SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   Retomada do trabalho presencial requer protocolos para gestão da qualidade de vida

Retomada do trabalho presencial requer protocolos para gestão da qualidade de vida


Fonte: Jornal da USP (12 de agosto de 2021 )
O modelo híbrido representa uma nova modalidade de qualidade de vida virtual por combinar o âmbito presencial com o remoto – Foto: FreePik/USP

As dinâmicas de trabalho foram profundamente impactadas pela pandemia. Depois dos ajustes que foram necessários, como o home office, o momento agora é de retomada e trabalho híbrido. Um estudo do Núcleo de Gestão da Qualidade de Vida no Trabalho (GQVT-Insight) demonstra os novos desafios e cuidados com a qualidade de vida durante esse período.

 

Ana Cristina Limongi-França, professora da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da USP e coordenadora do núcleo, conta que o modelo híbrido representa uma nova modalidade de qualidade de vida virtual por combinar o âmbito presencial com o remoto. “A gente está se conhecendo e conhecendo as novas realidades”, diz ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição.

 

Inicialmente o estudo foi amplo e os questionários divulgados pelas redes sociais. Posteriormente, foi segmentado para professores. Segundo Ana, as principais descobertas estão relacionadas à sobrecarga de trabalho doméstico. Também foi identificado o orgulho de ter um professor na família, de modo que isso melhorou a qualidade de vida desses docentes, mesmo eles estando mais cansados.

 

Na fase de transição e trabalho híbrido, a sobrecarga com tarefas domésticas se mantém e aparecem mais relatos sobre esgotamento e sobrecarga do trabalho como docente. “Outra questão que a gente observou é o medo da atividade presencial”, acrescenta a professora.

 

Segundo ela, existem muitas dissonâncias e nem todos os profissionais estão seguros em relação ao retorno presencial. Por isso, é preciso “diferenciar os protocolos de orientação para a gestão da qualidade de vida”. “É preciso um cuidado para cada contexto”, afirma. Para Ana, esse cuidado não deve ser adotado apenas com a questão sanitária, mas também com as questões psicológicas e de produtividade.

 

A segunda fase do estudo está em desenvolvimento e será lançada em setembro para investigar os desafios do modelo híbrido. Os dados obtidos até agora podem ser encontrados no site www.nucleogqvt.com.br.


Mais lidas


  Na manhã desta quarta-feira (18), o Sopesp (Sindicato dos Operadores Portuários do Estado de São Paulo) recebeu em sua sede a visita do desembargador federal, Celso Ricardo Peel Furtado, do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região.   O magistrado foi recebido com um café da manhã pelo presidente da entidade, Régis Prunzel, acompanhado […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais