SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   Clima traz urgência a mudanças na matriz de energia, diz Klabin

Clima traz urgência a mudanças na matriz de energia, diz Klabin


Fonte: Valor Econômico (28 de outubro de 2021 )
Teixeira, que estará na COP26: “O endereçamento da emergência de mudar a matriz energética do mundo é primordial” — Foto: Silvia Zamboni

Única empresa brasileira a compor o grupo de Business Leaders da Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, a COP26, a Klabin vai participar ativamente dos debates neste fórum e gostaria de ver, ao fim do encontro, propostas concretas de mudança na matriz energética global. Para o diretor-geral da companhia, Cristiano Teixeira, o sexto relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima (IPCC, na sigla em inglês) deixa claro que a matriz energética do mundo, a começar por carvão e óleo, “é um drama não tratado”.

 

“O endereçamento da emergência de mudar a matriz energética do mundo é primordial”, afirmou o executivo, durante teleconferência para comentar os resultados da companhia no terceiro trimestre. “Vamos para a COP26 motivados, sabendo da importância histórica do tema clima, principalmente após o sexto ciclo de estudos do IPCC, que mostra a emergência climática”.

 

Em Glasgow, executivo participará dos debates no “Business Leaders” e a companhia é a única brasileira no grupo

 

Em Glasgow, Teixeira integrará o grupo que, desde o ano passado, se reúne para discutir as pautas mais urgentes relacionadas às mudanças climáticas e engajar o setor privado nas metas de redução de carbono. Na semana passada, o executivo já havia sido eleito “biopersonalidade” do ano no Fórum Mundial de Bioeconomia, que pela primeira vez deixou a Finlândia e foi realizado em Belém, no Pará.

 

Em relação aos negócios da Klabin, após exaltar os resultados históricos registrados no terceiro trimestre, o diretor-geral lembrou que o quarto trimestre é sazonalmente forte e a companhia deve entregar novo crescimento do resultado antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda). “A Klabin manterá o ritmo de crescimento com resultados tão consistentes quanto os realizados nos trimestres anteriores”, observou.

 

A companhia, que está no meio da execução do maior investimento de sua história, prevê desembolsar cerca de R$ 3 bilhões com o Projeto Puma II, em Ortigueira (PR), no próximo ano. Segundo o diretor financeiro e de relações com investidores Marcos Ivo, já foram investidos R$ 7,1 bilhões neste ciclo de crescimento, de um total de R$ 12,9 bilhões. No quarto trimestre, os desembolsos com o projeto devem chegar a R$ 1 bilhão.

 

A primeira máquina de papel de Puma II, a MP 27, entrou em operação no fim de agosto e é dedicada à produção do Eukaliner, o primeiro kraftliner do mundo feito 100% com fibra de eucalipto. Segundo Ivo, a rampa de produção está seguindo o planejamento esperado e, até o fim do ano, 90 mil toneladas do papel deverão ser produzidas.

 

A segunda fase do projeto, que prevê a instalação de uma máquina de papel cartão, já está em execução e tem início de operação estimado para o segundo trimestre de 2023.

 

Segundo o diretor de papéis da Klabin, Flavio Deganutti, o mercado global de kraftliner permanece “muito equilibrado” e a máquina 27 deve alcançar 85% da capacidade de produção alvo em 2022. Esses volumes, explicou, serão direcionados ao atendimento do crescimento orgânico do mercado doméstico e para a produção de embalagens da companhia, com excedentes exportados – pouco mais da metade da produção deve ter como destino o mercado externo.

 

“Os preços seguem bastante positivos. O momento é de preços historicamente altos para kraftliner e reciclados”, afirmou o diretor, acrescentando que o Eukaliner é vendido com prêmio em relação ao kraft tradicional.

 

O mercado doméstico de cartões, por sua vez, segue “bastante equilibrado”, depois de crescer mais de 20% nos nove primeiros meses do ano sobre a base forte de 2020. “Fora do Brasil, vemos a mesma coisa, o que permite a evolução de preços em todos os mercados”, acrescentou.

 

Para a parcela menor de cartões que é negociada no mercado spot, a expectativa é de aumento de preços. Já para os contratos, que englobam o maior volume transacionado de cartões, as negociações em torno de reajustes vão ocorrer na virada do ano.

 

Segundo o diretor da unidade de celulose da Klabin, Alexandre Nicolini, a demanda da fibra no Brasil, América do Norte e Europa permanece aquecida. “A China hoje é o único mercado que destoa. O desvio de volumes da China para outras geografias tem como base o consumo maior nesses mercados [e não os preços mais elevados]”, disse. A partir de novembro, disse o executivo, a expectativa é de maior estabilidade dos preços na China, já que os preços de importação caíram pela primeira vez abaixo das cotações de revenda.


Mais lidas


Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais

Por causa da curvatura da Terra, a distância na qual um navio pode ser visto no horizonte depende da altura do observador.   Para um observador no chão com o nível dos olhos em h = 7 pés (2 m), o horizonte está a uma distância de 5,5 km (3 milhas), cada milha marítima igual a 1.852 […]

Leia Mais