SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   Governo deverá manter controle sobre estoques de empresas

Governo deverá manter controle sobre estoques de empresas


Fonte: Valor Econômico (11 de novembro de 2019 )

As empresas devem continuar a enviar à Receita Federal, em tempo real, dados detalhados sobre as movimentações de insumos em estoque por meio do Bloco K — obrigação acessória que deve ser cumprida por todas as indústrias. Apesar de a Lei da Liberdade Econômica (nº 13.874) prever a simplificação tanto do eSocial quanto do Bloco K, o órgão alerta que continuará cobrando as informações.

 

O Ministério da Economia, por sua vez, informou que “não há na pauta do Conselho Nacional de Política Fazendária proposta de alteração do Bloco K”. A indefinição preocupa as empresas, que já investiram bilhões de reais, segundo pesquisa da Federação da Indústria do Estado de São Paulo (Fiesp), que critica a obrigação acessória.

 

No levantamento, a entidade calcula que as indústrias já investiram cerca de R$ 4,5 bilhões para a implementação do Bloco K. E o valor extra que ainda será despendido chega a R$ 5 bilhões. Além disso, estima que terão um custo anual de R$ 3,5 bilhões para a manutenção do sistema, se permanecer como está. O cálculo foi feito com base nos valores informados por 206 empresas.

 

A simplificação do eSocial, que é a escrituração digital de obrigações previdenciárias, trabalhistas e fiscais dos empregadores, está estabelecida no artigo 16 da Lei da Liberdade Econômica. Já o parágrafo único do dispositivo diz que também aplica-se o disposto “às obrigações acessórias à versão digital gerenciadas pela Receita Federal do Brasil do Livro de Controle de Produção e Estoque da Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil (Bloco K)”.

 

Para a advogada Luciana Aguiar, sócia do Bocater Advogados, a lei indica que deverá ser criada uma obrigação nova, mais simples, para eliminar a atual. “Mas acho temerário deixar de cumprir o Bloco K sem que nenhum ato tenha extinguido a obrigação”, afirma. “Além disso, o não cumprimento pode levar à aplicação de multa pela não entrega de obrigação acessória”, acrescenta.

 

De acordo com a Lei nº 12.873, de 2013, a multa para entrega fora do prazo vai de R$ 500 a R$ 1,5 mil ao mês. Para dados inexatos, incompletos ou omitidos, é de 3% sobre o valor da transação.

 

A obrigatoriedade do Bloco K foi escalonada e começou em 2017 com as empresas de maior porte. Antonio Francisco Peroni, superintendente da Seteco Consultoria Contábil, lembra que as empresas com faturamento abaixo de R$ 300 milhões, as últimas da lista, também já começaram a entregar mensalmente o registro do saldo do estoque. “O mais complicado será exigido em 2021, como o material consumido na produção e a ficha técnica dos produtos, o que varia muito em relação a cada modelo”, diz.

 

Segundo Peroni, por essa outra parte ser muito detalhada há mais chance de erro no preenchimento do Bloco K, o que pode ser provocado pela mudança de um componente por outro, até para reduzir custo ou otimizar a produção. “Pela Lei da Liberdade Econômica frisaram que vão mexer no Bloco K. Esperamos muito pela simplificação”, afirma.

 

Mais do que simplificar, algumas empresas querem o fim do Bloco K. Projeto de lei (PL) neste sentido tramita na Câmara dos Deputados. O PL nº 485, de 2019, foi apresentado pelo deputado Alexis Fonteyne (Novo- SP).

 

Embora as empresas esperem por mudanças, a pesquisa da Fiesp mostra que 78,6% já iniciaram a implementação da exigência. “Haveria ainda a necessidade de se gastar muito mais para implementação, além do custo anual para manutenção de quase R$ 100 mil por ano”, diz Sylvio Gomide, diretor do Departamento da Micro, Pequena e Média Indústria da Fiesp. “E o Bloco K entra em um nível de detalhes que arrisca revelar segredos industriais.”


Mais lidas


Os dados divulgados pela Autoridade Portuária de Santos (APS), em seu balanço operacional de março, apontam um recorde histórico na movimentação de cargas. Foram mais de 15,16 milhões de toneladas que passaram pelos terminais do Porto de Santos, um crescimento de 10,4% comparado com a marca histórica anterior, conquistada em agosto de 2020.   O […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais