SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   MSC apoia Câmara Marítima Internacional frente demanda de vacinação de marítimos

MSC apoia Câmara Marítima Internacional frente demanda de vacinação de marítimos


Fonte: Mundo Marítimo (24 de março de 2021 )
Concorda que uma possível medida impactaria marítimos de países em desenvolvimento sem acesso a vacinas

 

A falta de acesso às vacinas Covid-19 está aumentando a pressão sobre as cadeias de abastecimento globais e colocando as companhias marítimas em uma situação difícil, já que muitos governos exigem prova de vacinação como pré-condição para a entrada em seus portos.

 

É o que afirma a Câmara Marítima Internacional (ICS, por sua sigla em inglês), que anunciou que a vacinação contra a Covid-19 poderá em breve ser obrigatória para o trabalho no mar. Isso representa problemas significativos para as companhias marítimas, que se encontram em uma situação impossível, com pouco ou nenhum acesso direto às vacinas para sua força de trabalho, especialmente de países em desenvolvimento. De acordo com o ICS, mais da metade dos marítimos do mundo vem de países em desenvolvimento que não devem alcançar a imunização em massa antes de 2024.

 

A MSC faz escala em 500 portos em 215 rotas comerciais e seus marítimos podem ter que cruzar várias fronteiras internacionais, mesmo durante um contrato. Com o movimento global da tripulação já fortemente restrito desde o início da pandemia, e centenas de milhares de marítimos que mantiveram o mundo em movimento durante os fechamentos da pandemia ainda presos no mar, a perspectiva de mais atrasos ou restrições implica em um novo risco de interrupção do comércio global para muitas indústrias. Isso poderia até mesmo comprometer o papel vital do transporte marítimo na mobilização de equipamentos de proteção individual (EPI), suprimentos médicos e vacinas.

 

“Embora ainda não tenhamos visto, estamos definitivamente preocupados que a falta de vacinas se torne um obstáculo à livre circulação de marítimos este ano”, disse Bud Darr, Vice-Presidente Executivo do MSC Group para Política Marítima e Assuntos Governamentais, em uma declaração emitida pelo ICS.

 

“A indústria naval tem que encontrar soluções criativas para o problema. No curto prazo, isso significa vacinar os marítimos em seus países, onde há programas estabelecidos e suprimentos de vacinas suficientes. No longo prazo, trata-se de explorar a ideia de Parcerias privadas. Pode até haver a oportunidade, quando a necessidade inicial de alocação nacional for atendida, para os fabricantes fornecerem vacinas diretamente aos armadores para serem atribuídas / administradas a esses trabalhadores-chave “, disse Bud.

 

O ICS também observou que os armadores podem enfrentar responsabilidades e custos se as vacinas não forem fornecidas e destacou, como fez anteriormente, as graves consequências para o bem-estar físico e mental dos marítimos.

 

“Se nossos trabalhadores não conseguirem cruzar as fronteiras internacionais, isso sem dúvida causará atrasos e interrupções na cadeia de abastecimento”, disse o secretário-geral da ICS, Guy Platten, em sua declaração. “Para um setor que deve ajudar a impulsionar o esforço global de vacinação, isso é totalmente inaceitável”, enfatizou.


Mais lidas


Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais