SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   Mesmo com pandemia, Pecém bate recordes de movimentação

Mesmo com pandemia, Pecém bate recordes de movimentação


Fonte: ABTRA (4 de dezembro de 2020 )
As operações de cabotagem e a safra de frutas de 2020/2021 foram os principais motivos para a alta no segundo semestre – Foto: Nilton Alvez

 

Mesmo diante de um ano marcado pela crise gerada pelo coronavírus, com queda de demanda, escassez de matéria-prima, e restrições para circulação de mercadorias, dentre outros entraves, o Porto do Pecém vem batendo recordes na movimentação de carga. O resultado vem sendo puxado principalmente pela cabotagem (navegação entre portos brasileiros) e pelas exportações de frutas. E, com essa recuperação, a expectativa é fechar o ano com crescimento na operação de contêineres.

 

Em outubro, o porto bateu, pelo segundo mês seguido, o recorde na movimentação mensal, com o embarque e desembarque de 46.705 TEUs (unidade equivalente a 1 contêiner de 20 pés). O resultado foi 19,1% maior que o recorde anterior, registrado em setembro (39.207 TEUs). Até então, o melhor resultado havia sido em outubro do ano passado (36.425 TEUs). No décimo mês de 2020, o Porto registrou a maior movimentação mensal de placas de aço no ano, com avanço de 5,9% em relação a outubro de 2019.

 

Segundo Daniel Rose, diretor superintendente da APM Terminals Pecém, empresa que movimenta todos os contêineres que passam pelo porto, hoje, a atividade portuária está bem acima das expectativas que os operadores tinham durante os piores meses da crise. “Considerando tudo o que aconteceu, estamos bem melhores do que achávamos que estaríamos agora. Tivemos uma exportação de frutas realmente muito boa, o dobro do ano passado. Então, estamos muito satisfeitos”.

 

Cabotagem

O incremento na movimentação de contêineres neste ano está fortemente relacionado com crescimento da cabotagem, com o embarque e desembarque de produtos diversos, e pelo envio de frutas ao exterior. Considerando a movimentação total (contêineres e granéis e cargas soltas) até setembro, o Porto do Pecém movimentou 11.562.977 toneladas, o equivalente a 63,8% do total movimentado em 2019 (18.100.767 toneladas).

 

De acordo com Daniel Rose, o volume movimentado por cabotagem registrou forte queda no segundo trimestres, mas tão logo as atividades foram gradualmente retomadas, a movimentação voltou rapidamente, com o retorno de linhas que haviam sido suspensas. “No meio do ano, estávamos um pouco pessimistas, mas em agosto o fluxo voltou com muita força. Tivemos um mês de julho muito ruim e, de agosto para a frente, voltou com força, principalmente cargas para a construção civil e eletrodomésticos em geral. As linhas da Aliança que haviam sido suspensas voltaram em julho”.

 

De acordo com a APM Terminals, a navegação por cabotagem responde, hoje, por 70% dos contêineres movimentados pela companhia no Pecém. “Acredito que esse movimento tenha sido provocado pelo aumento dos custos do frete, e pela forte demanda por produtos para a casa, como ar-condicionados, máquinas de lavar, dentre outros, produzidos na Zona Franca de Manaus”, diz Rose.

 

Segundo Raul Viana, gerente de Negócios Portuários do Complexo Industrial e Portuário do Pecém, as operações de cabotagem e a safra de frutas de 2020/2021 foram os dois principais motivos para essa alta nos números no segundo semestre. Considerando a média mensal, no entanto, o porto movimentou 1,284 milhões de toneladas, até setembro, contra 1,508 milhões de toneladas em 2019, o que representa uma retração de 14,8%.

 

Expectativa para 2021

Rose diz que, inicialmente, não havia previsão de crescimento da movimentação neste ano, mas que agora, após a rápida recuperação, a expectativa é fechar o ano com 370 mil TEUs movimentados, volume 5,1% superior ao de 2019 (353 mil TEUs). Para 2021, apesar das incertezas e pouca visibilidade sobre o cenário macroeconômico no futuro próximo, Rose diz que a expectativa é de que haja um crescimento “saudável”.

 

“Nós vemos 2021 com muita incerteza ainda. Mas acreditamos que a cabotagem vai continuar a crescer, que vamos continuar a ver essa mudança do rodoviário para a cabotagem. E mesmo com toda essa incerteza, ainda acreditamos que podemos ficar com um crescimento saudável em torno de 5% para navegação de longo curso e de 10% para a cabotagem”, diz Rose.

 

Sobre a possibilidade de uma eventual nova paralisação das atividades econômicas devido a uma segunda onda de contaminação nos próximos meses, Rose acredita ser improvável que haja um novo fechamento como o que ocorreu no primeiro semestre. “Pensamos que não irá haver um fechamento total. Isso não significa que algumas atividades de alguns locais possam fechar. A Europa, por exemplo, fechou bastante coisa agora, mas a indústria continua. Além disso, os números do covid de casos e mortes estão bem menores do que antes. Então não contemplamos um novo fechamento total”, diz.

 

Infraestrutura

O significativo aumento do volume de frutas exportadas pelo Pecém fez com que o porto recebesse, no final de agosto, o maior navio a atracar em um porto cearense, o MSC Shuba B, com 330 metros de comprimento, 48 metros de largura e capacidade para 12.238 TEUs. A atracação do cargueiro foi possibilitada pela conclusão do berço 10 de atracação, que elevou a capacidade operacional do porto. “O novo berço 10 posiciona o Pecém entre um seleto grupo de portos da América Latina que pode receber novos navios Panamax com calados de até 15,3 m”, destaca Daniel Rose.

 

Os contêineres que passam pelo Porto do Pecém são movimentados por dois superguindastes do tipo STS (Ship to Shore), operados desde julho de 2016 pela APM Terminals. Também conhecidos como portêineres, os STS, diferente de outros tipos de guindastes, possuem maior velocidade no desembarque e embarque de contêineres para os navios.

 

“Esse recorde demonstra o quanto o Porto de Pecém está preparado para movimentar grandes quantidades de carga. Principalmente depois que o terminal ganhou mais um berço de atracação e passou a ter a capacidade operacional de receber até 10 navios simultaneamente, reduzindo assim o tempo de espera dos navios”, disse André Magalhães, gerente comercial da APM Terminals, ao comentar os resultados em outubro.

 

Placas de aço

Um dos principais itens da pauta de exportação do Ceará, as placas de aço da Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP) também vêm impulsionando a movimentação. Em outubro, o porto exportou 275.331 toneladas do produto, alta de 5,9% ante igual mês de 2019 (259.923 t). De janeiro a outubro, o Porto exportou 2.184.885 toneladas de placas de aço. O principal destino foram os EUA, que receberam 791.954 t do produto.


Mais lidas


  Na manhã desta quarta-feira (18), o Sopesp (Sindicato dos Operadores Portuários do Estado de São Paulo) recebeu em sua sede a visita do desembargador federal, Celso Ricardo Peel Furtado, do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região.   O magistrado foi recebido com um café da manhã pelo presidente da entidade, Régis Prunzel, acompanhado […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais