SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   Cabotagem movimenta 60,8 milhões de toneladas entre janeiro e abril

Cabotagem movimenta 60,8 milhões de toneladas entre janeiro e abril


Fonte: O Petróleo (24 de junho de 2020 )

O setor portuário no Brasil, principalmente a navegação por cabotagem, não teve impactos com a pandemia do Covid-19, registrando alta de 11,3% na movimentação no período de janeiro e abril de 2020, em relação ao mesmo quadrimestre do ano anterior.

 

O levantamento foi realizado pelo Ministério da Infraestrutura, através de dados estatísticos da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq).

 

O total que o setor transportou foi 60,8 milhões de toneladas no período, o impacto na movimentação por cabotagem está ligado ao crescimento no transporte de graneis líquidos e gasosos (10,1%), com destaque para o ramo de petróleo e derivados.

 

Assim como à alta de 58,1% no transporte de graneis sólidos no nos quatro primeiros meses do ano.

 

“Apesar de termos segmentos mais afetados durante a pandemia, o setor portuário tem mostrado resiliência aos efeitos da crise, mostrando um crescimento relevante no fechamento de dados do primeiro quadrimestre, com destaque para o aumento das movimentações da cabotagem”, explica o ministro da infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas.

 

O setor portuário também registrou alta de 3,7% no mesmo período, sendo 65,2% das cargas operadas pelos portos privados e 34,8%, pelos portos públicos.

 

Em toneladas, o volume total transportado foi 340,4 milhões.

 

Mesmo com a queda de 30% no transporte de minério de ferro e soja  em janeiro deste ano, na comparação com o ano anterior, o setor apresentou recuperação nos meses seguintes, com o minério de ferro mantendo o nível do ano anterior, e o petróleo e a soja tendo grandes impactos  no resultado positivo final.

 

A Companhia Docas do Pará (CDP), teve aumento de 30% no período, em comparação com ao ano passado, para o Porto de Suape (PE), com alta de 21,1%, para a Portos do Paraná, que administra os portos de Paranaguá (PR) e Antonina (PR), com o crescimento de 20,5%, além da SPA, autoridade portuária do Porto de Santos (SP), que registrou crescimento de 12% no período acumulado.

 

Os portos administrados pela Companhia Docas do Espírito Santo (CODESA), pela Companhia Docas do Rio de Janeiro (CDRJ) e pela Companhia Docas do Estado da Bahia (CODEBA) foram os mais afetados com o  impacto nas movimentações, com perdas de 15,68%, 34,37% e 6,27%.

 

Embora sejam portos de movimentação expressiva, o levantamento realizado mostra que, até o momento, a tendência de diminuição  geral no transporte não é uma realidade do setor portuário.


Mais lidas


Conheça um pouco sobre a trajetória e o trabalho exercido pelos advogados de nossas associadas - Vivian Carvalho, gerente jurídico e compliance da Brasil Terminal Portuário e Leandro Fernandes, gerente jurídico do Terminal 12A. Pelo SOPESP, nossa Relações Institucionais, Marcelli Mello e nossa Assessora Jurídica, Gislaine Heredia.

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais

Por causa da curvatura da Terra, a distância na qual um navio pode ser visto no horizonte depende da altura do observador.   Para um observador no chão com o nível dos olhos em h = 7 pés (2 m), o horizonte está a uma distância de 5,5 km (3 milhas), cada milha marítima igual a 1.852 […]

Leia Mais