SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   CODESA – Setor produtivo debate desestatização

CODESA – Setor produtivo debate desestatização


Fonte: CODESA (19 de janeiro de 2021 )
Foto: CODESA

 

Um diálogo sobre a desestatização da CODESA com o setor produtivo capixaba foi realizado na manhã desta segunda-feira (18), em Vitória. A webinar híbrida – com públicos presencial e remoto – promovida pela Federação das Indústrias do estado (Findes), foi coordenada pela presidente da instituição Cris Samorini e contou com a participação do secretário Nacional de Portos e Transportes Aquaviários (SNPTA), Diogo Piloni; presidente da CODESA, Julio Castiglioni; secretário estadual de Governo, Tyago Hoffmann; e, do superintendente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Cleverson Aroeira.

 

Para Cris Samorini, a desestatização da companhia capixaba representa oportunidade para o setor produtivo e crescimento para a economia capixaba. “Há dois anos, desde a gestão anterior, a Findes se posicionou favorável. A infraestrutura é tema prioritário na pauta da federação. O estado tem vocação portuária e precisa avançar. Temos que aumentar a produtividade e dobrar a capacidade de movimentação do Porto de Vitória”, disse.

 

Eficiência

O secretário de Portos, Diogo Piloni, defendeu que a desestatização não é um debate ideológico, mas uma solução técnica: “Não é uma questão de Estado mínimo ou Estado máximo, mas da busca de melhor solução para aumentar a produtividade dos portos organizados”. Para ele, o que está sendo proposto é a busca de eficiência nas operações e agilidade nas decisões para que os portos organizados tenham condições de competir com os terminais privados.

 

Segundo Piloni, uma administração eficiente precisa atuar sobre três pilares: 1) a gestão do condomínio portuário deve ser blindada das interferências externas; 2) equiparação da eficiência da gestão dos portos organizados aos Terminais de Uso privativo (TUPs); e, 3) Buscar uso mais eficiente dos ativos dos portos organizados, visando à melhoria de caixa.

 

Representando o governador Renato Casagrande, o secretário de Governo Tyago Hoffmann reforçou o apoio do estado ao processo de desestatização: “A iniciativa privada tem melhor capacidade para gerir um porto. A burocracia consome tempo e o governo tem compromisso com a eficiência. Defendemos um estado participativo e no âmbito estadual vamos privatizar a companhia de gás”, anunciou.

 

Competitividade

A desestatização da CODESA, primeira companhia docas a mudar o modelo de gestão, é de grande importância local. “Vamos buscar um modelo de gestão privada que coloque a empresa no rumo do desenvolvimento portuário, ter mais liberdade gerencial, mais dinamismo e confiar em quem deseja empreender”, destacou o presidente da Companhia, Julio Castiglioni.

 

Para ele, “o pragmatismo e a urgência indicam o caminho. Porto tem que ser competitivo, ágil e seguro. A carga não espera”. A modelagem que está sendo construída indica a desestatização da Autoridade Portuária e a concessão dos portos de Vitória e Barra do Riacho, dentro de um perfil gerencial privado.

 

Agenda

Coube ao superintendente do BNDES expor ao empresariado capixaba, o histórico do processo de desestatização que está sendo conduzido pelo banco. Pelo ineditismo da proposta, Cleverson Aroeira afirmou que “a consulta pública será a chave para definir o que será implantado para os próximos 35 anos”, afirmou. Ele também divulgou o cronograma com todas as etapas do processo.

 

A desestatização da Autoridade Portuária e a concessão dos portos, segundo disse, devem receber propostas que contemplem: liberdade e flexibilidade gerenciais; geração de caixa; potencial de crescimento; disponibilidade de área; localização estratégica; mix diversificado; oportunidade de ganhos de eficiência e pioneirismo em modelo de exploração.

 

Também participaram da webinar o diretor de Planejamento e Desenvolvimento da CODESA, Bruno Fardin; os secretários de estado Marcos Kneip e Fabrício Noronha, de Desenvolvimento e de Cultura, respectivamente; diretor presidente do Instituto Estadual de Meio Ambiente, Alaimar Fiúza; dentre outras autoridades municipais, estaduais e federais e empresários capixabas.

 

SAIBA MAIS

Clique nos links do BNDES e da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) para mais informações sobre a Desestatização da CODESA.

 

Confira o vídeo dos presidentes Julio Castiglioni (CODESA) e Cris Samorini (Findes):

 


Mais lidas


    A desestatização do Porto de Santos deve ser concluída até o fim de 2022, de acordo com o secretário nacional de Portos e Transportes Aquaviários no Ministério da Infraestrutura, Diogo Piloni, durante o III Congresso de Direito Marítimo e Portuário. De acordo com ele, a consulta pública deve ser aberta até o fim […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Por causa da curvatura da Terra, a distância na qual um navio pode ser visto no horizonte depende da altura do observador.   Para um observador no chão com o nível dos olhos em h = 7 pés (2 m), o horizonte está a uma distância de 5,5 km (3 milhas), cada milha marítima igual a 1.852 […]

Leia Mais