SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   Tarifa menor do Canal do Panamá poderia gerar grande economia aos navios destinados à China

Tarifa menor do Canal do Panamá poderia gerar grande economia aos navios destinados à China


Fonte: Portos e Navios (16 de dezembro de 2019 )
Foto: Murilo Barbosa

As possibilidades de ganhos e as perspectivas da ampliação da utilização do Canal do Panamá pelo Brasil, principalmente pelos navios graneleiros, foi o mote da ida do diretor-presidente da ATP (Associação de Terminais Portuários privados), Murillo Barbosa, à conferência internacional Brazil Global Connection, no Panamá. O evento foi realizado na capital panamenha no dia 11 de dezembro, no Centro de Convenções Atlapa, e contou com a presença de representantes dos setores logístico e portuário.

 

Segundo estimativa da ATP, a economia da rota pelo Canal do Panamá é de quatro dias e 13h, saindo da região do Arco-Norte brasileiro e indo para a China. O que equivale a uma redução de US$ 129.356,11 no custo do frete, levando em consideração diminuição nos custos com o navio e com a gasolina. Atualmente, as altas taxas cobradas pelo Canal do Panamá inviabilizam seu uso, deixando a viagem pelo cabo da Boa Esperança US$ 160 mil mais barata por navio.

 

“A movimentação portuária de milho e soja na região do Arco Norte brasileiro tem crescido bastante nos últimos anos, com mais de 27 milhões de toneladas movimentadas para a exportação em 2018. Podemos potencializar ainda mais esse número utilizando o Canal do Panamá como rota para exportações destinadas à China. O caminho diminuiria em quase cinco dias a viagem, gerando uma economia extremamente significativa”, afirma Barbosa.

 

Atualmente, os navios graneleiros viajam grandes distancias em direção à China, principal mercado consumidor, passando pelo Cabo da Boa Esperança. Esse é um trajeto mais demorado e demanda maior consumo de combustível quando comparado com a passagem pelo Canal do Panamá. Porém, a segunda alternativa não é praticada hoje no caso das commodities agrícolas, que têm baixo valor agregado, em razão das altas tarifas cobradas para uso do canal.

 

Para o presidente da ATP, a utilização do Canal do Panamá e a maior exploração dos portos do Arco Norte do país diminuiria significativamente o custo dos produtos brasileiros. “Esta é uma questão importante não apenas para o Brasil, mas para o mundo, que precisa, cada vez mais, de alimentos para uma população que não para de crescer. Por isso, trabalhamos no sentido de desenvolver um acordo tarifário entre as autoridades panamenhas e representantes do agronegócio brasileiro”, afirma.

 

Afora as contribuições do presidente da ATP, que participou do encontro como mediador do painel sobre Sinergia entre Portos, a programação contou com outros dois painéis que discutirão questões relacionadas à logística, importação e exportação. Além disso, outras duas exposições apresentarão o tema Sinergia Brasil, Panamá e China e as potencialidades das regiões brasileiras.


Mais lidas


Os dados divulgados pela Autoridade Portuária de Santos (APS), em seu balanço operacional de março, apontam um recorde histórico na movimentação de cargas. Foram mais de 15,16 milhões de toneladas que passaram pelos terminais do Porto de Santos, um crescimento de 10,4% comparado com a marca histórica anterior, conquistada em agosto de 2020.   O […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais