SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   Compra chinesa de bens brasileiros pode ser recorde

Compra chinesa de bens brasileiros pode ser recorde


Fonte: Valor Econômico (9 de setembro de 2020 )

As importações de produtos brasileiros pela China poderão bater recorde em 2020, se continuarem no mesmo ritmo de agosto, contrastando com o desmoronamento do comércio global na esteira da pandemia.

 

Dados da alfândega chinesa mostram que as importações originadas no Brasil cresceram 20,8% em agosto em relação ao mesmo período do ano passado. Ao mesmo tempo, as compras chinesas globalmente caíram 2,1%.

 

O fluxo total do comércio Brasil-China também poderá neste ano superar os US$ 115 bilhões registrados em 2019. Estatísticas chinesas mostram cifras ligeiramente mais elevadas que as registradas pelo governo brasileiro, em razão de diferenças de metodologia.

 

Entre janeiro e agosto, a China diz ter importado US$ 54,5 bilhões do Brasil e exportado US$ 19,9 bilhões. O Brasil é um dos poucos países com superávit no fluxo bilateral. O país vendeu US$ 34,6 bilhões a mais do que comprou dos chineses.

 

Além da pandemia, a China enfrentou a febre suína que dizimou parte de seu plantel e enchentes em regiões do país também destruíram algumas colheitas.

 

Mas as vendas brasileiras não foram apenas de commodities agrícolas. As estimativas entre fontes que conhecem o comércio bilateral são de que o Brasil poderia estar vendendo três vezes mais o volume de petróleo para a China, diante do apetite do parceiro asiático.

 

Os chineses aproveitam a cotação baixa do petróleo para reforçar seus estoques estratégicos.

 

Ao mesmo tempo em que continua aumentando importações originárias dos Estados Unidos, no âmbito de um acordo com o governo americano, a China elevou barreiras contra certos produtos da Austrália em meio a tensões bilaterais.

 

A Austrália é um dos poucos exportadores de commodities que acumulam superávit maior que o Brasil no comércio com os chineses, totalizando US$ 43,7 bilhões até agosto.

 

Mas, ao contrário da tendência com o Brasil, o fluxo com os australianos tende a desacelerar. Pequim impôs restrições a vários produtores australianos de carne, aplicou taxa antidumping sobre a cevada a e também limita agora a entrada do vinho australiano, que tem a China como seu maior mercado externo.

 

No Brasil, ao mesmo tempo em que continua importando muito, a China viu suas exportações caírem 9,2% nos primeiros oito meses do ano em relação a igual período do ano passado.

 

Globalmente, as exportações chinesas aumentaram 9,5% em agosto ante o mesmo período de 2019. Isso ocorreu graças ainda a embarques de produtos médicos. Bens eletrônicos também tiveram uma demanda melhor, na esteira de trabalho on-line em bom número de países.


Mais lidas


Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais

Por causa da curvatura da Terra, a distância na qual um navio pode ser visto no horizonte depende da altura do observador.   Para um observador no chão com o nível dos olhos em h = 7 pés (2 m), o horizonte está a uma distância de 5,5 km (3 milhas), cada milha marítima igual a 1.852 […]

Leia Mais