SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   Navios saem da China mais vazios, aponta levantamento

Navios saem da China mais vazios, aponta levantamento


Fonte: Valor Econômico (6 de fevereiro de 2020 )
Para Luigi Ferrini, vice-presidente da Hapag-Lloyd no Brasil, haverá desabastecimento caso a crise se prolongue — Foto: Silvia Zamboni/Valor

A crise global do coronavírus deverá provocar uma queda nas exportações da China para o Brasil dentro de três a quatro semanas, quando os navios com a carga que deixaram o país asiático nos últimos dias começarão a chegar à costa brasileira, segundo executivos e analistas do setor.

 

As embarcações têm saído da China com uma ocupação bastante abaixo da registrada no passado, segundo dados preliminares de um levantamento da Solve Shipping sobre a crise.

 

“O feriado do Ano Novo chinês foi estendido e diversas fábricas estão fechadas, com dificuldade para produzir ou escoar seus produtos até os terminais portuários. Há também portos fechados”, diz Leandro Barreto, sócio da consultoria.

 

Tradicionalmente, as empresas de navegação reduzem de forma significativa sua operação nos terminais chineses durante o feriado do Ano Novo no país, que é comemorado no dia 25 de janeiro. Para compensar, as duas semanas que antecedem a data e as duas seguintes são, em geral, fortes – o que, no entanto, não tem ocorrido neste ano, devido ao prolongamento forçado do recesso.

 

Armadores também veem uma clara redução nos últimos dias. “É um fato que o volume caiu”, afirma Luigi Ferrini, vice-presidente da empresa de navegação Hapag-Lloyd no Brasil.

 

Para ele, ainda é cedo para falar em um possível desabastecimento no país, mas, caso a parada nas fábricas chinesas se estenda por mais uma semana, o risco passa a ser maior, diz o executivo. “No Brasil, a logística é menos precisa que nos Estados Unidos e na Europa, e os estoques são maiores. Mas caso a situação se prorrogue por mais uma semana, há risco de desabastecimento.”

 

Nos últimos dias, fabricantes de veículos nos EUA e Europa já têm anunciado que a crise poderá levar ao fechamento de fábricas.

 

Em relação à exportação de produtos brasileiros para a China, o impacto já tem se concretizado, aponta a Solve Shipping. O problema é o mesmo: além de parte dos terminais terem fechado ou reduzido sua operação, a paralisação de fábricas reduziu a demanda por matérias-primas importadas do Brasil.

 

Um sinal concreto disso, segundo Barreto, é que o frete do Brasil para a China teve queda de 30% nesta semana, em comparação com a passada.

 

Há ainda um temor adicional: uma vez que a crise se encerre e as fábricas e terminais chineses voltem à normalidade, poderá haver um congestionamento. “Hoje, algumas cargas estão sendo descarregadas em portos alternativos, mas pode haver um efeito dominó”, afirma Ferrini.

 

Por conta desse possível efeito, algumas companhias já avisaram que só aceitarão alguns tipos de carga – como as refrigeradas, químicos, entre outros – daqui a um mês, segundo Barreto.

 

Para executivos e analistas consultados, a grande questão é qual será a duração da crise.

 

Para Antônio Carlos Sepúlveda, presidente da Santos Brasil, ainda é cedo para dimensionar o impacto. A companhia, que opera um terminal de contêineres no porto de Santos, não enxergou qualquer redução na movimentação até agora, diz ele, que avalia que a epidemia do coronavírus será “temporária”.

 

“Hoje, é aguardar para ver, é uma incógnita. Mas se a crise acabar na semana que vem, o impacto é zero”, afirma o executivo.

 

O porto de Santos também afirma que não percebeu qualquer queda na movimentação de carga, segundo nota da Santos Port Authority (SPA, ex-Codesp).

 

Já Ferrini, da Hapag-Lloyd, avalia que a crise pode se tornar muito grave a depender de seus desdobramentos.

 

Para Leandro Barreto, só com o efeito das atuais paralisações, já é certo que haverá prejuízos. “A questão é se esse rombo será recuperável, por ser apenas um represamento, ou se vai se tornar uma perda de vendas, o que parece ser o cenário atual”, diz.


Mais lidas


    A desestatização do Porto de Santos deve ser concluída até o fim de 2022, de acordo com o secretário nacional de Portos e Transportes Aquaviários no Ministério da Infraestrutura, Diogo Piloni, durante o III Congresso de Direito Marítimo e Portuário. De acordo com ele, a consulta pública deve ser aberta até o fim […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Por causa da curvatura da Terra, a distância na qual um navio pode ser visto no horizonte depende da altura do observador.   Para um observador no chão com o nível dos olhos em h = 7 pés (2 m), o horizonte está a uma distância de 5,5 km (3 milhas), cada milha marítima igual a 1.852 […]

Leia Mais