SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   Brasil apresenta petição à OMC contra subsídios indianos ao açúcar

Brasil apresenta petição à OMC contra subsídios indianos ao açúcar


Fonte: Valor Econômico (21 de janeiro de 2020 )
— Foto: CC0 Creative Commons / pixabay

O confronto entre o Brasil e a Índia envolvendo exportação de açúcar começou agora realmente na Organização Mundial do Comércio (OMC), com a apresentação por Brasília de sua primeira petição com argumentos contra programas de subsídios indianos.

 

A estimativa de produtores é de que a produção indiana de açúcar cresceu de 22 milhões de toneladas em 2016/17 para 34 milhões de toneladas em 2017/18, resultando em um superávit de mais de 12 milhões de toneladas.

 

A Índia tornou-se o maior produtor mundial num cenário no qual o Brasil reduziu sua produção em quase 10 milhões de toneladas e aumentou o foco na produção de etanol.

 

Conforme o setor privado, os subsídios indianos provocam depressão nos preços internacionais, causando US$ 3 bilhões anuais de prejuízo a outros exportadores.

 

Somente o Brasil estima perder entre US$ 1,2 bilhão e US$ 1,3 bilhão por ano com a política de subsídios indianos que resulta em enorme excesso de oferta.

 

A Índia estabeleceu plano de exportação de 5 milhões de toneladas em 2018/19, e fornece subsídios que estão vinculados a desempenho exportador – algo que atropela também as regras da OMC.

 

A Índia tem até 19 de março para responder à petição brasileira. A primeira audiência diante dos panelistas na OMC deve ocorrer no dia 12 de maio.

 

Enquanto isso, nesta semana os governos do Brasil e da Índia vão assinar um memorando de entendimento pelo qual se comprometem a intensificar a cooperação bilateral em bicombustíveis, para promover a produção e uso de etanol, biodiesel, bioquerosene e biogás, por exemplo.

 

Assim, ao mesmo tempo em que Brasília mostra o “braço forte”, com a queixa na OMC, também acena com a “mão amiga”, para ajudar os indianos a diversificar sua enorme produção, como diz Eduardo Leão de Souza, diretor-executivo da União da Industria de Cana de Açúcar (Unica).

 

Para o Brasil interessa criar condições para a formação de um mercado global de etanol. A comercialização internacional do produto hoje é de apenas 10% do que é produzido. E o objetivo é a “comoditização” do etanol a prazo.


Mais lidas


    A desestatização do Porto de Santos deve ser concluída até o fim de 2022, de acordo com o secretário nacional de Portos e Transportes Aquaviários no Ministério da Infraestrutura, Diogo Piloni, durante o III Congresso de Direito Marítimo e Portuário. De acordo com ele, a consulta pública deve ser aberta até o fim […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Por causa da curvatura da Terra, a distância na qual um navio pode ser visto no horizonte depende da altura do observador.   Para um observador no chão com o nível dos olhos em h = 7 pés (2 m), o horizonte está a uma distância de 5,5 km (3 milhas), cada milha marítima igual a 1.852 […]

Leia Mais