SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   Navios que arvoram bandeira lusa são pioneiros em ter toda a documentação digitalizada

Navios que arvoram bandeira lusa são pioneiros em ter toda a documentação digitalizada


Fonte: Revista Cargo (14 de maio de 2021 )

Em declarações prestadas durante a conferência ‘Digital Transition in Shipping’, promovida pela ENIDH, José Simão, diretor-geral da DGRM, vincou os avanços em digitalização levados a cabo por Portugal, frisando que os navios da marinha mercante que arvoram a bandeira lusa “são os primeiros no mundo a ter simultaneamente toda a documentação estatutária de navios e documentos de marítimos, em formato eletrônico”.

 

Navios da marinha mercante com bandeira lusa são sinônimo de progresso digital

Os navios da marinha mercante que arvoram a bandeira portuguesa são os primeiros no mundo a ter simultaneamente toda a documentação estatutária de navios e documentos de marítimos, em formato eletrônico. Este feito, é fruto das sinergias e colaboração entre os diferentes organismos do Ministério do Estado, para a emissão de certificados eletrônicos, assinados digitalmente, atestando-se a sua autenticidade e verificação online, facilitando as operações de controlo de Estado Bandeira e Estado de Porto, declarou o diretor-geral da DGRM.

 

O responsável lembrou que “a digitalização é também um instrumento da maior importância para os aspectos ambientais”, sendo o processo de transição digital importante para a realização da transição energética. Para José Simão, a realidade do Shipping moderno passa cada vez mais pela vertente de sustentabilidade ambiental, dados os esforços conjuntos das organizações internacionais rumo a um setor mais ecológico e mais neutral em termos de emissões poluentes. Recorde-se que o Shipping tem, gradualmente, adotado várias regras de minimização do impacto da sua pegada ecológica, como, por exemplo, a introdução, no arranque do passado ano de 2020, da chamada Sulphur Cap.

 

Iniciativas como o e-ship, são igualmente um marco internacional na gestão das cargas não conteinerizadas (a granel e liquefeitas) porque definem padrões, que no futuro serão objeto de benchlearning pelos atores internacionais, declarou ainda José Simão.


Mais lidas


Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais