SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   “Alô, CETESB!” trouxe à tona o “Lixo Plástico no Mar”

“Alô, CETESB!” trouxe à tona o “Lixo Plástico no Mar”


Fonte: CETESB (11 de janeiro de 2021 )

 

“Lixo no mar!” talvez se torne rapidamente uma expressão mais conhecida do que o famoso grito de “Homem ao mar!”, ouvido quando um tripulante cai de uma embarcação e é necessário resgatá-lo rapidamente. Isso porque, dada a atual situação de flagrantes frequentes de quantidades absurdas de lixo plástico nos oceanos e a tendência de piora – se nada for feito -, o futuro parece assustador. A Terra, mais uma vez, pede socorro!

 

Em razão da importância do tema, o “Alô, CETESB!” abordou o assunto. A diretora – presidente da Companhia, Patrícia Iglecias, apresentadora do programa, disponível no canal oficial da agência ambiental paulista no YouTube, entrevistou a gerente do Setor de Águas Litorâneas da CETESB, Cláudia Lamparelli, e o presidente da ABRELPE e da ISWA, Carlos Silva Filho, convidados para o bate-papo.

 

Na abertura, Patrícia Iglecias lança alguns dados que ilustram a gravidade do problema: “Você sabia que, anualmente, cerca de 8 milhões de toneladas de plásticos entram no oceano? Que atualmente, 90% das aves marinhas possuem fragmentos de plásticos no estômago? Que até 2050, teremos mais plásticos que peixes nos oceanos? Que os microplásticos estão entrando na nossa cadeia alimentar e estão presentes no no ar, água e solo? ”

 

A dirigente também destaca que a poluição marinha é um problema transfronteiriço, ou seja, compartilhado por todos os países. Que objetos plásticos viajam nas correntes oceânicas, colocando em risco ecossistemas e a vida selvagem. E que, se não houver mudanças sistemáticas urgentes na forma como o plástico é produzido, consumido e eliminado, a poluição do plástico deverá dobrar até 2030.

 

Cláudia Lamparelli, 34 anos de Companhia, sendo 24 como gerente do setor de águas litorâneas, fez uma introdução e deu um breve histórico sobre a temática, que é relativamente recente. Explanou a respeito do crescimento exponencial da produção de plásticos e do fato de o Brasil ocupar a 4ª posição de gerador de resíduos plásticos. Falou do aspecto referente à decomposição muito lenta do material; e dos impactos indesejáveis ao meio ambiente e à fauna marinha, lembrando que, além de muitos organismos morrerem pela ingestão ou contato, substâncias tóxicas envolvidas, como de coloração e aditivos, podem se acumular na cadeia trófica.

 

Mas como uma agência ambiental de um Estado, como São Paulo, pode contribuir para amenizar um problema de âmbito internacional? A especialista explica que uma das frentes de trabalho da Companhia é na gestão dos resíduos sólidos e no controle dos aterros sanitários. Ela lembra que se a destinação é correta, os resíduos não vão parar no mar. “No Estado de São Paulo, essa é uma questão praticamente resolvida!”, atesta, com base no dado oficial de que quase 98% dos resíduos sólidos domiciliares no território paulista têm destinação adequada.

 

Cláudia Lamparelli acrescenta que a CETESB está se capacitando para incluir, na Rede de Monitoramento de Águas Costeiras da agência ambiental paulista, existente desde 2010, um novo parâmetro, relacionado à presença de plástico no mar. “Nós fazemos amostragens de água e sedimento, em 69 pontos do litoral do estado, com uma série de parâmetros medidos, de qualidade, e incluiríamos mais um, que seriam os microplásticos”, afirmou.

 

O representante da ABRELPE e ISWA reforçou a importância do envolvimento de todos no combate ao lixo no mar. “É um problema local que acabou ganhando uma proporção global! Estudos da ONU e da ISWA indicam que 80% do lixo que vai parar no mar vêm das cidades”, informou. Carlos Silva Filho disse que, no Brasil, são 2 milhões de toneladas, por ano, de resíduos, que vão parar no oceano, o que daria, segundo ele, para cobrir 7 mil campos de futebol. Frisou: “A questão não é limpar o mar, mas prevenir que esses resíduos não cheguem nos corpos de água”.

 

Ele destacou o programa “Lixo fora d´água”, efetivado em parceria com a CETESB, desde 2018, iniciado em Santos, que identificou como principais “fontes de vazamentos de resíduos para o mar” as ocupações em áreas irregulares, os canais de drenagem que cortam a cidade em direção ao oceano, e as próprias praias e sua orla. Segundo o especialista, em Santos, foram registrados 58 tipos de resíduos, sendo que, desses 58, pouco mais de 50% são plásticos e 40%, bitucas de cigarro. Também, foi observada a participação significativa de itens plásticos de uso pessoal, como hastes flexíveis e pipetas “eppendorf” – microplásticos amplamente utilizados no narcotráfico – .

 

Carlos Silva Filho falou ainda dos avanços possíveis. “Como próximos passos, nossa ideia é de que os resultados desse projeto possam dar origem a políticas públicas de âmbito local e regional, no combate ao lixo no mar”. Ele também ressaltou que estão sendo formatadas metodologias, para que o maior número de cidades, no Brasil e no exterior, possam se apoderar de todo o conhecimento que está sendo gerado, “porque este é um projeto internacional”. Ele deu como exemplo a trilogia de vídeos tutoriais, de como fazer a coleta e a análise de resíduos nas praias. E finalizou, dizendo que o terceiro passo será um sistema de monitoramento permanente.

 

Patrícia Iglecias concluiu o programa informando, entre outros dados, que, no Brasil, só se recicla 1,28% do total de resíduos plásticos produzidos anualmente, sendo “um dos países que menos fazem reciclagem entre os 10 maiores poluidores”. E salientou a importância e o pioneirismo da CETESB, com as iniciativas e trabalhos relacionados à Logística Reversa (LR), sendo que, no Estado de São Paulo, entre 2018 e 2019, o número de empresas situadas em território paulista, que estão inseridas em planos de LR, cresceu 44%, representando mais de 1.800 empresas instaladas no estado, e mais de 2.800 empresas que atuam no estado.

 

Essas e muitas outras informações interessantes podem ser vistas no vídeo do “Alô, CETESB!” que enfocou a questão do “Lixo Plástico no Mar”. Se você não assistiu, confira. Vale a pena!


Mais lidas


Os dados divulgados pela Autoridade Portuária de Santos (APS), em seu balanço operacional de março, apontam um recorde histórico na movimentação de cargas. Foram mais de 15,16 milhões de toneladas que passaram pelos terminais do Porto de Santos, um crescimento de 10,4% comparado com a marca histórica anterior, conquistada em agosto de 2020.   O […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais