SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   Baixada Santista tem saldo positivo de vagas de emprego pela 1ª vez no ano

Baixada Santista tem saldo positivo de vagas de emprego pela 1ª vez no ano


Fonte: A Tribuna (2 de outubro de 2020 )
Praia Grande foi a cidade que mais abriu vagas em agosto, segundo dados do Caged (Foto: Alexsander Ferraz/AT)

 

Pela primeira vez no ano, a Baixada Santista fechou um mês com saldo positivo no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Em agosto, foram registrados 369 novos empregos formais – resultado de 6.592 contratações e 6.223 demissões. No ano, porém, o balanço ainda é negativo: 16.662 vagas foram fechadas.

 

Praia Grande teve melhor saldo: 187. Santos, apesar do maior número de contratações (2.870), perdeu 15 postos de trabalho, como reflexo de 2.885 demissões. Guarujá também fechou empregos (dez).

 

A Prefeitura praia-grandense credita o saldo, em especial, aos investimentos governamentais em serviços públicos, mobilidade, segurança e infraestrutura, que atrairiam empresas ao Município. “Os setores que mais geram emprego na Cidade são construção civil, comércio e serviços.”

 

Retomada

De acordo com especialistas, a flexibilização das restrições durante a pandemia de covid-19 permitiram a retomada de atividades e emprego, sobretudo em serviços, comércio, restaurantes e rede hoteleira. São o que move a região, juntamente a Porto e indústria.

 

“Já notamos que muitas atividades voltaram, com aqueles que sobreviveram (ao período de restrições e portas fechadas). Você observa mercados e shoppings com mais volume de pessoas e compras. É uma tendência natural (a demanda por trabalhos)”, diz o economista Jorge Manuel de Souza Ferreira.

 

Segundo ele, a expectativa é que a economia regional continue apresentando sinais de melhora se as restrições não voltarem. O economista aponta que, apesar de toda a crise gerada pela pandemia, as atividades portuárias e o fato de haver número elevado de aposentados na Baixada Santista amenizaram impactos negativos.

 

Garantia de trabalho

Para Ferreira, as empresas que adotaram reduções salarial e de carga horária (com base na Medida Provisória 936) acreditam na retomada da economia e devem manter empregos, mesmo após o período de estabilidade.

 

Segundo Vaz, os dados do Caged também são uma incógnita, pois, apesar de darem a entender uma retomada (principalmente por causa do comércio), ele não indica os setores com mais contratações nem a forma como foram firmados esses contratos – se são temporários ou intermitentes, por exemplo.

 

“Esses dois tipos de trabalho eliminam o custo fixo da empresa”, diz Vaz. Ele destaca que estes contratos interferem nos ganhos dos profissionais, que, como a maior parte da população, sofrem com a falta de reservas financeiras para enfrentar crises como a decorrente da pandemia ou momentos de baixa demanda por trabalho.

 

Outro ponto destacado por Vaz para justificar a dificuldade em entender o cenário de empregos, está na falta de dados sobre empregos informais, que, segundo ele, se equivalem ou são maioria na região.


Mais lidas


Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

  O município de Balneário Barra do Sul, no litoral norte de Santa Catarina, poderá ganhar um empreendimento portuário vinculado a um complexo empresarial e de serviços. O empreendimento projetado – por ora é só isso, uma intenção – é denominado “Super porto BBS”. Dizem os investidores potenciais que o negócio poderá ocupar área de […]

Leia Mais