SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   Crise amplia fatia da Ásia na exportação brasileira

Crise amplia fatia da Ásia na exportação brasileira


Fonte: Valor Econômico (15 de abril de 2020 )
Tereza Cristina: “desanimada” e “cansada” em receber a missão de colocar “panos quentes” na tensão criada com Pequim — Foto: José Cruz/Agência Brasil

A crise global provocada pelo avanço do coronavírus já tem repercussões nas contas externas e deve acelerar a quebra de um paradigma na balança comercial, segundo a avaliação de integrantes da equipe econômica. Dependendo da amplitude e da duração que tiver a pandemia, a Ásia poderá romper uma barreira simbólica e transformar-se em destino de metade das exportações brasileiras ainda em 2020.

 

Até o fim de março, no acumulado deste ano, os mercados asiáticos como um todo já representavam 44,5% das vendas do Brasil ao exterior. Devem fechar o mês de abril acima de 45%. E, por causa do perfil exportador, a tendência é de aumento da participação.

 

“Numa crise como essa, as pessoas compram menos chapéu de feltro, bolas de tênis, tesouras de jardinagem e bombas de motor para piscina”, afirma um auxiliar do ministro Paulo Guedes. “Mas elas continuam comprando alimentos, proteínas, itens básicos.”

 

Soja, petróleo, minério de ferro, carne bovina, carne de frango e suína são os principais produtos exportados à China pelo Brasil. Mesmo tendo sido o primeiro país atingido pela emergência sanitária, com isolamento de grandes cidades, o gigante asiático comprou quase 5% a mais de produtos brasileiros no primeiro trimestre.

 

Só que agora os chineses estão em recuperação. Outros mercados do continente também já vinham despontando no período janeiro-março – Cingapura (256%), Coreia do Sul (19%), Malásia (15%) – e têm a vantagem relativa de estarem controlando melhor o avanço da pandemia, ou seja, podem abocanhar uma fatia maior das exportações brasileiras ao longo dos próximos meses.

 

Já outros mercados importantes para o Brasil, na comparação anual, sofreram um tombo no acumulado do primeiro trimestre: América do Norte (-15%), América do Sul (-13%), Oriente Médio (-27%). As exportações para a União Europeia e para a África apresentam certa estabilidade.

 

Por vários motivos, a equipe econômica acha “de alguma probabilidade” que se tenha um superávit comercial acima do imaginado em 2020. O Ministério da Economia ainda não havia divulgado previsões oficiais e faria uma estimativa agora em abril, mas o prognóstico foi postergado para maio, devido às incertezas. O Banco Central, no mais recente relatório trimestral de inflação (março), projeta um saldo de US$ 33,5 bilhões.

 

Com o câmbio mais alto, menos compras de bens de capital e bens intermediários pela indústria brasileira, o governo acredita que as importações devem cair mais neste do que as exportações. E estende sua avaliação para a balança de serviços: serão menos gastos com turismo no exterior, menos viagens internacionais com companhias aéreas estrangeiras, menos despesas no cartão de crédito fora do país.

 

O Brasil, em matéria de comércio exterior, até que não se sai tão mal pelo fato de estar menos integrado às cadeias globais de produção. O que era um ponto negativo, no meio da crise, virou algo mais ou menos vantajoso.

 

Por causa da crescente importância da China para as exportações, o Ministério da Agricultura acendeu o sinal amarelo com as últimas ofensas desferidas contra Pequim pelo ministro Abraham Weintraub (Educação) e pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). Weintraub chegou a dizer que uma nova epidemia vinda da China tem “alta probabilidade” de ocorrer porque os chineses comem “tudo o que o sol ilumina”.

 

A ministra Tereza Cristina precisou atuar diretamente para evitar retaliações. Para piorar, ela teve que abolir, por hora, o que seria sua terceira viagem a Pequim para reiterar ampliações ou aberturas de mercado para o agronegócio do Brasil, devido às restrições de voos e incertezas sobre a duração dos impactos globais da covid-19.

 

A interlocutores Tereza tem confidenciado estar bastante “desanimada” e “cansada” em receber, mais uma vez, a missão de colocar “panos quentes” na tensão criada com Pequim. “Uma coisa é você, uma vez, ter de ir lá acomodar no embaixador. Outra coisa é ter de fazer isso várias vezes. Fica sem credibilidade, sem argumento”, diz uma fonte próxima à ministra.

 

Considerada como um ponto de equilíbrio e consenso para os diferentes posicionamentos de empresários, associações e parlamentares ligados ao campo, Tereza também teria desaprovado as falas de Eduardo e Weintraub em conversa com outros ministros.

 

Episódios como esse têm alimentado a chance de ela deixar o governo, possibilidade aventada mais de uma vez, segundo interlocutores. No início da semana, a ministra disse que não existem “amigos” no comércio internacional, mas pontuou o peso da parceria com a China, destino de 20% de toda carne brasileira exportada. “Como vamos abrir mão de um mercado que tem 1,3 bilhão de pessoas?”, questionou.


Mais lidas


Os dados divulgados pela Autoridade Portuária de Santos (APS), em seu balanço operacional de março, apontam um recorde histórico na movimentação de cargas. Foram mais de 15,16 milhões de toneladas que passaram pelos terminais do Porto de Santos, um crescimento de 10,4% comparado com a marca histórica anterior, conquistada em agosto de 2020.   O […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais