SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   Destaque Eldorado – Saída é vender para a China

Destaque Eldorado – Saída é vender para a China


Fonte: Estadão (1 de novembro de 2019 )
Produção da Eldorado é feita a partir de 230 mil hectares de florestas plantadas

A indústria de papel e celulose ainda sofre os efeitos de uma economia que parece andar de lado. Se o setor de árvores cultivadas para fins industriais viu sua demanda aumentar, o mercado interno não ajuda esse segmento da economia nacional, em que se destacaram no Estadão Empresas Mais deste ano a Eldorado Brasil, a Cenibra e a Klabin.

 

Segundo a Indústria Brasileira de Árvores (Ibá), todo o segmento, que inclui pisos e painéis de madeira, papel, celulose solúvel, celulose, madeira serrada e carvão vegetal, cresceu 13,1% em relação a 2017, gerando uma receita de R$ 86,6 bilhões. “Comparando com grandes setores, como a indústria e a agropecuária, o segmento de árvores cultivadas para fins industriais cresceu muito mais”, diz Paulo Hartung, presidente da Ibá. No caso do papel, diz o executivo, a ainda tímida recuperação da economia não é suficiente para aquecer o consumo a ponto de provocar o crescimento da demanda.

 

“O papel-cartão, que é utilizado principalmente para embalagens, e o tissue, basicamente destinado para higiene pessoal, têm demonstrado crescimento, mas ainda sem escala para alterar o resultado do setor”, explica. Hoje, todo o segmento da Indústria de Árvores tem uma participação de 1,3% do PIB e 6,9% do PIB industrial.

 

Conforme a entidade, a celulose teve recorde de produção em 2018, com 21,1 milhões de toneladas fabricadas. Desse total, 14,7 milhões de toneladas foram destinadas para exportação, totalizando US$ 8,4 bilhões. Principal destino foi a China, responsável pela aquisição de mais de 40% de toda a produção.

 

Se no mercado interno as coisas não estão muito animadoras, a exportação tem sido a saída para escoar a produção nacional de papel e celulose. Um exemplo que chama a atenção é o continente africano, que apresentou uma alta de 51,9% nas exportações brasileiras, o que gerou uma receita de US$ 41 milhões no primeiro semestre deste ano. Contudo, a China é o principal destino da celulose nacional, adquirindo US$ 1,9 bilhão do produto, uma alta de 8,2% no primeiro semestre, demonstrando que esse mercado segue firme, comenta Hartung. O presidente da Ibá informa que os chineses passaram a liderar o ranking de países que mais compram a celulose nacional em 2016 e, desde então, vêm aumentando as aquisições.

 

Em 2018, o Brasil faturou US$ 3,5 bilhões com a exportação dos produtos para os chineses, aumento de 37,7% em relação ao ano anterior. No primeiro semestre de 2019, foram comercializados US$ 1,9 bilhão com os asiáticos. “A expectativa é de que as exportações continuem evoluindo, porque a demanda continua aquecida”, comenta Hartung.

 

Segundo ele, o mercado aponta para um aumento na demanda de embalagem com papel-cartão. “Podemos apontar a origem sustentável como um dos atributos que têm elevado a utilização do material, além de ser reciclável e, em muitos casos, biodegradável. O papel-cartão, inclusive, contribui para a agenda do clima, com a qual o Brasil tem compromissos a cumprir, como no Acordo de Paris”, afirma o presidente da Ibá.

 

Sustentabilidade é uma obsessão

Investimento em inovação envolve câmera que monitora o fogo e algoritmo antierosão

 

A exportações de papel e celulose têm alavancado a mais bem ranqueada empresa do ranking Estadão Empresas Mais, a Eldorado Brasil. Segundo Rodrigo Libaber, diretor comercial e de Logística e Relações com Investidores, 2017 e 2018 foram marcados por uma demanda crescente de papel e celulose no mundo. Muito desse processo foi fortemente influenciado por fechamentos de fábricas com capacidades obsoletas, poluentes e não competitivas na China.

 

“Esses fatores combinados, dentro de um ambiente econômico de crescimento sólido na Ásia e na América, além de um crescimento moderado na zona do euro, permitiram que a demanda por papel e celulose superasse de longe a oferta, fazendo com que os preços disparassem desde fins de 2016 até fins de 2018”, diz o diretor da Eldorado Brasil.

Segundo Libaber, 2019 tem sido um ano de ajustes para a indústria nacional, uma vez que os principais mercados consumidores, Ásia e Europa, estão passando por desafios macroeconômicos, inibindo o crescimento de demanda por papel e celulose. “Naturalmente o balanço entre oferta e demanda sai do equilíbrio e os estoques aumentam na cadeia, pressionando os preços como um todo”.

 

De acordo com Libaber, o continente africano tem apresentado crescimento na compra de produtos, mas ainda sobre uma base muito pequena. “Nossa estratégia envolve focar em mercados desenvolvidos e/ou de crescimento acelerado, mas o grande vetor de crescimento continuará sendo a Ásia. Aproximadamente metade das vendas da Eldorado Brasil é para o mercado asiático”, explica o diretor.

 

Segundo Libaber, o setor florestal brasileiro tem um modelo de produção baseado na exploração de florestas plantadas e na preservação de florestas nativas. “Na Eldorado, por exemplo, temos 230 mil hectares de florestas plantadas 100% certificadas para a produção e preservamos outros 104 mil hectares. A sustentabilidade é mais do que uma estratégia, é uma obsessão para nós. Não há outro jeito de produzir”, afirma.

 

Para ele, é papel das empresas fazer com que o mundo conheça mais esse modelo único que temos no Brasil. “Nossas condições e nossa tecnologia nos permitem ter alta produtividade sem explorar áreas desmatadas nem florestas nativas, o que não é algo trivial de ser atingido. Creio que temos ainda uma grande oportunidade de contribuir para o debate mostrando ao mundo como a produção florestal brasileira é sustentável”, afirma.

 

“Nossa estratégia envolve focar em mercados desenvolvidos e em crescimento acelerado, mas o grande vetor de crescimento continuará sendo a Ásia” Rodrigo Libaber, Diretor comercial e de Logística e Relações com Investidores

 

Segundo o diretor da Eldorado Brasil, há ainda muito espaço para inovar no setor florestal e a Eldorado investe em inovação e capacitação de seus funcionários para melhorar continuamente seus processos. “Temos o Sistema Íris, que implantamos para combater incêndios florestais. Esse sistema é composto por 11 câmeras, instaladas em torres de 65 metros de altura, com alcance de 50 quilômetros cada. As torres também contam com estações meteorológicas que nos ajudam a prever o risco de incêndio”, relata.

 

Na sede da empresa, em Três Lagoas, explica Libaber, a central do sistema é monitorada constantemente por funcionários que acionam as brigadas de incêndio caso haja alguma suspeita de fogo.

 

“Com a instalação do Sistema Íris, conseguimos reduzir a área afetada por incêndios em 96%, de 642 hectares em 2016 para 28 hectares em 2018”, afirma. A Eldorado também desenvolveu um algoritmo próprio para definir o melhor layout para o plantio dos eucaliptos em suas áreas produtivas. A partir de fotos tiradas por drones, o software prevê como a água da chuva escoa no terreno e define o traçado do plantio de forma a evitar a erosão do terreno.

 

Para o presidente da Eldorado Brasil, Aguinaldo Gomes Ramos Filho, o prêmio dado ao grupo “é um reconhecimento pelo trabalho de mais de 4.000 funcionários e mostra que devemos continuar seguindo o caminho da excelência operacional, da inovação, da sustentabilidade e da valorização das pessoas”.


Mais lidas


Os dados divulgados pela Autoridade Portuária de Santos (APS), em seu balanço operacional de março, apontam um recorde histórico na movimentação de cargas. Foram mais de 15,16 milhões de toneladas que passaram pelos terminais do Porto de Santos, um crescimento de 10,4% comparado com a marca histórica anterior, conquistada em agosto de 2020.   O […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais