SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   Abertura da China afeta exportações de carne para o Egito

Abertura da China afeta exportações de carne para o Egito


Fonte: ANBA (11 de dezembro de 2019 )
Camardelli, sobre China e Egito: questão de oferta e procura – Foto: Bruna Garcia/ANBA

São Paulo – O Egito continua sendo o terceiro maior mercado da carne bovina brasileira, apesar de ter apresentado uma queda nos últimos meses, em parte devida à habilitação de novos frigoríficos para exportar à China, conforme informou o presidente da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec), Antônio Camardelli, em coletiva de imprensa nesta terça-feira (10). O país perde apenas para a China e Hong Kong como importador do Brasil.

 

No acumulado de janeiro a novembro, as exportações para o país árabe caíram 3,39% em faturamento e 3,68% em volume, alcançando US$ 463,8 milhões e 158,56 mil toneladas. Novembro registrou a maior queda do ano. Foram vendidas apenas 4.957 toneladas a US$ 14,753 milhões, enquanto em novembro de 2018 foram 18.501 toneladas.

 

“A exportação mensal de 2019 para o Egito caiu bastante porque é um país de preço de volume, de produtos de preço médio-baixo. Como a carne aumentou muito nesses últimos meses, a gente tem sentido uma certa dificuldade, aí entra a possibilidade de uma reposição com carne da Índia pelo preço”, afirmou Camardelli.

 

Liège Nogueira, diretora executiva da Abiec, disse à ANBA que a China afetou as exportações para o Egito porque ambos compram o mesmo produto de carne bovina brasileira, as carnes culinárias e de ingredientes, de menor preço. “A única diferença é que a China tem essa exigência do gado até 30 meses de idade, e os outros países, no caso o Egito, é liberada essa questão, então você tem animais que não vão pra China indo para esses mercados. A China exige animais mais jovens”, explicou.

 

Segundo Camardelli, a China influencia a queda das exportações para o Egito e outros mercados. “Essa é uma questão de oferta e procura, se você tem uma demanda maior por um preço estável e uma operação comercial de sucesso, todo o ciclo de produção rentável, até hoje a gente não tem notícia de falha de pagamento”, falou o executivo sobre a China.

 

Ele explicou que para a indústria é mais rentável vender em maior escala, por isso a China acaba tomando o mercado de outros países. “Às vezes tem produtos que são extremamente mais operacionais, por exemplo, o Egito e alguns outros países que têm um consumo maior de produtos mais baratos, é normal que te obrigue a trabalhar fazendo pacotinho de um quilo. E aí você vai para uma desossa e coloca uma equipe para fazer os pacotes, então [com a China] tudo vai te levando para um processo mais dinâmico”, informou.

 

“Uma outra linha que temos trabalhado com alguns países é o fornecimento para as forças armadas, estamos trabalhando com o Egito, recentemente tivemos uma oferta de licitação do Marrocos, mercado é mercado”, disse.

 

Emirados Árabes

No acumulado de janeiro a novembro, as exportações aos Emirados Árabes cresceram 135,11% em faturamento e 155,23% em volume, fechando em US$ 246,2 milhões e 67,9 mil toneladas, apesar de ter registrado queda nas exportações nos últimos três meses. O país árabe é o sexto maior mercado para a carne bovina brasileira.

 

“Em relação aos Emirados Árabes, ele sempre comprou a mesma coisa, essa variação positiva é por conta do que a gente está mandando para lá que também vai de caminhão para o Irã. Arábia Saudita, Jordânia e Turquia, leia-se que um grande percentual vai para o Irã. No caso dos Emirados, como Dubai é porto livre, você tem essa facilidade, manda para outros países como o Iraque, por exemplo”, disse o executivo.

 

Arábia Saudita

A Arábia Saudita é o nono maior comprador de carne bovina do Brasil, e de janeiro a novembro foram exportadas 38.132 toneladas ao país árabe, com faturamento de US$ 128,29 milhões, queda de 30,6% em receita e 0,89% em volume.

 

A queda nas exportações para a Arábia Saudita se deve, segundo Camardelli, a algumas mudanças burocráticas. “Nós passamos por um período de algumas dificuldades por conta da mudança de processo da gestão deles, nos obrigamos a providenciar garantias de análises técnicas diferentes e também por conta de algumas modificações no processo de certificação. É um país extremamente interessante porque ele é um grande consumidor de cortes da roda, coxão mole, coxão duro, patinho, e isso dá um equilíbrio na cesta que tu vendes”, declarou.

 

Bloco árabe

Se considerado como um bloco, os 22 países árabes assumem a segunda posição no ranking de países compradores da carne bovina, na frente de Hong Kong. De janeiro a novembro, os árabes compraram US$ 1,1 bilhão em produtos de carne do Brasil, o equivalente a 337,34 mil toneladas, um crescimento de 9,3% em relação aos 11 primeiros meses de 2018, segundo dados da Inteligência de Mercado da Câmara de Comércio Árabe Brasileira. A China comprou US$ 2,17 bilhões no período.

 

Geral

As exportações brasileiras de carne bovina devem fechar o ano com recorde de US$ 7,5 bilhões de janeiro a dezembro, um crescimento de 13,3%. Em volume, a estimativa de alta é de 11,3% em relação ao ano de 2018, com 1,83 milhão de toneladas.

 

De janeiro a novembro, o acumulado foi de 1,673 milhão de toneladas, crescimento de 12,3% em relação aos 11 meses de 2018. Em receita, a alta foi de 12,6%, somando US$ 6,748 bilhões.

 

No mês de novembro, as exportações totalizaram 179.948 toneladas, volume 13,8% maior que no mesmo mês de 2018, enquanto o faturamento cresceu 36,7%, fechando com US$ 847,54 milhões.

 

“O Brasil hoje é o único dos players fortes que pode suprir volume, preço médio, qualidade, mas a gente tem todo um espaço para suprir essa demanda de preços muito mais rentáveis que é a carne gourmet”, disse Camardelli.

 

A previsão é que este ano as exportações fechem em 25% da produção total brasileira, porcentagem inédita para o País, que geralmente exporta entre 20% e 22% do total produzido.

 

Para o ano que vem, Camardelli afirmou que os preços devem se estabilizar e encontrar um ponto de equilíbrio para o mercado interno e externo. “Não vai ficar no preço desse soluço de novembro e dezembro, mas não vai voltar para os patamares de janeiro e fevereiro”, explicou.

 

A perspectiva para 2020 é de um crescimento estável de 15% no faturamento, com receita de US$ 8,5 bilhões, e de 13% no volume, ultrapassando 2 milhões de toneladas, puxados pela possível habilitação de novas plantas para a China e a abertura de novos mercados, como a Indonésia, além da manutenção dos mercados atuais.


Mais lidas


Os dados divulgados pela Autoridade Portuária de Santos (APS), em seu balanço operacional de março, apontam um recorde histórico na movimentação de cargas. Foram mais de 15,16 milhões de toneladas que passaram pelos terminais do Porto de Santos, um crescimento de 10,4% comparado com a marca histórica anterior, conquistada em agosto de 2020.   O […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais