SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   Clima e demanda dão suporte a commodities

Clima e demanda dão suporte a commodities


Fonte: Valor Econômico (1 de março de 2021 )

 

O bom humor dos mercados em relação a ativos de risco, a demanda ainda firme por alimentos no mercado internacional e adversidades climáticas ajudam a manter as principais commodities agrícolas exportadas pelo Brasil com preços elevados nas bolsas de Chicago e Nova York.

 

Cálculos do Valor Data baseados nas médias mensais dos contratos futuros de segunda posição de entrega, geralmente os mais negociados, mostram que, em Chicago, soja e milho fecharam fevereiro com altas da ordem de 50% e 40% em relação ao mesmo mês de 2020, respectivamente. Na bolsa de Nova York, na mesma base de comparação, também aparecem com valorizações expressivas açúcar (10%), suco de laranja (15%), café (20%) e algodão (30%).

 

Como já informou o Valor, também estão em ascensão commodities como petróleo e cobre, em um movimento que, para muitos analistas, pode ser considerado o início de um novo “superciclo”. Em relatório divulgado no dia último dia 10, o banco J.P. Morgan indicou que esse superciclo é sustentado pela expectativa de recuperação da economia mundial (desde que domada a pandemia), por políticas monetárias e fiscais mais frouxas, pelo dólar mais fraco e pelo aumento da inflação.

 

Destaque entre os países em recuperação, a China, com seu processo de expansão da produção de carnes suína e de frango, tem sido fundamental para as disparadas de soja e milho, que também encontraram suporte em problemas climáticos na América do Sul e, mais recentemente, também nos Estados Unidos.

 

Segundo o Valor Data, o valor médio dos papéis de segunda posição da soja registrou em fevereiro o nono mês consecutivo de altas e chegou ao maior patamar desde maio de 2014 na bolsa de Chicago. Em relação ao mesmo mês de 2020, o aumento é de mais de 53%, e, na comparação com fevereiro de 2016, o avanço é de cerca de 60%.

 

A trajetória do milho é semelhante: nove meses seguidos de valorizações, para um pico mensal que não se via desde junho de 2013. Na comparação com fevereiro de 2020, a alta do mês passado foi de cerca de 43%. O platô atual é quase 50% superior ao observado no início de 2016.

 

Países como Estados Unidos e Brasil, grandes produtores e exportadores de ambos os grãos, têm sido particularmente beneficiados pelas espirais de valorização. O movimento é um estímulo para ampliações de plantio e para a retomada econômica em grandes regiões produtoras como o Meio-Oeste americano e o Centro-Oeste brasileiro – que conta, de quebra, com o câmbio favorável às exportações.

 

As “soft commodities” negociadas em Nova York registram valorizações menores, mas nem por isso desprezíveis. Contribuem para a alta dos preços a expectativa de recuperação da economia global e problemas climáticos, especialmente no Brasil. Na outra ponta, o risco de a pandemia seguir travando a recuperação da economia limita o avanço das cotações. O ritmo da atividade econômica já se mostrou vital para a manutenção das demandas por produtos como açúcar, café e algodão.

 

No mercado de algodão, a média dos contratos de segunda posição de entrega subiu em fevereiro pelo décimo mês seguido e chegou a seu maior patamar desde junho de 2018. Em relação a fevereiro de 2020, o aumento foi de cerca de 30%, e na comparação com fevereiro de 2016, de 50%.

 

No caso do café, a sequência de altas das cotações médias chegou ao quarto mês seguido, para um nível mais de 20% superior ao de fevereiro do ano passado. No grão, o movimento é de recuperação depois de quedas profundas nos últimos anos, daí porque em relação a fevereiro de 2016 a alta é menor, de cerca de 8%. A curva do açúcar é parecida, com valorizações de pouco menos de 10% em comparação com fevereiro de 2020 e de 20% em relação a fevereiro de 2016.

 

Já o suco de laranja destoa dessa tendência. O produto valorizou-se no início da pandemia por ser associado por consumidores a uma boa proteção contra a covid-19 (não há evidências científicas que confirmem essa “impressão”), e agora os preços estão em fase de acomodação. Mas os patamares atuais são inferiores aos verificados na maior parte da década passada. Em relação a fevereiro de 2016, a queda se aproxima de 15%.


Mais lidas


Os dados divulgados pela Autoridade Portuária de Santos (APS), em seu balanço operacional de março, apontam um recorde histórico na movimentação de cargas. Foram mais de 15,16 milhões de toneladas que passaram pelos terminais do Porto de Santos, um crescimento de 10,4% comparado com a marca histórica anterior, conquistada em agosto de 2020.   O […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais