SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   Setor automobilístico tem dificuldades para vender ao vizinho

Setor automobilístico tem dificuldades para vender ao vizinho


Fonte: Valor Econômico (5 de outubro de 2020 )
Principal preocupação, hoje, é sobre uma resolução do governo argentino que poderá limitar a entrada de veículos estrangeiros até o fim deste ano

A indústria automobilística enfrenta cada vez mais dificuldades para exportar à Argentina. Segundo fontes do setor, a principal preocupação, hoje, refere-se a uma resolução do governo argentino de limitar a entrada de veículos estrangeiros até o fim deste ano.

 

Essa limitação não foi formalizada. Mas integrantes da equipe econômica do governo do presidente Alberto Fernández avisaram os dirigentes das montadoras que a ideia é limitar em 90 mil o número de veículos fabricados em outros países que poderiam entrar no mercado argentino entre julho e dezembro.

 

O Brasil é a origem de 60% dos veículos importados pelos argentinos. Acontece que somente nos dois primeiros meses do segundo semestre já foram enviados ao país vizinho 33,4 mil veículos. Isso significa que as fábricas brasileiras teriam direito a vender no mercado argentino pouco mais de 26 mil unidades nos últimos quatro meses do ano.

 

Trata-se de um volume baixo, levando em conta que a Argentina é o principal destino das exportações da indústria automobilística. Há um ano, o setor embarcava para o mercado vizinho, em média, 13 mil a 15 mil unidades por mês. Com a pandemia, o volume caiu à metade, mas voltou a subir em julho e agosto.

 

Não é a primeira vez que o setor enfrenta, este ano, problemas para escoar seus produtos na Argentina. Em julho, perto de 10 mil veículos produzidos no Brasil ficaram parados em portos de Buenos Aires e Rosário, à espera da liberação de divisas, cada vez mais escassas no país.

 

Brasil e Argentina renovaram, há um ano, um acordo de intercâmbio comercial no setor automotivo, que permite ao Brasil exportar o equivalente a US$ 1,5 para cada U$ 1 importado do país vizinho. Mas, aliada à crise provocada pela pandemia, a queda nas reservas leva o governo de Alberto Fernández a frear a entrada de produtos de maior valor agregado.

 

Apesar dos problemas que se arrastam desde o ano passado, a Argentina continua a ser o maior destino das exportações de veículos produzidos no Brasil, com fatia de 54% dos embarques totais.

 

O volume total de veículos exportados pelo Brasil de janeiro a agosto, registrou queda de 41,3% em relação a igual período de 2019, com total de 176,7 mil unidades. A receita somou US$ 3,1 bilhões, uma retração de 34% em relação há um ano. Nos próximos dias a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) divulgará os resultados de setembro e reverá projeções de exportação para o ano. A última estimativa, apresentada em julho, foi de queda de 28,5% nas exportações totais deste ano.


Mais lidas


Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

  O município de Balneário Barra do Sul, no litoral norte de Santa Catarina, poderá ganhar um empreendimento portuário vinculado a um complexo empresarial e de serviços. O empreendimento projetado – por ora é só isso, uma intenção – é denominado “Super porto BBS”. Dizem os investidores potenciais que o negócio poderá ocupar área de […]

Leia Mais