SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   Proposta de bancos a aéreas é iminente

Proposta de bancos a aéreas é iminente


Fonte: Valor Econômico (14 de maio de 2020 )

As três grandes companhias aéreas do país – Gol, Latam e Azul – ainda esperavam ontem receber a proposta do sindicato de bancos com os detalhes do apoio financeiro ao setor. O Valor apurou que é iminente a entrega da proposta pelo sindicato de bancos comerciais, liderado pelo Bradesco, pelo lado privado, e que conta ainda com participação do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Havia previsão que o documento fosse apresentado às empresas na segunda-feira, mas pendências entre os bancos atrasaram o processo.

 

Ontem no começo da noite ainda havia expectativa na indústria aérea nacional sobre os termos da proposta. As últimas informações davam conta que o apoio total poderia ficar na faixa dos R$ 2 bilhões por empresa, com o pacote final de ajuda totalizando entre R$ 6 bilhões e R$ 7 bilhões, abaixo, portanto, dos quase R$ 10 bilhões aventados inicialmente. É medida de apoio setorial que, em segundo momento, poderia beneficiar companhias de menor porte.

 

No mercado há estimativas que a operação pode levar a uma diluição de cerca de 20% dos atuais acionistas em cada uma das três grandes empresas aéreas: Gol, Latam e Azul. Diante desse cenário, não há certeza no setor sobre a contratação das operações pois haveria o entendimento, entre as empresas, que a diluição seria acima do aceitável. “A adesão das empresas à proposta, nos termos extra-oficiais, está por um fio”, disse fonte ligada às companhias.

 

A questão é saber se mesmo não gostando dos termos da proposta as empresas aéreas brasileiras terão condições de encontrar alternativas de apoio financeiro no mercado internacional. Fonte do governo disse que o apoio ao setor aéreo é horizontal: trata-se de um único modelo a ser aplicado às três companhias. A última versão de proposta conhecida segue o desenho antecipado pelo Valor, em abril: emissão de debêntures simples pelas empresas a serem subscritas pelos bancos e, ao mesmo tempo, o lançamento de bônus de subscrição que daria aos detentores – os próprios bancos – o direito de entrar no capital das companhias. Esses bônus podem ser negociados no mercado secundário.

 

“Esse é o modelo sobre o qual vinha se trabalhando até a semana passada”, disse a fonte do governo. Segundo o interlocutor, haveria diferentes mecanismos para precificar o bônus de subscrição e, dependendo do preço considerado, a diluição dos atuais acionistas poderia ser maior ou menor.

 

A operação de socorro às companhias aéreas foi anunciada pelo presidente do BNDES, Gustavo Montezano, no fim de março e, na ocasião, o banco tinha expectativa de que fosse fechar o apoio em abril. Houve dificuldades nas negociações, pois a primeira alternativa considerada, que era a emissão de debêntures conversíveis em ações, poderia levar a diluições ainda maiores dos sócios das empresas aéreas, com o BNDES assumindo, eventualmente, o controle dessas companhias.

 

Fontes da indústria compararam a situação no Brasil com a dos EUA, onde o setor recebeu apoio de “bilhões de dólares”, sendo parte não reembolsável. Técnico do governo disse que o risco de diluição no caso brasileiro, se ocorrer, seria o preço a se pagar para poder organizar um plano de sobrevivência das empresas.


Mais lidas


    A desestatização do Porto de Santos deve ser concluída até o fim de 2022, de acordo com o secretário nacional de Portos e Transportes Aquaviários no Ministério da Infraestrutura, Diogo Piloni, durante o III Congresso de Direito Marítimo e Portuário. De acordo com ele, a consulta pública deve ser aberta até o fim […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Por causa da curvatura da Terra, a distância na qual um navio pode ser visto no horizonte depende da altura do observador.   Para um observador no chão com o nível dos olhos em h = 7 pés (2 m), o horizonte está a uma distância de 5,5 km (3 milhas), cada milha marítima igual a 1.852 […]

Leia Mais