SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   MP-945: TUPs sugerem uso de fundo para garantir pagamento de avulsos

MP-945: TUPs sugerem uso de fundo para garantir pagamento de avulsos


Fonte: Portos e Navios (9 de abril de 2020 )

A Associação de Terminais Portuários Privados (ATP) avalia que a medida provisória 945/2020 não trouxe instrumento de ressarcimento aos TUPs, conforme para arrendatários e operadores portuários, para o pagamento de trabalhadores avulsos impossibilitados de exercerem suas funções durante a pandemia da Covid-19. O entendimento é que poderiam ser aplicados outros mecanismos de ressarcimento, sem onerar empresários.

 

“A MP não prevê processo de ressarcimento das indenizações bancadas pelos tomadores de serviços. O governo prevê a redução de tarifas para não arrendatários e reequilíbrio para arrendatários. Não está prevista compensação futura para os TUPs. Entendemos que havia fórmulas sem onerar o empresário, que já está sofrendo com a crise”, comentou o presidente da ATP, Murillo Barbosa. Ele ponderou que a MP não impacta todos seus associados porque são poucos os que utilizam avulsos em seus terminais.

 

Para operadores portuários sem arrendamento, a MP traz a possibilidade de redução de tarifa da autoridade portuária. Já para arrendatários, a medida prevê reequilíbrio, desde que seja comprovado impacto nas contas. Existe expectativa em parte do setor empresarial de que sejam apresentadas emendas no sentido de garantir, futuramente, a restituição dos valores pagos aos trabalhadores por operadores portuários e TUPs, por meio dos órgãos gestores de mão de obra (Ogmos), durante a pandemia.

 

A ATP, que representa 29 empresas de grande porte e congrega 56 TUPs, defende que parte dos recursos contingenciados do Fundo do Desenvolvimento do Ensino Profissional Marítimo (FDEPM) possam ser utilizados para o pagamento das compensações aos trabalhadores impossibilitados de trabalhar nesse período de pandemia. A associação entende que o uso desse fundo seria mais lógico porque não onera o risco do empresário e porque parte da receita dele é proveniente do empresariado portuário. Estima-se que o FDEPM tenha cerca de R$ 1,5 bilhão contingenciados.

 

A proposta já havia sido sugerida ao Ministério da Infraestrutura quando a estiva de Santos ameaçou paralisar as atividades para evitar qualquer risco de disseminação da Covid-19. Na ocasião, o governo acenou que iria buscar um mecanismo para garantir a renda mínima de trabalhadores vulneráveis. A medida provisória foi publicada no último sábado (4).


Mais lidas


Os dados divulgados pela Autoridade Portuária de Santos (APS), em seu balanço operacional de março, apontam um recorde histórico na movimentação de cargas. Foram mais de 15,16 milhões de toneladas que passaram pelos terminais do Porto de Santos, um crescimento de 10,4% comparado com a marca histórica anterior, conquistada em agosto de 2020.   O […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais