SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   Setor Marítimo Nacional, trabalhando por um Brasil que não pode parar

Setor Marítimo Nacional, trabalhando por um Brasil que não pode parar


Fonte: Defesa TV (26 de maio de 2020 )

“Você não pode mudar o vento, mas pode ajustar as velas do barco para chegar onde quer.”

 

A frase dita por Confúcio há cerca de 2.500 anos nunca foi tão atual. Passados cerca de dois meses desde o início dos decretos de emergência sanitária pela Covid-19, temos observado o comportamento nacional dia a dia se modificando. Esforços para manter o País no rumo do crescimento vêm sendo implementados nas ações diárias dos setores classificados como essenciais, os quais têm, diuturnamente, se adequado para viabilizar a manutenção de suas rotinas.

 

Dentre esses setores, os segmentos relacionados à nossa Amazônia Azul: transporte marítimo, atividades portuárias, praticagem, exploração de óleo e gás, apoio marítimo, pesca, atividades de fiscalização marítima e sanitária, dentre outras, não podem parar, exigindo desses profissionais um esforço ainda maior.

 

Em rápida análise, o Almirante Francisco Antônio de Magalhães Laranjeira, Presidente da Companhia Docas do Rio de Janeiro, declarou que: “A crise da Covid-19 trouxe à comunidade marítima um  grande desafio, pois esta, como atividade essencial, em nenhuma hipótese pode parar, já que pelos portos movimenta-se toda a economia do País. Um colapso nesse segmento significa parar o Brasil.”

 

Essa realidade possui como constatação a contribuição para geração de riquezas associada ao Mar. Atualmente, a Economia Azul gera para o Produto Interno Bruto (PIB) o montante de R$ 1,1 trilhão, correspondendo a cerca de 19% do PIB.

 

Para garantir que as atividades da área marítima e fluvial fossem mantidas, a Autoridade Marítima reforçou seu papel de protagonismo e buscou antecipar-se aos desafios que surgiriam. Não restavam dúvidas de que a tarefa seria árdua, entretanto a forte parceria estabelecida há anos com os diversos ramos da comunidade marítima vem permitindo que as atividades do ramo se mantivessem apesar de todas as dificuldades impostas pela pandemia.

 

Segundo o presidente do Conselho Nacional da Praticagem, Sr. Ricardo Falcão: “Desde a Lei de Segurança do Tráfego Aquaviário de 1997 houve uma decisão da Autoridade Marítima de se oferecer um serviço de praticagem que fosse de primeiríssima linha. Essa decisão lá atrás (…) é o que nos permite hoje estarmos prontos para enfrentarmos qualquer situação”.

 

Registrando um aumento de transporte de cargas de cerca de 7% no 1º trimestre do ano em relação ao mesmo período de 2019, a cabotagem brasileira mantém seu foco no transporte marítimo de todo o tipo de cargas e assim impulsiona a roda da economia. O Sr. Luís Fernando Resano, Diretor Executivo da Associação Brasileira de Armadores de Cabotagem, destaca que: “A atividade de transporte de carga tem que se manter regular, pois é fundamental no abastecimento da população brasileira.”

 

Outro importante braço dessa complexa engrenagem, o Tribunal Marítimo buscou adaptar suas sessões plenárias levando-as para o ambiente virtual. A iniciativa tem o objetivo de dar continuidade aos julgamentos enquanto perdurar o estado de emergência causado pelo Covid-19.

 

O cenário internacional que se desenhou vem requerendo da sociedade como um todo um grande esforço para a manutenção do desenvolvimento do País. Os representantes e agentes da Autoridade Marítima, esses presentes em nossos Distritos Navais e nas suas Capitanias, Delegacias e Agências subordinadas, distribuídas por todo o litoral e território nacional, têm apoiado constantemente a capacidade de resiliência do setor, zelosos de suas atribuições legais de segurança da navegação, salvaguarda da vida humana no mar e em águas interiores e a prevenção da poluição hídrica causada por embarcações. Além disso, as atividades referentes ao Ensino Profissional Marítimo permitem a continuidade da formação de cidadãos que se transformam em homens e mulheres voltados para as atividades marítimas e cônscios de seus deveres e responsabilidades com o Brasil. Agora, mais do que nunca, a vocação marítima e fluvial de nosso País deverá ser explorada e a Autoridade Marítima ciosa de seu papel não medirá esforços para que isso se confirme. Nascemos pelo mar e continuaremos a nos desenvolver por ele e por nossas hidrovias.

 

A Amazônia Azul é fonte de riquezas e sua importância nesse momento da pandemia da Covid-19 fica ainda mais evidente na sustentação e geração de benefícios para a Sociedade brasileira.


Mais lidas


    A desestatização do Porto de Santos deve ser concluída até o fim de 2022, de acordo com o secretário nacional de Portos e Transportes Aquaviários no Ministério da Infraestrutura, Diogo Piloni, durante o III Congresso de Direito Marítimo e Portuário. De acordo com ele, a consulta pública deve ser aberta até o fim […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Por causa da curvatura da Terra, a distância na qual um navio pode ser visto no horizonte depende da altura do observador.   Para um observador no chão com o nível dos olhos em h = 7 pés (2 m), o horizonte está a uma distância de 5,5 km (3 milhas), cada milha marítima igual a 1.852 […]

Leia Mais