SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   Exportações de móveis e colchões registram alta de 72,1% no 1º semestre e receita soma US$ 406 milhões

Exportações de móveis e colchões registram alta de 72,1% no 1º semestre e receita soma US$ 406 milhões


Fonte: Comex do Brasil (30 de agosto de 2021 )

Brasília – As exportações brasileiras de móveis e colchões fecharam o primeiro semestre de 2021 com um avanço de 72,1% em relação ao mesmo período em 2020 De janeiro a junho deste ano, as vendas externas desses bens totalizaram Us$ 406 milhões, contra uma receita de US$ 236 milhões registrada no mesmo período de 2020.

 

No acumulado de doze meses, entre julho de 2020 e junho de 2021, as exportações de móveis e colchões totalizaram US$ 616 milhões. Os dados são da Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário (Abimóvel).

 

De acordo com a Abimóvel, a ruptura sofrida na primeira metade do ano passado, quando houve queda de 17,4% nas exportações do setor, impulsionou o acumulado nesta comparação para cima. Os resultados consolidados a partir da explosão na venda global de móveis em junho de 2020, porém, confirmam a solidez nas exportações moveleiras nacionais, com um aumento de 41,3% na quantidade de peças exportadas nos últimos 12 meses.

 

Tal movimentação devolve o volume perdido às empresas exportadoras, aumentando a participação dos móveis e colchões brasileiros no mercado internacional, bem como demonstrando a evolução real da competitividade da indústria brasileira, confirmando-a como a sexta maior produtora e a 28ª maior exportadora de mobiliário em todo o mundo.

 

Os indicadores são do estudo “Monitoramento das Exportações de Móveis e Colchões”, desenvolvido pelo IEMI – Inteligência de Mercado para a Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário (Abimóvel)  e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

 

Exportações de ‘móveis de aço’ se estabilizam

O destaque desta edição do estudo ficou para a exportação de estofados, que no sexto mês do ano cresceu 122% na comparação com o mês imediatamente anterior; 98,7% no acumulado de janeiro a junho em relação a igual período em 2020; e 38,6% nos últimos 12 meses. Crescimento considerável em todas as comparações.

 

Chama a atenção, também, a estabilização das exportações na categoria “móveis de aço”, uma das mais abaladas pelas rupturas na cadeia produtiva moveleira geradas a partir do acirramento da pandemia no mundo. O segmento avança em ritmo positivo, com aumento de 103,2% no volume exportado em junho sobre maio deste ano. Estados Unidos, Panamá e Colômbia são, atualmente, os principais destinos internacionais dos móveis de metal produzidos no Brasil.

 

As exportações de móveis de madeira e de colchões fabricados no Brasil também seguem em evolução contínua, conforme a tabela abaixo:

 

 

Principais destinos dos móveis e colchões brasileiros no exterior

Falando no destino das exportações moveleiras, aliás, os Estados Unidos continuam na liderança como o principal mercado importador de móveis brasileiros (veja números na tabela abaixo). Exceto na categoria colchões, em que os principais mercados-alvos atualmente são: o Uruguai, com crescimento de 42,2% no acumulado de janeiro a junho deste ano, apesar da queda de 3,5% em junho sobre maio; a Bolívia, com crescimento robusto de 114,4% no semestre e 131,8% na passagem de maio para junho; e Paraguai, aumento de 107,3% no consolidado semestral e 7,8% no mês.

 

Voltando ao panorama geral, incluindo as quatro principais categorias de mobiliário (madeira, metal, estofados e colchões), com as exportações moveleiras para o Chile crescendo a um ritmo acelerado, como destacamos em nossa análise sobre a última edição do “Monitoramento das Exportações” (leia aqui), o país sul-americano assumiu nos últimos meses a segunda posição entre os principais destinos dos móveis brasileiros no exterior, deixando o Reino Unido na terceira posição.

 

O mercado britânico, no entanto, voltou a demonstrar números promissores no final do primeiro semestre de 2021, apresentando avanço de 60% em junho sobre maio; 44,6% no acumulado até junho deste ano; e 17,4% nos últimos 12 meses. Apontando, assim, um possível processo de recuperação.

 

De olho nos mercados-alvos: Reino Unido

Para se compreender um pouco mais sobre o mercado britânico, segundo o levantamento “Reino Unido – Móveis 2021”, publicado pela Apex-Brasil e desenvolvido junto à Euromonitor International, as vendas em valor no setor de móveis no Reino Unido (que inclui Inglaterra, País de Gales, Escócia e Irlanda do Norte) contabilizaram US$ 19,4 bilhões em 2020. Os móveis para quartos de dormir e as cadeiras, assentos, sofás e poltronas são os tipos de mobiliário mais consumidos por lá.

 

Devido, entre outras questões, às turbulências que atingiram o mercado imobiliário da região entre 2017 e 2020, no entanto, as vendas de móveis registraram queda de 0,6% nesse período. Com a demanda resultante sendo majoritariamente atendida pelos fabricantes locais (72%) e menores volumes de importação, que caíram para 28% em 2019.

 

No entanto, conforme explicam os especialistas da Apex-Brasil e da Euromonitor, a produção local foi fortemente afetada em 2020, pelas medidas de confinamento e pelo fechamento de todas as atividades econômicas não essenciais no Reino Unido. Logo, a dependência em relação às importações aumentou para 40% em 2020, criando espaço para mais fornecedores internacionais preencherem a lacuna deixada pela produção local.

 

 

Oportunidades para a indústria brasileira de móveis e colchões no Reino Unido

Apesar das difíceis condições de mercado e da queda em 3,3% das vendas gerais de móveis registradas no ano passado no Reino Unido, assim como vem ocorrendo nas principais economias ao redor do mundo, incluindo a brasileira, o novo olhar para a casa vem ampliando a relação dos consumidores britânicos com a compra de móveis.

 

Dessa forma, espera-se que o mercado moveleiro do Reino Unido se recupere neste ano, com crescimento médio anual previsto de 1,4% até 2024. As novas oportunidades derivadas dessa tendência positiva abrem espaço para empresas de outros mercados satisfazerem a maior demanda.

 

Outra oportunidade para a indústria de móveis brasileira está nos quesitos qualidade e sustentabilidade. A cadeia moveleira britânica vem buscando a sustentabilidade ecológica de longo prazo do fornecimento à fabricação. Para reduzir o impacto ambiental, fabricantes e distribuidores de móveis vêm adotando soluções ecológicas, utilizando materiais naturais sustentáveis como madeira e materiais reciclados, amplamente disponíveis no Brasil. Estes fatores, além do quesito design integrado à indústria, deverão contribuir para o posicionamento dos exportadores brasileiros neste mercado-alvo.

 

Os especialistas da Euromonitor International e da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos ainda ressaltam que após se retirarem da União Europeia (UE), o Reino Unido ratificou um acordo comercial com o bloco europeu em dezembro de 2020 e pretende assinar acordos também com países terceiros, incluindo o mercado sul-americano. Nesse sentido, o país firmou um acordo com países da Comunidade Andina (Colômbia, Peru e Equador) e no âmbito do “V Diálogo Estratégico Brasil-Reino Unido”, os países concordaram em acelerar os preparativos para um futuro acordo de livre-comércio. Industriais exportadores brasileiros, fiquem atentos às oportunidades.

 

(*) Com informações da Abimóvel


Mais lidas


  Na manhã desta quarta-feira (18), o Sopesp (Sindicato dos Operadores Portuários do Estado de São Paulo) recebeu em sua sede a visita do desembargador federal, Celso Ricardo Peel Furtado, do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região.   O magistrado foi recebido com um café da manhã pelo presidente da entidade, Régis Prunzel, acompanhado […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais