SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   Webinar Agenda 2021 do Sistema CNT aborda novas ações para o transporte

Webinar Agenda 2021 do Sistema CNT aborda novas ações para o transporte


Fonte: CNT (4 de fevereiro de 2021 )
Evento apresentou principais ações da CNT, do SEST SENAT e do ITL para o ano e reuniu especialistas e empresários do transporte para debater desafios e oportunidades

 

Em momentos de dificuldades e de grandes transformações é preciso pensar diferente, rever a rota e traçar um novo caminho, com novas ideias e ações. É preciso entender o que está acontecendo e, principalmente, ter a confiança do caminho a seguir. Hoje, esse horizonte guarda novas tecnologias, novos conceitos, formatos e modelos.

 

Para dar um panorama sobre o momento atual do setor de transporte, o Sistema CNT (Confederação Nacional do Transporte, Serviço Social do Transporte e Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte e Instituto de Transporte e Logística) promoveu, nesta terça-feira (2), o primeiro dia do webinar Agenda 2021. O evento, que teve transmissão ao vivo pelo canal do SEST SENAT no YouTube, abordou temas como modelos regulatórios, tributação no contexto da logística 4.0, inovação e competitividade, além de debate, com participação de empresários e representantes de entidades do setor.

 

Segundo o presidente do Sistema CNT, Vander Costa, o objetivo do evento é provocar e debater o que está programado para esse ano pós-pandemia. “Já aprendemos muito desde o começo da pandemia e a tecnologia veio para acelerar o nosso processo. Precisamos pensar no que temos que fazer antes de tomarmos decisões. Assuntos como a reforma tributária, que está vindo de uma forma diferente do que pensávamos, ainda precisam ser resolvidos. Mas estamos otimistas. Precisamos avançar no debate para fazer que o Brasil tenha um crescimento sustentável com o aumento do emprego e renda. E isso só virá com reformar estruturantes. E o momento é propício para isso”, disse.

 

Um dos palestrantes do primeiro dia, Edson Machado, professor do IBMEC (Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais), que falou sobre inovação e competitividade, destacou que o mundo pós-pandemia será ainda mais incerto. “O mundo está mudando e isso traz um desconforto. Isso acontece a cinco bilhões de anos e mudar faz parte de todas as nossas evoluções. Saímos do mundo VUCA (volátil, incerto, completo e ambíguo, na sigla em inglês), e passamos para um mundo BANI, onde vamos vivenciar um mundo pós-pandemia frágil, ansioso, não linear e incompreensível”.

 

Machado ainda ressaltou que o mundo está tentando novas possibilidades, com uma comunicação rápida, clara e em menos tempo. “Não vamos mais tomar decisões com opiniões e sim com dados. Quanto melhor o dado, melhor a decisão.” No caso da logística, Edson Machado cita que o setor terá grandes pontos de investimento e inflexões e que é preciso ter uma boa gestão financeira. “Na gestão de carga, frota e entrega já temos o 5G e localização em tempo real. O lado financeiro tem que trabalhar em duas pontas. Reduzir o custo e ampliar a receita. Para isso, é preciso capacitar o colaborador e rever processos. Também é preciso revisitar o produto e olhar o retorno do cliente. E por último é preciso ter uma gestão de mudança. É preciso mudar na velocidade do mundo”.

 

O caso da aviação

Depois, foi a vez de tratar de modelos regulatórios e da sua contribuição para a inovação, com o diretor-executivo da Embry-Riddle Aeronautical University, Israel Treptow, que citou que a indústria aérea é sujeita a externalidades, por isso precisa se manter competitiva para superar causas que estão fora de seu alcance. “Para isso é preciso inovar. As empresas mais preparadas passaram melhor pelas crises. Também é preciso seguir o tripé da sustentabilidade, que corresponde aos resultados de uma organização medidos em termos sociais, ambientais e econômicos. O social refere-se ao tratamento do capital humano de uma empresa ou sociedade. O ambiental, ao capital natural de uma empresa ou sociedade; e o financeiro é resultado econômico positivo de uma empresa”. Sobre a regulação no Brasil, Treptow cita que, no país, a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) vem fomentando a indústria com uma regulação participativa. “Os players são chamados e tentam coordenar os esforços da melhor maneira possível. Muito da nossa regulação é cópia da legislação americana, com estímulo a inovação, competitividade e liberdade tarifária, e por isso nossa indústria é uma das que mais inovam no país”.

 

Para o presidente da Abear (Associação Brasileira das Empresas Aéreas), Eduardo Sanovicz, a inovação é o outro nome da aviação. “Durante a crise tudo que teve em termos de inovação tecnológica e de novos protocolos foi feito pelo setor aéreo. De reconhecimento facial a utilização de robôs. Isso nos mostra o tamanho do desafio que temos para voltarmos a trazer impactos positivos na economia. A aviação é sensível a economia e ainda vivemos números negativos. A partir de julho e agosto com uma vacinação de grande parte da população deveremos ter um crescimento”. Porém, Sanovicz, citou que temas como judicialização, aviação regional e o preço do combustível ainda continuam sendo questões importantes para o setor resolver. “Precisamos alinhar o nosso sistema regulatória ao modelo internacional, que nos permita ofertar o que o concorrente oferece ao redor do mundo”.

 

Tributação e inovação

O webinar também falou sobre a tributação no contexto da logística 4.0, com o sócio-fundador da Finance Consultoria, José Roberto Afonso. Durante sua fala, ele citou que o Brasil teria uma logística muito mais eficiente, acessível, barata e competitiva se soubéssemos utilizá-la de maneira eficaz, sem “irracionalidades tributárias”. “No nosso caso a tributação é o oposto da inovação. Quando olhamos para os Estados Unidos, podemos ver como a logística está atrelada ao seu crescimento. No caso do Brasil, o sistema tributário se preocupa apenas em arrecadar. Ele prejudica o empresário e o trabalhador. ” Afonso salientou que o sistema tributário do mundo não está preparado para as mudanças que estão ocorrendo na sociedade. “Temos a automação e uma parcela grande da população que não quer ter um local fixo de trabalho. São os nômades digitais, que trazem junto várias questões tributárias. Novas tecnologias e novos processos trazem muitas vantagens para o setor de transporte. Tanto na questão da agilidade como para as atividades tributárias. O setor de transporte tem muito para ensinar com sua expertise”.

 

Desafios para a recuperação

Para o CEO da Braspress, Urubatan Helou, o webinar trata de temas fundamentais para a logística do país. “Temos o viés institucional, que afeta o ambiente de negócio com um excesso de regulação, e o empresarial, que é da inovação e da competitividade. O conceito de indústria 4.0 chegou na logística, com uma interação tecnológica, e trouxe a junção do homem com a máquina. Na logística isso já acontece com hubs automatizados, com integração constante. Mas não é possível fazer isso com uma economia fraca, é preciso robustez”.

 

Para o CEO do Grupo Saritur, Rubens Lessa, a inovação está ajudando as empresas a se recuperarem. “Temos controles de pagamentos e receitas além de estarmos facilitando e investindo na utilização do transporte. Também estamos trabalhando na fidelização do cliente. Porém, ainda precisamos explorar nosso banco de dados para conhecer melhor o usuário”.

 

Nesta quarta-feira (3), o webinar debaterá a importância da mentalidade estratégica, qualificação e alto desempenho nas empresas do transporte. Veja aqui a programação completa e inscreva-se para participar.


Mais lidas


Os dados divulgados pela Autoridade Portuária de Santos (APS), em seu balanço operacional de março, apontam um recorde histórico na movimentação de cargas. Foram mais de 15,16 milhões de toneladas que passaram pelos terminais do Porto de Santos, um crescimento de 10,4% comparado com a marca histórica anterior, conquistada em agosto de 2020.   O […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais