SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   Comércio do Brasil com EUA é o que mais sofre com a pandemia

Comércio do Brasil com EUA é o que mais sofre com a pandemia


Fonte: Valor Econômico (21 de janeiro de 2021 )

 

A pandemia atingiu as relações comerciais do Brasil com os Estados Unidos mais do que com qualquer outro parceiro. A combinação de uma pauta de exportações e importações marcada por produtos manufaturados e petróleo e seus derivados deixou a relação entre os países especialmente vulnerável ao choque da covid-19 nas economias e no comércio global.

 

Em 2020, as vendas aos americanos diminuíram US$ 8,3 bilhões, na comparação com o ano anterior, enquanto as importações brasileiras dos EUA tiveram queda de US$ 6 bilhões. Os dados são do “Monitor do Comércio Brasil-EUA”, da Câmara Americana de Comércio (Amcham Brasil). “A dimensão das quedas é muito dura. No comparativo com outros países, em números absolutos, foram as maiores”, diz Abrão Árabe Neto, vice-presidente executivo da entidade. Na variação pela média diária de trocas, uma métrica ainda mais precisa, segundo ele, os EUA lideram as quedas em exportações (perdas de US$ 32,1 milhões por dia útil) e importações (retração de US$ 22,9 milhões).

 

Em termos relativos, os números também impressionam. As vendas aos americanos recuaram 27,8% em 2020, mais de quatro vezes a queda geral dos embarques brasileiros para o mundo, o que levou os EUA a perderem três pontos percentuais no total de exportações brasileiras. Já as importações oriundas dos EUA encolheram 19,8%, quase o dobro das compras totais do Brasil no ano passado. O desempenho só não foi pior que o das importações da Argentina (-25,6%) e do México (-24,2%), países com os quais o Brasil mantém forte comércio no setor automotivo.

 

Com isso, o valor das trocas (soma de exportações e importações) entre Brasil e EUA caiu 23,8% em 2020, para US$ 45,6 bilhões, o menor nível desde a crise de 2009, quando foram registrados US$ 35,6 bilhões. O fluxo bilateral com os americanos no ano passado foi menos da metade dos US$ 101,7 bilhões em trocas com os chineses, aponta a Amcham. O país asiático é o principal parceiro comercial do Brasil, com 28,4% de participação, seguido pelos EUA, com 12,4%.

 

A queda sentida por aqui também é observada pela ótica americana – a diferença é que, para eles, o Brasil é apenas o 17º parceiro comercial. Segundo dados oficiais dos EUA até novembro de 2020, a queda nas trocas com o Brasil (22,6%) só ficou atrás das perdas com a França (26,9%), entre os principais parceiros.

 

Segundo Árabe Neto, o Brasil não tem no comércio com outros países uma combinação tão forte de produtos industrializados/de alto valor agregado e petróleo/derivados, dois segmentos que sofreram muito na pandemia. No fluxo Brasil-EUA, a indústria de transformação responde por 86% das exportações e 91,5% das importações. Em cada lado da comercialização de petróleo (óleos brutos e combustíveis), as perdas foram de cerca de US$ 3 bilhões em 2020, observa o executivo.

 

Para 2021, a perspectiva da Amcham é de recuperação gradual das trocas entre os dois países. O avanço da vacinação nos EUA e a retomada da atividade por lá podem impulsionar as exportações brasileiras, enquanto um real relativamente mais apreciado e a volta da economia aqui ajudariam as importações. “Não vai acontecer imediatamente em janeiro, mas ao longo do ano devemos observar a recomposição do comércio para patamares próximos de 2019, 2018”, diz o membro da Amcham, acrescentando que já houve desaceleração das quedas no quarto trimestre do ano passado.

 

O plano de recuperação para a economia americana do recém-empossado presidente Joe Biden também pode impulsionar o comércio global e, assim, as trocas com o Brasil. Além disso, Biden deve trazer “um pouco mais de previsibilidade” para a disputa comercial com a China, diz Árabe Neto. O Brasil precisa se preparar, no entanto, para as discussões ambientais, que, segundo o executivo, estarão no topo das prioridades dos EUA e serão temas transversais a todos os assuntos, inclusive comércio e investimentos. “Minha avaliação é que, em um primeiro momento, haverá diálogo e espaço para se buscar convergências.”


Mais lidas


    A desestatização do Porto de Santos deve ser concluída até o fim de 2022, de acordo com o secretário nacional de Portos e Transportes Aquaviários no Ministério da Infraestrutura, Diogo Piloni, durante o III Congresso de Direito Marítimo e Portuário. De acordo com ele, a consulta pública deve ser aberta até o fim […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Por causa da curvatura da Terra, a distância na qual um navio pode ser visto no horizonte depende da altura do observador.   Para um observador no chão com o nível dos olhos em h = 7 pés (2 m), o horizonte está a uma distância de 5,5 km (3 milhas), cada milha marítima igual a 1.852 […]

Leia Mais