SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   Câmara aprova minirreforma trabalhista

Câmara aprova minirreforma trabalhista


Fonte: Valor Econômico (11 de agosto de 2021 )

Aureo: “Tivemos um acordo [com o Sistema S] para que a empresa só possa deduzir 15% das contribuições” — Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados
A Câmara dos Deputados aprovou ontem, por 304 votos a 133, o parecer do deputado Christino Aureo (PP-RJ) à medida provisória (MP) que prorroga o programa de manutenção dos empregos criado em função da pandemia, promove uma minirreforma trabalhista e cria um bônus para contratação de jovens. O fim da votação acabou adiado para hoje, contudo, porque falta a análise de 16 emendas da oposição e até por partidos da base.

 

A oposição tem protestado contra o parecer de Aureo, que incluiu mudanças na legislação trabalhista dentro da proposta, como restrições à Justiça gratuita e ao poder dos juízes do Trabalho sobre os acordos extrajudiciais (ver mais nesta página), mas o que dificultou a votação do projeto é a fonte de custeio para o programa de inclusão de jovens no mercado de trabalho proposto pelo relator junto com o governo.

 

No parecer anterior, o Bônus de Inclusão Produtiva (BIP) seria custeado por um corte linear de 30% nas verbas do Sistema S (Senai, Sesc, Sesi, Senac e outros), montante que chegaria a R$ 8 bilhões por ano. Na nova versão, as empresas poderão descontar para pagar a seus funcionários até 15% das contribuições que teriam que fazer a essas entidades.

 

Segundo Aureo, isso deve dar cerca de R$ 1 bilhão a R$ 1,5 bilhão por ano para o BIP. Esse dinheiro seria uma compensação entre empresa e Sistema S e não passaria pelo Orçamento da União – não estando sujeito, portanto, às restrições orçamentárias do governo. Nos próximos anos, o Congresso pode aportar recursos do Orçamento federal para ampliar o programa.

 

“Tivemos um acordo [com o Sistema S] para que a empresa só possa deduzir 15% das contribuições”, disse Aureo. “Dando um exemplo claro, a empresa que tiver R$ 2 mil a pagar de contribuições mensais vai recolher R$ 1,7 mil e usar os R$ 300 para pagar o bônus para o trabalhador”, afirmou o relator.

 

Não foi, contudo, a posição de todas as entidades do sistema. Líder da maioria na Câmara, o deputado Diego Andrade (PSD-MG) apresentou emenda para suprimir o artigo que estabelece a fonte de custeio do BIP. “Gerar novas oportunidades de emprego e viabilizar a entrada dos jovens no mercado de trabalho são de fato ações fundamentais para que a economia volte a crescer, contudo o modelo proposto nos traz preocupações quanto a legalidade e sustentabilidade operacional do Sistema S”, disse ele, que é próximo da Confederação Nacional dos Transportes (CNT).

 

O presidente do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Carlos Melles, disse ao Valor no fim da tarde que as negociações ainda estavam em curso. “O Sebrae vai participar desse esforço que o governo está fazendo para treinar pessoas e gerar empregos. Agora ainda estamos estudando forma legal de como vamos fazer isso”, disse. No caso do Sebrae, o relator previa o repasse de recursos diretos ou a concessão de “vouchers” para as empresas.

 

O BIP pagará R$ 275,00 e a empresa bancará outros R$ 275 de salário. O benefício será destinado a jovens entre 18 e 29 anos de baixa renda, sem emprego formal há pelo menos dois anos, e com jornada de trabalho limitada a 22 horas semanais e sem vínculo formal de trabalho. As empresas terão que fazer convênio com o Sistema S ou outras entidades para que esse jovem participe de cursos de qualificação.

A MP ainda cria outro programa para contratação formal de funcionários por até dois salários mínimos (R$ 2,2 mil) e com redução do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), que hoje é de 8% sobre o salário do empregado para todas as empresas. Caso o projeto seja aprovado, os pagamentos serão de 2% para microempresas, 4% para empresas de pequeno porte e 6% para as demais. O Congresso tem até 7 de setembro para aprovar a MP antes que ela perca a validade.

 

Esse programa, batizado de Programa Primeira Oportunidade e Reinserção no Emprego (Priore), será destinado a pessoas entre 18 e 29 anos e acima de 55 anos sem registro na CLT há mais de 12 meses. As empresas poderão abater um valor do BIP (de R$ 275) das contribuições ao Sistema S caso esse trabalhador esteja também passando por curso de qualificação profissional.

 

A oposição protestou contra a proposta e tentou impedir que fosse votada. “Serão jovens sem direito substituindo trabalhadores com direito”, disse o deputado Rogério Correia (PT-MG).

 

Já o relator defendeu que os dois programas serão transitórios, com duração de 36 meses, como forma de incluir jovens no mercado de trabalho e reinserir pessoas com mais de 55 anos. “São jovens que não têm condições de competir no mercado formal”, afirmou.

 

O parecer também tornou permanente o programa de manutenção dos empregos, que permite redução de jornada de trabalho, com corte proporcional de salário, em situações de crise.


Mais lidas


Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais

Por causa da curvatura da Terra, a distância na qual um navio pode ser visto no horizonte depende da altura do observador.   Para um observador no chão com o nível dos olhos em h = 7 pés (2 m), o horizonte está a uma distância de 5,5 km (3 milhas), cada milha marítima igual a 1.852 […]

Leia Mais