SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   Diretor da ANTAQ destaca importância dos acessos ferroviários aos portos em evento sobre multimodalidade

Diretor da ANTAQ destaca importância dos acessos ferroviários aos portos em evento sobre multimodalidade


Fonte: ANTAQ (7 de dezembro de 2020 )
Tokarski: “Não há porto eficiente sem um excelente acesso ferroviário”. Fotos: CCS/ARI/ANTAQ.

 

O diretor da Agência Nacional de Transportes Aquaviários – ANTAQ, Adalberto Tokarski, participou hoje (4) da reunião de encerramento do ano da Comissão de Direito Marítimo e portuário da Ordem dos Advogados, seção de Santa Catarina – OAB/SC.

 

O evento, realizado por videoconferência, reuniu ainda representantes das outras agências reguladoras de transportes – ANTT (transportes terrestres) e ANAC (aviação civil) -, e teve como tema a Multimodalidade para busca da eficiência logística (infraestrutura e transportes de carga). A reunião também serviu como um “esquenta” para o IX Congresso Nacional de Direito Marítimo, Portuário e Aduaneiro da OAB, que será realizado nos dias 26 e 27 de agosto de 2021, em Balneário Camboriú – SC.

 

Em sua apresentação, o diretor da ANTAQ destacou a importância do acesso ferroviário aos portos, pois “não há porto eficiente sem um excelente acesso ferroviário”. Tokaski informou que vai propor ao novo diretor-geral da Agência, Eduardo Nery, um novo acordo de cooperação com a ANTT no sentido de revisitar todos os acessos ferroviários dos portos brasileiros. “Se nós solucionarmos esses gargalos na chegada da ferrovia, onde normalmente tem problema, vai ganhar a ferrovia e vão ganhar os portos”, afirmou. O diretor da ANTAQ também se comprometeu em fazer um diagnóstico apontando os problemas e soluções dos portos que possuem acesso ferroviário para discussão em um futuro debate.

 

Sobre multimodalidade, Tokarski lembrou a defesa intransigente que fez da hidrovia Tietê-Paraná, em razão da importância do modal para se chegar com a carga ao Porto de Santos com menor custo de transporte. Pelo modal rodoviário vai-se até São Simão, pelo hidroviário, até Pederneiras, em São Paulo, e daí por trem até o Porto de Santos. Lá funciona a multimodalidade. Direto de caminhão até Santos, o transporte fica pelo menos 20% mais caro”, observou.

 

De acordo com Tokarski, muitos portos brasileiros têm problemas de acessos ferroviários. Ele lembrou que desde que assumiu como diretor da ANTAQ vem procurando diagnosticar gargalos e encontrar saídas para melhorar a logística portuária. Tokarski explicou que a competência sobre a ferrovia que está dentro do porto é da ANTAQ, mas ressaltou que existe um acordo de cooperação com a ANTT para atuação conjunta no caso dessas ferrovias.

 

“Logo na primeira visita oficial que fiz como diretor a um porto, o Porto de Paranaguá, encontrei gargalos em relação ao modal ferroviário. Colocamos o foco no acesso ferroviário e atuamos junto à concessionária e à autoridade portuária para resolver os problemas encontrados”, lembrou.

 

Tokarski também lembrou que, ao assumir a diretoria-geral da Agência, em 2017, uma de suas principais prioridades foi a chegada das cargas ao Porto de Santos. O foco foi o acesso ferroviário dentro do porto, que, na época, era um dos principais gargalos.

 

“Convidei um diretor da ANTT, o Marcelo Vinaud (que hoje é o diretor-geral daquela agência) para fazer uma visita. Inicialmente, fomos por água, depois seguimos pelos terminais de carro, e pegamos uma locomotiva e andamos 15km dentro do porto, conhecendo os problemas e buscando soluções para a ferrovia”, apontou.

 

Segundo Tokarski, outros portos também têm gargalos de acessos ferroviários. “No Porto de Rio Grande, por exemplo, a ferrovia cruza uma rodovia, e como não há uma alça para manobra o trem fica travando uma rodovia federal, o que é um absurdo”, afirmou.

 

Visando uma logística de transportes mais eficiente, o diretor da ANTAQ defendeu uma atenção especial na análise do Tramo Sul. De acordo com o diretor da ANTAQ, trechos ferroviários no Sul do Brasil foram preteridos, causando enorme prejuízos a vários portos, mas a ANTT está atuando para solucionar o problema.

 

Tokarski também falou sobre o levantamento dos gargalos dos portos do Nordeste, que apresentou no evento Brasil Export Nordeste, realizado no final do mês passado.

 

”Em Suape, o acesso já existe, assim como em Pecém, onde a ferrovia já transporta em determinado trecho, mas se a Transnordestina avançar vai ser muito melhor. A mesma coisa se dá no Porto de Aratu, na Bahia. Lá tem acesso ferroviário, mas ainda é preciso fazer uma interligação com outra ferrovia. Enfim, se queremos pensar grande com o porto, temos que pensar da forma mais eficiente utilizando a ferrovia”, concluiu.


Mais lidas


Os dados divulgados pela Autoridade Portuária de Santos (APS), em seu balanço operacional de março, apontam um recorde histórico na movimentação de cargas. Foram mais de 15,16 milhões de toneladas que passaram pelos terminais do Porto de Santos, um crescimento de 10,4% comparado com a marca histórica anterior, conquistada em agosto de 2020.   O […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais