SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   Superintendente Gabriela Costa fala sobre fiscalização responsiva durante evento da Rede de Articulação das Agências Reguladoras

Superintendente Gabriela Costa fala sobre fiscalização responsiva durante evento da Rede de Articulação das Agências Reguladoras


Fonte: ANTAQ (28 de setembro de 2020 )
Encontro virtual aconteceu nesta sexta-feira (25)

 

A superintendente de Fiscalização da ANTAQ, Gabriela Costa, participou, nesta sexta-feira (25), de mais um encontro, desta vez virtual, da Rede de Articulação das Agências Reguladoras (Radar). O tema foi fiscalização regulatória (responsiva).

 

Durante sua apresentação, Gabriela destacou que, nos últimos anos, o setor aquaviário brasileiro adquiriu mais experiência. Isso propiciou menores encargos decorrentes da atividade fiscalizatória. Os servidores, conforme a superintendente, também ficaram mais experientes e passaram a reavaliar e a criticar os objetivos e procedimentos do trabalho de fiscalização. Além disso, “atualmente, o consumidor exige padrões mais elevados na qualidade dos serviços prestados, o que faz surgir relações mais complexas entre os agentes do setor”, destacou Gabriela.

 

A partir de então, ressaltou a superintendente, ganhou força a necessidade de conferir maior efetividade às fiscalizações e de racionalizar a utilização dos recursos. Gabriela apresentou uma pirâmide em que a ação da fiscalização é proporcional ao comportamento do agente. Por exemplo, se o agente “quer fazer a coisa certa”, a fiscalização deve ser simplificada. No entanto, se o agente está decidido a não cooperar, deve-se pesar a “mão forte” do regulador.

 

A fiscalização responsiva conta com diversos insumos, pontuou a superintendente. Entre eles estão: presença do fiscal; fiscalização educativa; cartilhas, divulgação de normativos e relatórios individualizados. Gabriela destacou também os três grupos de risco nos quais a metodologia se baseia para gerar indicadores e balizar as ações fiscais: primário (caracterizado pela baixa propensão ao cometimento de infrações); potencial (média propensão ao cometimento de infrações); e incidental (alta propensão ao cometimento de infrações).

 

A superintendente listou, ainda, quatro tipos de fiscalização que a Agência faz: documental simplificada; documental completa; padrão (in loco); e híbrida (padrão + documental). “A intensidade e a frequência da fiscalização dependem de cada regulado”, ressaltou Gabriela.

 

Evitar a autuação

Em outros eventos, Gabriela Costa enalteceu que a fiscalização responsiva é preventiva, na medida em que o comportamento pregresso do prestador de serviço é que determina a frequência e a intensidade da ação fiscal. “O objetivo principal da fiscalização responsiva é buscar outras ferramentas, quando possível, que possam evitar a autuação e trazer o regulado ao principal objetivo, que é a conformidade regulatória.”


Mais lidas


Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

  O município de Balneário Barra do Sul, no litoral norte de Santa Catarina, poderá ganhar um empreendimento portuário vinculado a um complexo empresarial e de serviços. O empreendimento projetado – por ora é só isso, uma intenção – é denominado “Super porto BBS”. Dizem os investidores potenciais que o negócio poderá ocupar área de […]

Leia Mais