SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   Copersucar: Usinas investem em cogeração de energia limpa

Copersucar: Usinas investem em cogeração de energia limpa


Fonte: Copersucar (15 de outubro de 2021 )
Foto: Copersucar

 

A biomassa de cana-de-açúcar tem sido cada vez mais aproveitada pelo setor sucroalcooleiro como fonte geradora de energia limpa e renovável. Em junho deste ano, entrou em operação a Maringá Energia, empresa focada na cogeração de energia a partir da queima do bagaço da cana-de-açúcar, resultante do processo produtivo de açúcar e etanol da Usina Jacarezinho, unidade do Grupo Maringá localizada no Paraná e uma das 34 associadas da Copersucar.

 

A capacidade de produção inicial da Maringá Energia é de 25 MWh de energia elétrica (120 mil MWh anual), sendo 10 MWh para suprir a demanda própria. Os 15 MWh excedentes serão vendidos à subestação da Companhia Paranaense de Energia Elétrica (Copel), em Andirá.

 

A nova empresa confirma a aposta do Grupo Maringá no segmento de produção e comercialização de energia renovável, de forma competitiva, no mercado livre, e reforça o compromisso do grupo com a busca de parâmetros de operação cada vez mais sustentáveis.

 

Com a capacidade de moagem anual da Usina Jacarezinho superior a 2,5 milhões de toneladas de cana-de-açúcar, o potencial de exportação anual de energia da Maringá Energia é de 120 mil MWh, volume que daria para abastecer uma cidade de 33 mil habitantes de julho a dezembro, sem interrupções.

 

“Já somos autossustentáveis no consumo energético e vendemos o excedente cogerado”, afirma o diretor de Operações Sucroenergético do Grupo Maringá, Condurme Aizzo. “A expectativa agora é aumentar nossa participação nessa plataforma, ampliando os negócios da venda de energia. Os estudos para exportarmos mais 17 MWh estão avançados, temos bagaço disponível, mas ainda é muito cedo para fazer qualquer previsão”, afirma.

 

Usina da Pedra

No início da década de 2000, a Usina da Pedra, outra associada da Copersucar, deu início ao seu projeto de cogeração de energia a partir da biomassa de cana-de-açúcar, até então inédito no Brasil, com a implantação da Central Energética Rio Pardo (Cerpa), que entrou em operação em 2003, na cidade paulista de Serrana.

 

A partir daí, a unidade passou a comercializar a energia excedente à necessária ao seu próprio consumo. Em 2010, firmou parceria com a CPFL Energia, para um projeto que envolveu as três unidades do Grupo Pedra, com implantação de térmicas e de linha de transmissão.

 

Atualmente, as usinas da Pedra, Buriti e Ipê exportam, juntas, um total de 740 mil MWh de energia.

 

Usinas sócias

Todas as 34 usinas associadas à Copersucar cogeram energia, das quais, 25 exportam para o Sistema Interligado Nacional (SIN), em volumes maiores ou menores.

 

O total de energia produzida pelas usinas é de 191.088.673,74 GJ, equivalentes a 53.080,58 GWh. A energia exportada soma 2.864,19 GWh.


Mais lidas


    A desestatização do Porto de Santos deve ser concluída até o fim de 2022, de acordo com o secretário nacional de Portos e Transportes Aquaviários no Ministério da Infraestrutura, Diogo Piloni, durante o III Congresso de Direito Marítimo e Portuário. De acordo com ele, a consulta pública deve ser aberta até o fim […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Por causa da curvatura da Terra, a distância na qual um navio pode ser visto no horizonte depende da altura do observador.   Para um observador no chão com o nível dos olhos em h = 7 pés (2 m), o horizonte está a uma distância de 5,5 km (3 milhas), cada milha marítima igual a 1.852 […]

Leia Mais