SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   Pandemia e cadeias globais de valor

Pandemia e cadeias globais de valor


Fonte: Valor Econômico (11 de fevereiro de 2021 )

A eclosão da pandemia na China e o consequente rompimento de cadeias de suprimentos levantaram preocupações mundo afora. Emergiram inquietações com os riscos da excessiva concentração e dependência de equipamentos médicos e hospitalares e outros tantos bens e partes fabricados na China e com a excessiva interdependência produtiva, que estaria, inclusive, levando à transmissão e difusão dos choques da pandemia para a economia.

 

Redução da eficiência dos mercados terão impactos deletérios nas taxas de crescimento, pobreza e desigualdade

 

Governos ao redor do globo reagiram às dificuldades de importação de equipamentos médicos e enquadraram a pandemia como tema de segurança sanitária, nos moldes da segurança alimentar, e passaram a justificar a necessidade de produção local. Mas as reações oficiais de alguns países foram ainda mais longe e incluíram medidas que ampliaram distorções nos investimentos e no comércio e medidas para diversificar redes de suprimentos com vistas a reduzir a dependência da China. Alguns governos propuseram até mesmo medidas para levar de volta para os países de origem plantas ora em operação na China.

 

Aquelas inquietações têm suscitado calorosos debates sobre os destinos das cadeias globais de valor (CGV). Levantam-se indagações tais como se as reações de políticas levarão ao fim da globalização da produção e se, de fato, as multinacionais deixarão a China. Quaisquer que sejam as respostas, o fato é que o sentimento prevalecente é que as CGV teriam ido longe demais e mostrado os seus limites e que deveriam, agora, se transformar.

 

Mas os fatos mostram que as CGV já vinham em processo de transformação desde muito antes da pandemia. Motivos para isto incluíam o crescimento da importância dos serviços no valor agregado, como P&D, patentes, distribuição e marcas; aumento dos custos trabalhistas na China; redução da importância do custo da mão de obra como fator de eficiência produtiva devido à popularização de robôs, inteligência artificial e outras tecnologias; crescimento da importância da customização e da regionalização das estratégias mercadológicas;

 

crescente preocupação com a pegada de carbono na produção; lições das implicações do terremoto de 2011 no Japão nas cadeias de suprimentos; e aumento da participação dos serviços nas cestas de consumo.

 

O movimento interno de mudança nas cadeias de valor estaria, portanto, associado à mudanças tecnológicas e nos modelos de negócios e seria orientado por variáveis e estratégias comerciais.

 

Neste sentido, deveríamos esperar um esvaziamento das CGV na China? Com exceção de equipamentos médicos e hospitalares, medicamentos e similares, há razões para se esperar que as respostas oficiais à pandemia não alterarão de forma significativa as CGV para além do processo de transformação já em curso.

 

Afinal, a China é vista pelas empresas multinacionais como um sítio altamente atrativo e integrado para desenvolver, produzir e distribuir para todo o mundo – vale lembrar que o maior valor intangível das cadeias de produção são as redes de colaboração e relacionamentos e a diversidade de provedores, que abundam naquele país. Mudar geografias de plantas industriais de forma abrupta seria exercício demorado, pouco eficiente e custoso, em especial na difícil conjuntura da economia mundial.

 

Além disto, há que se ter em conta que a forte presença de empresas multinacionais na China se justifica para além do tema de eficiência e está associada aos mercados chinês e asiático, que estão se tornando o pivô da economia global. Por fim, embora a China já esteja desenvolvendo tecnologias avançadas, marcas e até liderando importantes CGV, o país ainda prescinde da presença e dos investimentos de empresas estrangeiras em diversas áreas, o que sugere que o governo seguirá introduzindo reformas para facilitar e atrair investimentos estrangeiros.

 

Dito isto, há que se ter em conta, por outro lado, que a crescente politização de temas de comércio e investimentos poderá, efetivamente, influenciar os destinos das CGV. São muitos os sinais nesta direção, que incluem a imposição de medidas tarifárias e não tarifárias protecionistas;

 

medidas que comprometem contratos comerciais livremente pactuados; sanções e bloqueios de ativos, pagamentos e transferências; legislações que interferem nas fusões e aquisições; ameaças de rompimento de diálogo em processos de harmonização de padrões técnicos e regulatórios; rompimento de acordos e padrões já harmonizados; tendência de fragmentação nos sistemas globais de pagamentos; e ameaças ao livre funcionamento e integração da internet em nível global.

 

A isto se somam a estagnação da OMC e a inoperância do sistema de solução de controvérsias; a ênfase em acordos bilaterais de comércio em detrimento de multilaterais; e a emergência de movimentos nacionalistas e anti-imigrantes.

 

As implicações daqueles sinais são potentes e incontroversas e, dentre elas, estão a redução da segurança jurídica, o aumento dos custos de produção e dificuldades para o trânsito de bens, serviços, ideias, recursos e pessoas, temas fundamentais para o funcionamento das CGV.

 

Qual dos dois conjuntos de fatores prevalecerá sobre os destinos das CGV: os comerciais ou os políticos? Pouco se pode prever no atual contexto. Porém, uma coisa é certa: para a América Latina, que participa das CGV majoritariamente pelas vias da produção e exportação de commodities e importa grande parcela dos bens manufaturados que necessita, a redução da eficiência dos mercados e a elevação dos preços vão na contramão dos seus interesses e, por conseguinte, terão impactos deletérios nas taxas de crescimento, bem-estar, pobreza e desigualdade.

 

Jorge Arbache é vice-presidente de setor privado do Banco de Desenvolvimento da América Latina – CAF e escreve mensalmente às quintas feiras neste espaço


Mais lidas


    A desestatização do Porto de Santos deve ser concluída até o fim de 2022, de acordo com o secretário nacional de Portos e Transportes Aquaviários no Ministério da Infraestrutura, Diogo Piloni, durante o III Congresso de Direito Marítimo e Portuário. De acordo com ele, a consulta pública deve ser aberta até o fim […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Por causa da curvatura da Terra, a distância na qual um navio pode ser visto no horizonte depende da altura do observador.   Para um observador no chão com o nível dos olhos em h = 7 pés (2 m), o horizonte está a uma distância de 5,5 km (3 milhas), cada milha marítima igual a 1.852 […]

Leia Mais