SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   Especialistas defendem foco em agência de proteção de dados e criticam possível adiamento da LGPD

Especialistas defendem foco em agência de proteção de dados e criticam possível adiamento da LGPD


Fonte: Valor Econômico (28 de novembro de 2019 )

Adiar a vigência da Lei de Proteção de Dados (LGPD) de 2020 para 2022 não é uma discussão relevante para o momento e o foco deveria ser, na verdade, a criação da Agência Nacional de Proteção de Dados (ANPD), órgão que será responsável por colocar a LGPD em prática, segundo diversos especialistas do setor.

 

“A prorrogação é uma falsa polêmica. A questão é nomear os dirigentes da agência, é nisso que tem que focar”, disse Andriei Gutierrez, diretor de assuntos regulatórios da IBM. A lei que cria a ANPD foi sancionada no começo de julho pelo presidente Jair Bolsonaro, mas ainda faltam ser publicada a regulamentação de sua atuação e a indicação de quem atuará nela.

 

“A ANPD ser criada em 2020 já está dois anos atrasada. Ela já deveria ter dado diversas respostas à sociedade [em relação ao processo de adequação e da aplicação da lei]”, disse Patrícia Peck Garrido Pinheiro, sócia do PG Advogados, durante seminário sobre a LGPD realizado pelo Valor ontem em São Paulo.

 

De acordo com a advogada, enquanto alguns aspectos não são definidos, o trabalho que tem sido feito de adequação das empresas é buscar referências no que está sendo feito fora do país.

 

“É um exercício de adivinhação [fazer o processo sem as definições da agência]”, disse Gileno Barreto, diretor jurídico do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro). Larissa Escobar, gerente sênior de consultoria da PwC disse que a companhia tem, em andamento e concluídos, 100 projetos de adequação à LGPD. “Não é responsabilidade de só uma área. Só dá para garantir a conformidade se for algo construído entre diversas áreas”, disse.

 

De acordo com Yanis Cardoso Stoyannis, gerente de consultoria e inovação em segurança digital da Embratel, uma alternativa para as companhias é contratar serviços de segurança gerenciadas de empresas de serviços de tecnologia. “A agilidade para detectar um problema pode reduzir pela metade o impacto de um vazamento”, disse. Felipe Palhares, sócio do Palhares Advogados, ressaltou a necessidade de investimento em treinamentos. “Não adianta ter políticas que ninguém conhece e ficar suscetível ao erro humano”, disse.

 

Patrícia disse acreditar que após a implantação da ANPD, a contestação a suas decisões será alta: na casa dos 30%. Um percentual bastante elevado na comparação com a Europa, que em maio do ano passado colocou em prática a GDPR, lei de proteção de dados na qual a LGPD se baseou. Por lá, a judicialização é de 1%. “O país não está pronto [para esse volume tão grande]”, disse.

 

A especialista citou o exemplo de países como Portugal, que optaram por fazer um período de educação do mercado antes de pesar a mão na fiscalização e na aplicação de multas. A LGPD prevê sanções que pode chegar a R$ 50 milhões ou 2% da receita da companhia por infração. Na avaliação de Ademir Antonio Pereira Junior, do escritório José Del Chiaro, a ANPD terá que estabelecer diálogo com outros órgãos para criar respeito e se consolidar como a responsável, evitando “concorrência” com outras autarquias – algo parecido com o que o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) fez a partir dos anos 1990.

 

A proposta de adiamento da vigência da LGPD foi feita pelo deputado Carlos Bezerra (MDB-MT) sob a justificativa de que as empresas brasileiras ainda não estão e não estarão adequadas a ela a tempo. Estimativas têm falado em um índice de 15% a 30% de compatibilidade até agosto do ano que vem. “Que seja uma média, 18%. Estaremos muito bem porque na Europa foi 25% no começo”, disse Renato Opice Blum, advogado e professor do Insper. Na avaliação de Marcos Sêmola, sócio de cibersegurança da EY, um adiamento poderia ser ruim para o Brasil, afetando a confiança de investidores já que diversos países já têm regras de proteção de dados em vigor.


Mais lidas


Os dados divulgados pela Autoridade Portuária de Santos (APS), em seu balanço operacional de março, apontam um recorde histórico na movimentação de cargas. Foram mais de 15,16 milhões de toneladas que passaram pelos terminais do Porto de Santos, um crescimento de 10,4% comparado com a marca histórica anterior, conquistada em agosto de 2020.   O […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais