SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   Conselheiro da Itália apela por lockdown e mortes se aproximam de níveis de guerra

Conselheiro da Itália apela por lockdown e mortes se aproximam de níveis de guerra


Fonte: Reuters (16 de dezembro de 2020 )
Pessoas usando máscaras caminham em distrito comercial de Roma durante pandemia de Covid-19 15/12/2020 REUTERS/Guglielmo Mangiapane

ROMA (Reuters) – Um conselheiro do Ministério da Saúde da Itália pediu que as restrições contra o coronavírus sejam endurecidas drasticamente para evitar uma “tragédia nacional” depois que o escritório nacional de estatísticas Istat disse que as mortes deste ano serão as mais elevadas desde a Segunda Guerra Mundial.

 

“Estamos em uma situação de guerra, as pessoas não percebem, mas da última vez em que tivemos tantas mortes assim, bombas estavam caindo em nossas cidades durante a guerra”, disse o professor de saúde pública Walter Ricciardi ao canal de televisão la7 na noite de terça-feira.

 

Ricciardi, conselheiro do ministro da Saúde, Roberto Speranza, disse que o governo, que está cogitando restrições mais severas nos feriados de Natal e Ano Novo, deveria impor um lockdown total nas maiores cidades.

 

Em uma entrevista para o diário La Stampa nesta quarta-feira, ele disse que Roma tem estado “constantemente atrasada” na reação à segunda onda do vírus.

A Itália relatou 846 mortes de Covid-19 na terça-feira, o que elevou o total oficial a 65.857, a quinta maior taxa do mundo.

 

Como em muitos outros países, este total é visto amplamente como um número subestimado, porque muitas pessoas que morreram de Covid-19 durante a primeira onda nunca fizeram exames de detecção do vírus.

 

O chefe do Istat, Carlo Blangiardo, disse na terça-feira que o número geral de mortes do país deste ano passará de 700 mil – em 2019 foram 647 mil.

“A última vez em que algo assim aconteceu foi em 1944, quando estávamos no auge da Segunda Guerra Mundial”, disse ele à TV RAI.

 

Ainda na terça-feira, o primeiro-ministro, Giuseppe Conte, fez um apelo aos italianos a evitarem encontros “irresponsáveis” nas festas de fim de ano e disse que o governo pode fazer alguns “pequenos ajustes” em suas restrições atuais.

 

Mas Ricciardi disse ao La Stampa que isto não basta.

 

“A Holanda se fechou com metade de nossas mortes, a Alemanha se fechou com um terço delas –não entendo esta hesitação. Se não adotarmos medidas adequadas, estamos a caminho de uma tragédia nacional”.

 

Por Gavin Jones e Stefano Bernabei


Mais lidas


Os dados divulgados pela Autoridade Portuária de Santos (APS), em seu balanço operacional de março, apontam um recorde histórico na movimentação de cargas. Foram mais de 15,16 milhões de toneladas que passaram pelos terminais do Porto de Santos, um crescimento de 10,4% comparado com a marca histórica anterior, conquistada em agosto de 2020.   O […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais