SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   Carnes elevam previsão do IPCA, mas índice segue abaixo da meta

Carnes elevam previsão do IPCA, mas índice segue abaixo da meta


Fonte: Valor Econômico (26 de novembro de 2019 )
Fabio Romão: alta apenas deixou taxas mais próximas da sazonalidade — Foto: Silvia Costanti/Valor

Num quadro tranquilo para os preços, um choque de oferta já previsto superou expectativas e vai deixar a inflação um pouco mais salgada no fim do ano, e também ao longo de 2020, mas ainda abaixo das metas perseguidas pelo Banco Central (BC). O impacto da peste suína na China sobre a cadeia de proteínas bateu com força nas cotações ao produtor e deve acrescentar de 0,2 a 0,3 ponto ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em novembro e dezembro, estimam economistas.

 

Nos 12 meses acumulados até outubro, os suínos já acumulam alta de 32,8% no Índice Preços ao Produtor Amplo – DI (IPA-DI), da Fundação Getulio Vargas (FGV), taxa que deve chegar a 37,5% em dezembro nas estimativas de Fabio Romão, da LCA Consultores. Os bovinos e aves também devem alcançar taxa de dois dígitos ao fim do ano, com avanço de 20,7% e 13%, respectivamente, calcula Romão. No IPCA, esses preços têm peso de 6,7%, ou 27% do grupo alimentação e bebidas.

 

Com essa trajetória no radar, bancos e consultorias estão elevando projeções para o índice oficial de inflação em 2019. Divulgado ontem pelo Banco Central, o boletim Focus mostrou que o consenso de mercado para a alta do IPCA no ano avançou de 3,33% para 3,46% entre a semana passada e a atual. A meta deste ano é de 4,25% e a do próximo, de 4%.

 

 

Nesse cenário, Cristiano Oliveira, economista-chefe do Banco Fibra, ajustou sua estimativa para o período de 3,46% para 3,75%. Oliveira calcula que o potencial inflacionário do choque de proteínas pode ultrapassar 50% ao produtor nos próximos dois meses, considerando o diferencial entre o preço atualmente praticado no atacado brasileiro e o preço pago aos exportadores pelo mercado internacional. “Parcela desta pressão inflacionária deve aparecer no varejo também, elevando a inflação ao consumidor”, diz ele.

 

Segundo a equipe econômica do Bradesco, os núcleos de inflação, que tentam diminuir ou expurgar o efeito de itens voláteis sobre o IPCA, seguem baixos, mas há riscos de oferta relevantes no setor pecuário. O banco destaca que, no IGP-10 de novembro, a alta de proteínas superou 5%. “Essa elevação é resultado do desabastecimento chinês após caso de febre suína, mercado que o Brasil começou a acessar recentemente, após habilitação de frigoríficos”, explica o departamento econômico do banco.

 

Com a oferta de proteínas no país reduzida por conta da doença, a China praticamente dobrou as exportações de carnes bovinas do Brasil nos últimos meses, aponta o Bradesco, o que pressionou os preços domésticos antes do previsto. “ Em nossas estimativas, já consideramos alta de 11% na cadeia de pecuária para o consumidor final”, aponta o banco em relatório a clientes.

 

O efeito da peste suína ocorrida na China sobre os preços de carnes no mercado interno já era aguardado, mas havia dúvidas a respeito do timing do impacto, afirma Romão, da LCA. A maior parte da pressão sobre o varejo ainda vai ficar para o próximo ano, diz, mas as altas ocorridas no atacado desde agosto foram mais fortes do que o previsto e vão chegar ao varejo em novembro e dezembro. Nesta época, observa ele, os preços de carnes já ficam mais pressionados, devido às festas de fim de ano.

 

Por causa do choque de proteínas, a LCA revisou a estimativa para a alta do IPCA em novembro, de 0,35% para 0,40%. A projeção para o mês seguinte também foi ajustada para cima, de 0,37% para 0,48%. “Essa questão pontual das proteínas apenas deixou as taxas mais próximas da sazonalidade”, diz o economista. Ele elevou em 0,2 a ponto a projeção para o indicador oficial de inflação de 2019, para 3,5%. Em 2020, a alta deve ser bastante parecida, de 3,4%. “Não fosse esse choque, teríamos um IPCA mais próximo de 3% no ano que vem.”

 

Segundo Carlos Thadeu de Freitas Filho, economista-chefe da Ativa Investimentos, a repercussão da menor oferta de proteínas na China sobre os preços domésticos já estava na conta desde o fim do ano passado, mas não era previsto que a oferta doméstica ficaria tão baixa, o que acabou acontecendo em função das vendas externas. E isso ocorre numa época em que a demanda tradicionalmente fica mais aquecida, com estímulos como o 13º salário e, neste ano, os saques das contas do FGTS.

 

O dólar alto representa outra pressão sobre os preços na cadeia de proteínas, acrescenta Freitas, que já trabalha com avanço de 3,7% para o IPCA em 2019. “O câmbio depreciado não ajuda nada. Para tentar estimular os produtores a não exportarem, é preciso oferecer um preço maior”, diz o economista.

 

No primeiro trimestre do próximo ano, o embate entre consumo doméstico e demanda externa vai ditar quanto os preços vão ceder após a alta no fim de 2019, avalia Freitas. O início de ano costuma ser recessivo para o consumo, observa ele, período em que incidem pagamentos de impostos, reajustes de mensalidades escolares e outros gastos extras. “Se a redução do consumo de proteínas for forte neste momento, os preços podem cair um pouco, mas, se a China absorver toda essa queda, os preços não vão mudar quase nada.”

 

Romão, da LCA, estima que as proteínas vão subir 7,1% neste ano no IPCA – estão com alta de 2,3% nos 12 meses até outubro – devem ter um pico de 10,5% em agosto do próximo o ano e, a partir de então, vão começar a perder fôlego, fechando 2020 com aumento de 6,85%. “Há uma defasagem no repasse do atacado para o varejo, e também esperamos que haja uma substituição parcial de suínos pela carne de aves, que têm ciclo mais curto”, explica ele.

 

Para os economistas ouvidos, o choque de oferta é temporário e, por isso, não representa risco à trajetória de queda dos juros, que vão continuar sendo cortados pelo Banco Central no próximo ano.


Mais lidas


Os dados divulgados pela Autoridade Portuária de Santos (APS), em seu balanço operacional de março, apontam um recorde histórico na movimentação de cargas. Foram mais de 15,16 milhões de toneladas que passaram pelos terminais do Porto de Santos, um crescimento de 10,4% comparado com a marca histórica anterior, conquistada em agosto de 2020.   O […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais