SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   Retomada do trabalho presencial requer protocolos para gestão da qualidade de vida

Retomada do trabalho presencial requer protocolos para gestão da qualidade de vida


Fonte: Jornal da USP (12 de agosto de 2021 )
O modelo híbrido representa uma nova modalidade de qualidade de vida virtual por combinar o âmbito presencial com o remoto – Foto: FreePik/USP

As dinâmicas de trabalho foram profundamente impactadas pela pandemia. Depois dos ajustes que foram necessários, como o home office, o momento agora é de retomada e trabalho híbrido. Um estudo do Núcleo de Gestão da Qualidade de Vida no Trabalho (GQVT-Insight) demonstra os novos desafios e cuidados com a qualidade de vida durante esse período.

 

Ana Cristina Limongi-França, professora da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da USP e coordenadora do núcleo, conta que o modelo híbrido representa uma nova modalidade de qualidade de vida virtual por combinar o âmbito presencial com o remoto. “A gente está se conhecendo e conhecendo as novas realidades”, diz ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição.

 

Inicialmente o estudo foi amplo e os questionários divulgados pelas redes sociais. Posteriormente, foi segmentado para professores. Segundo Ana, as principais descobertas estão relacionadas à sobrecarga de trabalho doméstico. Também foi identificado o orgulho de ter um professor na família, de modo que isso melhorou a qualidade de vida desses docentes, mesmo eles estando mais cansados.

 

Na fase de transição e trabalho híbrido, a sobrecarga com tarefas domésticas se mantém e aparecem mais relatos sobre esgotamento e sobrecarga do trabalho como docente. “Outra questão que a gente observou é o medo da atividade presencial”, acrescenta a professora.

 

Segundo ela, existem muitas dissonâncias e nem todos os profissionais estão seguros em relação ao retorno presencial. Por isso, é preciso “diferenciar os protocolos de orientação para a gestão da qualidade de vida”. “É preciso um cuidado para cada contexto”, afirma. Para Ana, esse cuidado não deve ser adotado apenas com a questão sanitária, mas também com as questões psicológicas e de produtividade.

 

A segunda fase do estudo está em desenvolvimento e será lançada em setembro para investigar os desafios do modelo híbrido. Os dados obtidos até agora podem ser encontrados no site www.nucleogqvt.com.br.


Mais lidas


Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais

Por causa da curvatura da Terra, a distância na qual um navio pode ser visto no horizonte depende da altura do observador.   Para um observador no chão com o nível dos olhos em h = 7 pés (2 m), o horizonte está a uma distância de 5,5 km (3 milhas), cada milha marítima igual a 1.852 […]

Leia Mais