SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   Confinamento poderá custar mais de 2 mil milhões ao comércio internacional de mercadorias

Confinamento poderá custar mais de 2 mil milhões ao comércio internacional de mercadorias


Fonte: Revista Cargo (21 de maio de 2020 )

As medidas de confinamento implementadas um pouco por todo o mundo para combater a propagação do COVID-19, e a consequente retoma da actividade de forma desfasada entre países poderão custar 2,2 mil milhões de euros ao comércio internacional de mercadorias.

 

O valor equivale a uma subida de 11 pontos percentuais nas tarifas à importação por parte de todos os países, para os 17%, estima a Euler Hermes, accionista da COSEC – Companhia de Seguro de Créditos. De acordo com o estudo ‘COVID-19 losses equivalent to a return of 1994 tariffs’, recentemente lançado pelo grupo líder mundial em seguro de créditos, mesmo após o fim do confinamento, o facto de haver regras diferentes entre Estados sobre a circulação de bens e serviços gerará incerteza e sobrecarga regulatória nas empresas, impedindo o comércio global de normalizar.

 

Depois de um choque de 22,5% em termos de valor, o comércio poderá, mesmo após o fim do confinamento, permanecer abaixo de 90% do que se registava antes da crise. Não obstante, o estudo indica que a recuperação acontecerá ainda no segundo semestre deste ano, na sequência da retoma da actividade no sector industrial, e durante 2021, crescendo +10% em volume e +15% em valor.

 

Vários setores em risco de pressões inflacionistas

Apesar do cenário considerado mais provável ser o de recuperação em forma de ‘U’, os analistas alertam para o facto de alguns sectores, nomeadamente os que exportam produtos de alto valor acrescentado e são mais sensíveis a interrupções na cadeia de fornecimento, correrem o risco de sofrer aumento de preços. Correm maior risco as empresas que operam na China, EUA, Alemanha, França, Irlanda, Bélgica, Holanda e Luxemburgo.

 

Aumento do proteccionismo nas trocas comercias

Os economistas da Euler Hermes alertam ainda para o regresso de um risco que o comércio internacional enfrentava antes do surgimento da pandemia: o aumento do proteccionismo. A adopção destas políticas por parte dos Estados pode recriar a incerteza vivida em 2019 e prejudicar a recuperação do investimento, intensificando-se à medida que se agravam tensões entre os EUA e a China.

 

O proteccionismo tem sido evidente, por exemplo, nos produtos relacionados com a Covid-19. Os dados revelam um nível recorde de novas restrições à exportação de produtos médicos, farmacêuticos e de equipamento de protecção por parte de muitos países. No total, foram aplicadas mais de 80 novas medidas proteccionistas a estes produtos em 2020 em todo o mundo – um recorde, e que equivale a 2,5 vezes o total de medidas implementadas em todo o ano de 2019. O estudo calcula que, só em 2020, os bloqueios às exportações possam reduzir o comércio de produtos Covid-19 em €27 mil milhões.

 

Os economistas alertam ainda para o impacto que estas políticas proteccionistas podem ter no agravamento da crise sanitária nos países em desenvolvimento. O Brasil, a Argentina e a Argélia, seguidos da África do Sul, Marrocos, Indonésia, Colômbia, Malásia, México e Chile, são países cujas importações de produtos relacionados com a crise sanitária da Covid-19 estão fortemente concentradas em três principais parceiros e onde as tarifas sobre esses produtos são mais elevadas em relação ao resto do mundo.


Mais lidas


Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

  O município de Balneário Barra do Sul, no litoral norte de Santa Catarina, poderá ganhar um empreendimento portuário vinculado a um complexo empresarial e de serviços. O empreendimento projetado – por ora é só isso, uma intenção – é denominado “Super porto BBS”. Dizem os investidores potenciais que o negócio poderá ocupar área de […]

Leia Mais