SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   Cresce demanda dos árabes por pimentas brasileiras

Cresce demanda dos árabes por pimentas brasileiras


Fonte: Portos e Mercados (9 de março de 2021 )
A cooperativa capixaba atua na produção e exportação de pimenta e destina 70% da sua venda ao exterior para os árabes.

 

O recorde registrado em janeiro nas exportações de pimentas desidratadas do Brasil aos árabes rendeu US$ 6,4 milhões. O dado, divulgado pela Câmara de Comércio Árabe Brasileira, reflete um aumento da demanda que vem ocorrendo, inclusive, em meio à pandemia, explica Erasmo Carlos Negris, diretor administrativo da Cooperativa dos Produtores Agropecuários da Bacia do Cricaré (Coopbac).

 

A cooperativa capixaba atua na produção e exportação de pimenta e destina 70% da sua venda ao exterior para os árabes. Os países do bloco que recebem o produto brasileiro são 11: Emirados Árabes Unidos, Egito, Marrocos, Arábia Saudita, Argélia, Omã, Palestina, Tunísia, Iraque, Líbia e Sudão.

 

A pimenta-do-reino exportada pela Coopbac é desidratada e há pimentas do tipo black pepper ou white pepper. “A pimenta passa por um processo de rastreabilidade para garantia dos contratos estabelecidos. O volume de especiarias exportado pela cooperativa em 2020 foi de cerca de três mil toneladas”, explicou Negris à ANBA.

 

Desde o início da pandemia da covid-19, o mundo viu o ritmo diminuir em diversos setores, mas para a agricultura em geral, e na pimenta inclusive, os movimentos foram opostos. “A pandemia restringiu algumas atividades, mas na pimenta-do-reino houve aumento no volume negociado, em virtude da boa logística portuária existente no Brasil, bem como o aumento da produção a nível nacional, posicionando o Brasil como importante player fornecedor de especiarias aos vários mercados compradores”, disse Negris.

 

Para o presidente da cooperativa, as demandas árabes são importantes para atingir o plano de exportação da Coopbac de se consolidar como referência no setor de especiarias.

 

É o que também avalia o assistente comercial da Biospicefoods, José Tarcísio Malacarne Junior. A marca trabalha com comércio e exportação de pimenta rosa, pimenta-do-reino branca e preta, pimenta jamaica, cravo da índia e castanha-do-pará. No que diz respeito às pimentas, Junior explica que o mercado árabe é tradicional e vem crescendo. “Os árabes sempre compraram muito, mas nos últimos tempos têm se sobressaído e para nós é um dos principais mercados de exportação da pimenta”, revelou.

 

Neste ano a empresa foi pela segunda vez consecutiva à Gulfood, feira de alimentos que ocorre em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos. “Esse ano, apesar da pandemia, conseguimos fechar contratos com compradores com os quais já estávamos em contato e abrir mercados”, pontuou o executivo. A pimenta da Biospicefoods já chega ao Egito, Arábia Saudita, Tunísia, Iraque, Emirados Árabes Unidos, Palestina e Marrocos.


Mais lidas


Os dados divulgados pela Autoridade Portuária de Santos (APS), em seu balanço operacional de março, apontam um recorde histórico na movimentação de cargas. Foram mais de 15,16 milhões de toneladas que passaram pelos terminais do Porto de Santos, um crescimento de 10,4% comparado com a marca histórica anterior, conquistada em agosto de 2020.   O […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais