SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   Leixões torna-se o primeiro porto 5G em Portugal, fruto da parceria entre NOS e APDL

Leixões torna-se o primeiro porto 5G em Portugal, fruto da parceria entre NOS e APDL


Fonte: Revista Cargo (15 de outubro de 2021 )

NOS e a APDL – Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo apresentaram o Primeiro Porto 5G em Portugal – o Porto de Leixões, um dos grandes bastiões portuários e logísticos do país, tornou-se a primeira infraestrutura portuária a entrar na era 5G.

 

Leixões terá incrementos em termos de competitividade, eficiência e segurança

Porto de Leixões novo terminalEste marco histórico tem fundações no ano de 2019, altura em que Matosinhos se tornou num laboratório vivo de inovação, em sintonia com a NOS, tornando a cidade mais inteligente e aplicando a tecnologia 5G a projetos que contribuam para o “aumento da sua eficiência e competitividade em diversas áreas, nomeadamente na da indústria”, explicou, através de um comunicado, a administração portuária.

 

Integralmente coberto com a quinta geração de redes móveis da NOS, o Porto de Leixões poderá agora contar com significativos “incrementos em termos de competitividade, eficiência e segurança na gestão desta importante infraestrutura nacional”, vincou a APDL, puxando dos galões para lembrar que Leixões é o “principal porto exportador do país em carga contentorizada e globalmente, contribui para 7% do emprego em Portugal e 6% do PIB nacional”. Em 2020, e mesmo com o efeito da pandemia, o porto de Leixões movimentou cerca de 17,1 milhões de toneladas.

 

Drones 5G cruzarão os céus do porto

A parceria com a NOS vai permitir à APDL monitorizar estas complexas operações com recurso a Drones 5G, equipados com câmaras capazes de transmitir, em tempo real, imagens de vídeo em alta qualidade para a sala de controle. Os Drones 5G estão preparados para ser equipados com sensores ambientais, de ruído e qualidade do ar, capazes de medir os impactos de cada operação em tempo real e diretamente no local.

 

Com estes meios de monitorização remotos, tanto o centro de operações, como os pilotos dos navios podem acompanhar um conjunto de manobras de maior risco, aumentando simultaneamente a capacidade para realizar inspeções no local, com maior frequência, flexibilidade e segurança bem como permitir um apoio fundamental na gestão à resposta e mitigação em caso de incidentes”, disse a APDL.

 

Realidade aumentada e digital twins em análise

APDL contentores Yilport Leixões

As equipes da NOS e da APDL estão também a estudar a melhor forma de tirar partido da realidade aumentada e tecnologia de gêmeo digital (já aqui analisada pela Revista Cargo) para tornar os processos de manutenção de maquinaria e logística mais eficientes, implementando IoT (Internet das Coisas) de sensorização para saber em tempo real a localização e estado de todos os ativos.

 

Recorde-se que a tecnologia 5G promete ser o “principal acelerador da 4ª revolução industrial”, declara a APDL. Através das suas elevadas velocidades, latências hiper-reduzidas e ligações massivas, a quinta geração de comunicações móveis “vai contribuir para alavancar um conjunto de relevantes use cases e trazer novas aplicações que prometem mudar a forma como as empresas trabalham e a sociedade funciona”, assegura a APDL.


Mais lidas


Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais

Por causa da curvatura da Terra, a distância na qual um navio pode ser visto no horizonte depende da altura do observador.   Para um observador no chão com o nível dos olhos em h = 7 pés (2 m), o horizonte está a uma distância de 5,5 km (3 milhas), cada milha marítima igual a 1.852 […]

Leia Mais