SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   Bem-estar começa a virar realidade na criação de suínos

Bem-estar começa a virar realidade na criação de suínos


Fonte: Valor Econômico (10 de dezembro de 2020 )
As celas de gestação para suínos estão com os dias contados no Brasil — Foto: Divulgação

 

Aos poucos o bem-estar animal avança no Brasil. Depois de redes varejistas anunciarem metas de não comprar mais ovos de galinhas criadas em gaiolas e de produtores divulgarem investimentos no mesmo rumo, é a vez dos porquinhos. As gaiolas de gestação para suínos estão com os dias contados no Brasil. Trata-se de prática cruel, que aloja porcas reprodutoras separadas umas das outras em gaiolas apertadas que praticamente não permitem que elas se movam durante toda a gestação.

 

As empresas no Brasil estão se movimentando nesta agenda internacional com compromissos voluntários em prazos mais velozes do que os propostos pelo Ministério da Agricultura. O fim das celas gestacionais é o primeiro passo da transição das granjas. Há ainda as mutilações em leitões com castração cirúrgica, corte de cauda, dentes e orelhas realizado da transição das granjas. Há ainda as mutilações em leitões com castração cirúrgica, corte de cauda, dentes e orelhas realizados costumeiramente sem medicação analgésica ou anestésica.

 

“Estamos dando um passo por vez. As celas gestacionais são um dos pontos mais críticos da suinocultura”, explica Patrycia Sato, médica-veterinária dedicada ao tema do bem-estar animal e uma das fundadoras da ONG Alianima, fundada em 2019 para atuar na proteção animal.

 

A organização criou a plataforma Observatório Animal, para monitorar a transição das empresas e fomentar novas políticas, e acaba de lançar o relatório anual Observatório Suíno. O estudo compila resultados do questionário enviado a todas as empresas com compromissos voluntários de bem-estar na suinocultura para saber em que momento estão de suas metas. Também foram consultadas redes de lanchonetes que compram a carne e possuem compromissos.

 

O estudo indica que as empresas estão em estágios diferentes de evolução de seus compromissos voluntários e embora estejam mais atentas ao tema, há um caminho longo a percorrer até 2029.

 

A primeira edição do relatório buscou monitorar os avanços de dez empresas que hoje têm compromisso público de banir as celas de gestação na indústria da carne – A primeira edição do relatório buscou monitorar os avanços de dez empresas que hoje têm compromisso público de banir as celas de gestação na indústria da carne – Alegra Foods, Aurora, BFFC, BRF, Burger King, Frimesa, JBS, McDonald’s, Pamplona e Subway.

 

A maioria respondeu às perguntas da Alianima. Entre as participantes, a Pamplona foi a que apresentou maior grau de evolução, com 77% das matrizes suínas já alojadas em baias em grupo durante a gestação. A JBS, segunda maior produtora de carne suína do mundo. também entrou em fase mais avançada, diz o estudo, com índice de 58%. A BRF, outra gigante do setor, têm 35% das suas matrizes suínas em baias coletivas.

 

Segundo o Observatório Suino, a BRF, a JBS, a Aurora, a Pamplona, a Alegra e a Frimesa, que representam cerca de 60% do plantel nacional, assumiram o compromisso de abandonar o uso contínuo de gaiolas de gestação até 2026 – só a Alegra tem prazo até 2029.

 

Todas as empresas produtoras de carne que responderam à pesquisa disseram que pretendem implementar ou já implementaram a castração cirúrgica com anestesia ou imunocastração. A maioria quer banir o corte dos dentes nos leitões. Só o corte de cauda é um procedimento que as empresas não demonstram intenção de cessar.

 

“Dentro da suinocultura há questões de bem-estar animal que são problemáticas”, diz Patrycia Sato. “A visão que predomina no manejo dos animais é a eficiência econômica, poupar mão de obra, ter melhor aproveitamento da carne. Não se pensa que os animais sentem dor”, diz.

 

O Brasil é o quarto maior produtor de suínos e o quarto maior exportador. Do total da produção nacional, 81% abastece o mercado interno e 19% segue para o exterior. A pauta mundial tem este tópico como tema crescente. Na União Europeia há restrições às celas gestacionais. Na Nova Zelândia não são mais permitidas No Canadá há prazo para banir.


Mais lidas


  Na manhã desta quarta-feira (18), o Sopesp (Sindicato dos Operadores Portuários do Estado de São Paulo) recebeu em sua sede a visita do desembargador federal, Celso Ricardo Peel Furtado, do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região.   O magistrado foi recebido com um café da manhã pelo presidente da entidade, Régis Prunzel, acompanhado […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais