SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   ‘Perdas com hidrovia serão repassadas aos alimentos’, prevê analista

‘Perdas com hidrovia serão repassadas aos alimentos’, prevê analista


Fonte: Canal Rural (2 de setembro de 2021 )
“Sem contar vários outros impactos que a gente pode ter, como mais acidentes, mais consumo de combustível e gases poluentes”, observa Silvia Fagnani, da ThinkBrasil – Clique aqui para assistir

 

Os impactos da crise hídrica não se limitam apenas ao aumento dos custos de energia, e afetam também o transporte de cargas por hidrovias. De acordo com a Confederação Nacional do Transporte (CNT), este modal está sendo cada vez mais usado, muito por conta dos custos mais baixos do que o transporte por rodovias e ferrovias.

 

Só no ano passado, foi registrado uma alta de 80% no transporte por hidrovias. Por conta dos impactos da crise hídrica, houve um aumento na disputa pelo uso das águas do Complexo Hidroviário Tietê-Paraná, o que resultou na paralisação do transporte por hidrovias no complexo na última sexta-feira, 1º.

 

A sócia da consultoria ThinkBrasil Silvia Fagnani observa que somente a hidrovia Tietê-Paraná transporta por ano 9 bilhões de toneladas de produtos agrícolas. “Com a paralisação que vem ocorrendo desde sexta-feira (27), certamente será preciso transferir toda essa carga para outros modais, principalmente os rodoviários e ferroviários, que são muito mais caros”, afirma a analista.

 

Fagnani lembra que, segundo cálculos da Agência Nacional de Transportes (ANTT), o transporte por hidrovias chega a ser 60% mais barato do que rodovias e 30% do que ferrovias. “Sem contar vários outros impactos que a gente pode ter, como mais acidentes, mais consumo de combustível e gases poluentes”, observa ela.

 

O transporte de todas as culturas, mas principalmente o que é feito entre as regiões Sudeste, Centro-oeste e os portos, é afetado, em especial o farelo de soja e milho, de acordo com Fagnani. Ela pontua que as entidades do setor já estão em contato com o Ministério da Infraestrutura (MInfra) para que a hidrovia volte a operar no início de 2022, lembrando que, em 2014, a via ficou paralisada durante vinte meses.

 

“Existe uma previsão de perda de mais ou menos R$ 6,5 bilhões entre setembro e dezembro com a paralisação das hidrovias. Isto certamente será repassado para os alimentos, com perda de competitividade e inflação”, afirma a especialista.


Mais lidas


  Na manhã desta quarta-feira (18), o Sopesp (Sindicato dos Operadores Portuários do Estado de São Paulo) recebeu em sua sede a visita do desembargador federal, Celso Ricardo Peel Furtado, do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região.   O magistrado foi recebido com um café da manhã pelo presidente da entidade, Régis Prunzel, acompanhado […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais