigação relacionada aos custos de repatriação.

 

Desta forma, constatada a situação de abandono do trabalhador marítimo, a assistência do Clube de P&I ou do provedor da garantia financeira é acionada de acordo com as obrigações contidas na Norma A2.5.2, parágrafo 9, da referida Convenção, que claramente delimitam a responsabilidade dos Clubes de P&I no tocante ao marítimo. De acordo com o referido dispositivo, uma vez caracterizado o abandono, o Clube de P&I deverá efetuar o pagamento dos quatro últimos salários pendentes, quando aplicável; as necessidades urgentes para manutenção do trabalhador a bordo até a respectiva repatriação, incluindo alimentação adequada, vestimenta, água e demais itens para sobrevivência; e arcar com todas as despesas de repatriação do marítimo ao país de origem.

 

Portanto, na hipótese de abandono, o Clube de P&I assume a responsabilidade por itens específicos e básicos para manutenção da dignidade e proteção da saúde do trabalhador, bem como os custos para o respectivo retorno ao país de origem, sem, contudo, assumir as demais obrigações originárias da relação de trabalho, vez que o P&I não substitui o armador na relação de trabalho firmada com a tripulação.

 

A Maritime Labor Convention (MLC, 2006), portanto, representa importante avanço legislativo, agora incorporado ao ordenamento jurídico brasileiro por força do Decreto 10.671, de 2021. De um lado, impõe obrigações específicas, mas limitadas aos Clubes de P&I e, de outro, estabelece garantias mínimas de condições dignas de trabalho aos marítimos nas situações de abandono de embarcações.


Mais lidas


Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais

Por causa da curvatura da Terra, a distância na qual um navio pode ser visto no horizonte depende da altura do observador.   Para um observador no chão com o nível dos olhos em h = 7 pés (2 m), o horizonte está a uma distância de 5,5 km (3 milhas), cada milha marítima igual a 1.852 […]

Leia Mais