SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   Empresas do agronegócio ficam fora da onda de IPOs

Empresas do agronegócio ficam fora da onda de IPOs


Fonte: Valor Econômico (22 de dezembro de 2020 )

 

Nem mesmo a exuberante safra de IPOs de 2020 conseguiu trazer novas empresas do agro para a bolsa, mantendo a histórica sub-representação no mercado de capitais de uma das atividades mais dinâmicas da economia brasileira.

 

Em meio à euforia que ajudou a trazer de startups de tecnologia a pequenas petrolíferas para a B3 neste ano, seis companhias do agronegócio pediram o registro na CVM para fazer o IPO, mas nenhuma emplacou até agora.

 

Juntas, as 28 empresas do agronegócio listadas – o levantamento inclui a Cosan, um negócio cada vez mais diversificado e menos agrícola – valem apenas cerca de R$ 150 bilhões, enquanto a capitalização do Ibovespa é da ordem de R$ 4 trilhões.

 

No agro, apenas JBS, Cosan, BRF e Marfrig superam R$ 10 bilhões – convenhamos, um time diminuto para um segmento que representa mais de 20% do PIB, mesmo considerando que tradings multinacionais e as gigantes de insumos agrícolas que operam fortemente no Brasil têm capital aberto no exterior.

 

A GranBio, empresa da família Gradin que surgiu para explorar o mercado de etanol celulósico – que não decolou -, suspendeu o IPO no início de novembro e decidiu fazer uma oferta de ações com esforços restritos. A companhia já sinalizou a intenção de captar cerca de R$ 1,5 bilhão.

 

Além da GranBio, Jalles Machado, CTC, Boa Safra, Vittia Fertilizantes e Oleoplan, de biodiesel, também entraram com pedidos na CVM. As solicitações ocorreram apenas no último trimestre, o que ajuda a explicar por que nenhuma foi para a rua neste ano. Mas banqueiros e empresários estão confiantes que o agro voltará a tocar o sino em 2021.

 

Algumas das operações, como a da sucroalcooleira Jalles Machado e a da sementeira Boa Safra, poderão ocorrer ainda no primeiro bimestre – até meados de fevereiro elas podem fazer a abertura de capital com base no balanço do terceiro trimestre.

 

Há obstáculos, no entanto. Para um gestor de ações acostumado a investir em agro, os bancos têm o óbvio interesse em fazer operações, mas parte das empresas do setor – sobretudo as menores e desconhecidas – não está preparada para esse passo.

 

Os níveis mínimos de controle e governança desejados para uma empresa pública ainda não foram atingidos, diz uma fonte. Exemplo disso é que o atraso na documentação chegou a afetar algumas das ofertas pretendidas.

 

Sem citar operações específicas, Pedro Freitas, head de agro e alimentos da área de investment banking da XP, argumentou que os IPOs só não chegaram ao agro neste ano porque as companhias do setor que pretendem acessar o mercado de capitais começaram a preparar toda a estrutura para abrir capital no fim de 2019.

 

A avaliação dele é que, passado o tempo de preparação, as transações estarão maduras para ocorrer no ano que vem. Um dos objetivos da XP é aproximar o Leblon e a Faria Lima do Brasil profundo. “Há um universo de boas empresas país afora para os investidores conhecerem”, diz.

 

Mas nem todos estão confortáveis para investir em empresas pouco conhecidas. Segundo um gestor, as empresas menores que podem tentar a sorte na bolsa apresentarão um histórico de resultados curto e potencialmente inflado, especialmente para um ciclo de alta das commodities como o atual. “Precisamos esperar para entender qual é o resultado normalizado”, afirmou ele, que já tem posição em empresas agrícolas listadas na B3.

Em contrapartida, um banqueiro argumenta que os investidores se mostraram abertos ao agro em operações de dívida feitas recentemente. O Grupo Scheffer, grande produtor de grãos na região Centro-Oeste, emitiu recentemente R$ 200 milhões em Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRA). Houve forte demanda para o papel – cerca de R$ 900 milhões.

 

A goiana São Salvador Alimentos, dona da SuperFrango, também captou recursos há pouco tempo. Ao todo, a empresa levantou R$ 200 milhões com a emissão de CRAs, numa operação com demanda de R$ 500 milhões. O papel saiu com um taxa de 4,44% ao ano mais IPCA.

 

A São Salvador está entre as empresas cobiçadas pelos bancos de investimentos para ir à bolsa em 2021. “Teremos pelo menos mais quatro pedindo registro no ano que vem”, projetou um banqueiro. Com isso, ao menos dez companhias tentarão convencer que o agro pode ser pop também na bolsa de valores.


Mais lidas


    A desestatização do Porto de Santos deve ser concluída até o fim de 2022, de acordo com o secretário nacional de Portos e Transportes Aquaviários no Ministério da Infraestrutura, Diogo Piloni, durante o III Congresso de Direito Marítimo e Portuário. De acordo com ele, a consulta pública deve ser aberta até o fim […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Por causa da curvatura da Terra, a distância na qual um navio pode ser visto no horizonte depende da altura do observador.   Para um observador no chão com o nível dos olhos em h = 7 pés (2 m), o horizonte está a uma distância de 5,5 km (3 milhas), cada milha marítima igual a 1.852 […]

Leia Mais