SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   O legado que a MP 945/2020 pode deixar aos Portos

O legado que a MP 945/2020 pode deixar aos Portos


Fonte: A Tribuna (16 de abril de 2020 )
 (Carlos Nogueira/ AT)

A grave crise mundial gerada pelo novo coronavírus expôs fragilidades e potencialidades em todos os setores da economia e, não à toa, no portuário. O comércio exterior brasileiro é fundamentalmente movimentado pelos portos, que absorvem 95% das cargas transacionadas pelo setor produtivo global.

 

O impacto econômico, menos relevante no primeiro momento, será estimado com o tempo. O fechamento momentâneo das fronteiras marítimas e terrestres da China, da Europa e dos EUA promete acarretar diminuição no fluxo de cargas e navios em circulação nos portos brasileiros. Com a China, por exemplo, com quem o Brasil possui um fluxo de comércio (exportações e importações) de cerca de US$ 100 bilhões, o impacto será certamente sentido ao longo do ano.

 

Já o impacto na saúde é imediato e de difícil reparação, o que obrigou o Governo a tomar decisões urgentes para salvaguardar vidas humanas e coibir o avanço da pandemia no Brasil.

 

Assim, para conciliar o interesse público de salvar vidas humanas e não paralisar as operações portuárias brasileiras, foi publicada a Medida Provisória n° 945, no último dia 4 de abril, que dispõe sobre medidas temporárias e especiais em resposta à pandemia da Covid-19.

 

Ao analisar o seu conteúdo, é possível notar que o Governo Federal percebeu que a obrigatoriedade, nos portos organizados, da utilização de mão de obra avulsa inscrita no Ogmo inviabiliza a adoção de medidas de proteção à vida, e representa ameaça à continuidade das operações.

 

Fica evidente também a compreensão de que o trabalho realizado nos portos não é especializado, e que a multifuncionalidade largamente praticada ampliará a oferta de emprego no Brasil e, mais importante, que os trabalhadores previamente afastados necessitam de uma renda mínima para manutenção de sua vida.

 

Por isso, a MP n° 945/2020 atualizou de uma só vez pontos relevantes da legislação portuária para: I) declarar a essencialidade da atividade, II) viabilizar o pagamento de uma indenização para trabalhadores portuários preventivamente afastados, III) impor a realização de escalação eletrônica para trabalho, IV) possibilitar aos operadores portuários a contratação de trabalhadores portuários não inscritos no Ogmo, na hipótese de indisponibilidade e por prazo determinado e V) estimular a prática da multifuncionalidade.

 

A nova legislação trouxe a segurança jurídica necessária para os operadores portuários darem continuidade às suas atividades e, por promover alterações em questões históricas e desafios crônicos da operação portuária no Brasil, foi muito bem recebida pela comunidade portuária.

 

Portanto, pode-se concluir que as medidas ora adotadas por causa da pandemia da Covid-19 são acertadas e, se perpetuadas ao final desse processo, representarão um legado importante e positivo para o incremento da eficiência e dos resultados do setor portuário e da economia nacional.


Mais lidas


Os dados divulgados pela Autoridade Portuária de Santos (APS), em seu balanço operacional de março, apontam um recorde histórico na movimentação de cargas. Foram mais de 15,16 milhões de toneladas que passaram pelos terminais do Porto de Santos, um crescimento de 10,4% comparado com a marca histórica anterior, conquistada em agosto de 2020.   O […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais