SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   Fim do ICMS sobre bunker depende do governo negociar com estados, cobra Kátia Abreu

Fim do ICMS sobre bunker depende do governo negociar com estados, cobra Kátia Abreu


Fonte: Portos e Notícias (11 de dezembro de 2019 )

A senadora Kátia Abreu (PDT-TO) disse, na última segunda-feira (9), que o programa de incentivo à cabotagem (BR do Mar) não será viabilizado se o governo não negociar com os estados a questão da cobrança do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre o combustível marítimo. O foco, segundo a parlamentar, são os estados de São Paulo e Rio de Janeiro, apontados como destinos da maior parte da cabotagem no Brasil. A redução do bunker é tratada como uma das principais propostas dentro do BR do Mar. Empresas de cabotagem argumentam há anos que a Lei 9432/1997 já prevê que o combustível para longo curso deve ter o mesmo preço do cobrado da cabotagem. Na prática, porém, os preços são mais altos para cabotagem devido à incidência do ICMS para o modal.

 

De acordo com dados da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), os principais destinos das cargas de cabotagem no Brasil em 2018 foram, respectivamente, os estados de São Paulo e Rio de Janeiro, Maranhão, Bahia, Santa Catarina, Pernambuco, Ceará, Rio Grande do Sul, Espírito Santo, Amazonas, Pará e Paranaguá. “Se conseguirmos negociar com cinco estados e, na melhor hipóteses, 10, a questão do combustível estará resolvida”, afirmou a parlamentar durante painel no seminário “A Cabotagem brasileira para o usuário”, no Rio de Janeiro.

 

Durante o seminário, o subsecretário de receita da secretaria de fazenda do Rio de Janeiro (Sefaz-RJ), Thompson Lemos, revelou que ainda não existem negociações do governo federal com governo do Rio sobre a desoneração do ICMS sobre o bunker. “Se o governo federal quer tratar com estados sobre qualquer tipo de desoneração de ICMS incidente sobre bunker deverão ser tratadas no fórum adequado que é o Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária)”, avaliou. Thompson explicou que, no caso do Rio de Janeiro, o regime de recuperação fiscal (Lei complementar 159/2017) veda a concessão de qualquer benefício por parte do estado, a não ser através do Confaz.

 

O estado, único ente da federação com esse caráter especial, correria o risco de sair do regime de recuperação fiscal se concedesse qualquer benefício sem esse aval. Thompson disse ainda que o estado terá maior dificuldade para equilibrar suas contas se renunciar a seus tributos. “Temos razões de natureza de responsabilidade fiscal para que qualquer decisão nesse sentido seja tomada com o máximo cuidado, inclusive na avaliação dos efeitos sobre as contas do estado”, salientou.

 

O advogado Thiago Severine, do escritório Vieira Rezende Advogados, acrescentou que o impacto arrecadatório sobre os estados é evidente e que qualquer discussão no Confaz sobre a matéria vai envolver compensações pelo governo federal. Reportagem do Estadão afirmou que o governo federal apelou ao governador de São Paulo, João Doria (PSDB), para tirar o BR do Mar do papel. Para isso, São Paulo precisaria concordar em reduzir a zero a alíquota do ICMS do combustível no bunker, que atualmente é de 12%.

 

“Não é uma questão só de negociação e de formato, é uma questão financeira mais que tudo. Os estados nem terão interesse em iniciar conversa se esses termos não contemplarem algum tipo de acordo com governo federal”, acredita Severine. Em relação a outras discussões recentes que o advogado acompanha no Confaz tratadas para outros setores, ele observa que existe uma desconfiança histórica dos estados com mecanismos de compensação do governo federal, que cria fundos de compensação e muitas vezes esses acordos não são cumpridos ou são cumpridos parcialmente, ficando uma conta a receber por parte dos estados e a questão não se resolver.


Mais lidas


Os dados divulgados pela Autoridade Portuária de Santos (APS), em seu balanço operacional de março, apontam um recorde histórico na movimentação de cargas. Foram mais de 15,16 milhões de toneladas que passaram pelos terminais do Porto de Santos, um crescimento de 10,4% comparado com a marca histórica anterior, conquistada em agosto de 2020.   O […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais