SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   País que não controlar epidemia pagará preço econômico, diz estudo

País que não controlar epidemia pagará preço econômico, diz estudo


Fonte: Valor Econômico (6 de abril de 2021 )

 

A probabilidade de uma recuperação econômica global coordenada da pandemia de covid-19 diminuiu. A vacinação mais lenta e uma nova onda de contágios em alguns países está resultando em “perspectivas de crescimento muito divergentes”. É o que diz estudo exclusivo do “Financial Times”.

 

O principal motor do sucesso econômico em 2021 deverá ser a capacidade de controlar o vírus, aponta o “tracking index” Brookings-FT, que prevê que os países ricos superarão os emergentes em crescimento, indicadores financeiros e confiança dos investidores nos próximos meses.

 

O índice aparece no momento em que ministros das Finanças e banqueiros centrais se preparam para reuniões virtuais do Fundo Monetário Internacional (FMI) e Banco Mundial nesta semana. As perspectivas econômicas divergentes adicionarão tensão às já intensas batalhas globais pela produção e distribuição de vacinas.

 

 

“A economia mundial se depara com perspectivas de crescimento muito díspares em várias regiões, à medida que as expectativas de rápida recuperação do funesto ano de 2020 se tornam incertas”, disse o professor Eswar Prasad, do Brookings Institution.

 

O Brookings-FT Tracking Index para a Recuperação da Economia Mundial (Tiger, na sigla em inglês) compara indicadores da atividade real, mercados financeiros e confiança com as médias históricas da economia global e de cada país, indicando até que ponto os dados do período atual são normais.

 

Nos números dos últimos seis meses, os dados das economias emergentes continuam bem piores que o usual desde que o índice começou a ser feito, em 2012, enquanto o desempenho das economias avançadas melhorou juntamente com a recuperação dos mercados financeiros.

 

Na semana passada o FMI e a ONU alertaram que os países mais pobres, atingidos pelos efeitos econômicos e de saúde da pandemia, poderão ter uma crise de dívida se medidas mais ambiciosas não forem adotadas por instituições multilaterais e pelas economias mais ricas do mundo.

 

Prasad disse que o sucesso econômico depende de os países conduzirem corretamente suas políticas econômica e de saúde. “A receita para uma recuperação sólida e durável segue sendo a mesma do último ano – medidas firmes para controlar o vírus, combinadas com estímulos monetários e fiscais equilibrados, com uma ênfase em políticas que apoiem a demanda e melhorem a produtividade.”

 

Os EUA e a China, as duas maiores economias do mundo, estão liderando a recuperação global, segundo o índice, mas com políticas diferentes. O crescimento dos EUA deverá ser recorde neste ano, e o PIB deve superar os níveis pré-pandemia, amparado pelos estímulos fiscais do presidente Joe Biden, que colocaram uma substancial força financeira nas mãos da maior parte das famílias americanas.

 

A economia da China continuou resiliente, com poucos surtos de covid-19 e o governo voltando sua atenção para metas de prazos mais longos para incrementar o consumo e o setor de serviços.

Mas na Europa e na maior parte da América Latina, as perspectivas de crescimento são fracas, e as previsões do FMI que serão divulgadas hoje deverão mostrar poucas possibilidades de o PIB alcançar os níveis pré-pandemia antes de 2022.

 

A produção industrial e o comércio vêm se mantendo bem no mundo desde os primeiros meses da pandemia, no ano passado, mas persistam problemas nas áreas de serviços mais voltados para o consumo, que ainda são muito afetadas pelas restrições que visam controlar a disseminação da covid-19.

 

“Políticas hesitantes estão afetando a confiança dos consumidores e das empresas nas economias mais fracas, aumentando as pressões econômicas”, disse Prasad.

 

Com o dólar e os rendimentos dos bônus dos EUA em alta, economistas temem que as economias emergentes com exposição cambial significativa venham a ter dificuldades para cumprir com o serviço de suas dívidas.

 

Membros do FMI estarão reunidos nesta semana para discutir esforços do G-20 (grupo das maiores economias do mundo) para aliviar o peso dessas dívidas, assim como esforços para desenvolver um fornecimento mais estável de vacinas contra a covid-19 e discutir as melhores maneiras de a economia mundial se recuperar da crise.


Mais lidas


Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais