SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   Brasil deve importar menos adubo em 2020 apesar de alta de consumo, diz consultoria

Brasil deve importar menos adubo em 2020 apesar de alta de consumo, diz consultoria


Fonte: G1 (7 de fevereiro de 2020 )
Fertilizantes no Terminal Integrador Portuário Luiz Antonio Mesquita (Tiplam), da VLI, no Porto de Santos, SP — Foto: José Claudio Pimentel/G1

O Brasil, maior importador de fertilizantes do mundo, deverá reduzir suas compras neste ano após importações recordes em 2019, de acordo com a avaliação da consultoria INTL FCStone nesta quinta-feira (6).

 

A queda na importação deve ocorrer porque o país consumirá estoques comprados a preços favoráveis em 2019, ao mesmo tempo em que terá um ligeiro aumento na produção interna de fertilizantes em 2020 e deverá registrar alguma desaceleração no aumento da demanda de adubo.

 

As importações deverão cair para cerca de 27 milhões de toneladas, versus 28,15 milhões de toneladas em 2019, quando aumentaram pouco mais de 600 mil toneladas ante 2018.

 

“A queda dos preços internacionais dos adubos ao longo do segundo semestre do ano precedente corroborou para a formação de estoques domésticos confortáveis, com os agentes aproveitando as menores cotações para assegurarem carregamentos antes da temporada de adubações”, disse a consultoria em relatório assinado pela analista Gabriela Fontanari.

 

Além dos estoques, a FCStone lembrou da retomada de operações de plantas nacionais de fosfatados. Em 2019, a paralisação da produção nos complexos da Mosaic, diante da necessidade de manutenções de segurança nas barragens, contribuiu para a expressiva importação do produto MAP no ano, em cenário que “deve ser mitigado em 2020”.

 

Por outro lado, a consultoria comentou que unidades da Petrobras em Sergipe e Bahia, cujas operações foram paralisadas, continuarão impactando a oferta interna. A estatal está deixando o mercado de fertilizantes.

 

Dessa forma, a produção total no Brasil está estimada em cerca de 7,6 milhões de toneladas, versus cerca de 7,4 milhões de toneladas em 2019.

 

Já o consumo interno está previsto em recorde de 36,9 milhões de toneladas, ante estimados 36,2 milhões de toneladas em 2019, disse a FCStone, que apontou também uma diminuição do ritmo da demanda.

 

“A desaceleração em relação aos anos anteriores decorre, principalmente, devido às incertezas que ainda permeiam o mercado da soja no tocante à demanda internacional, e o papel da China enquanto comprador da oleaginosa norte-americana, que pode impactar a remuneração do produtor, consequentemente influenciando suas decisões de investimento em adubação”, disse a consultoria.


Mais lidas


    A desestatização do Porto de Santos deve ser concluída até o fim de 2022, de acordo com o secretário nacional de Portos e Transportes Aquaviários no Ministério da Infraestrutura, Diogo Piloni, durante o III Congresso de Direito Marítimo e Portuário. De acordo com ele, a consulta pública deve ser aberta até o fim […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Por causa da curvatura da Terra, a distância na qual um navio pode ser visto no horizonte depende da altura do observador.   Para um observador no chão com o nível dos olhos em h = 7 pés (2 m), o horizonte está a uma distância de 5,5 km (3 milhas), cada milha marítima igual a 1.852 […]

Leia Mais