SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   Há 150 anos, o Porto crescia por decreto

Há 150 anos, o Porto crescia por decreto


Fonte: A Tribuna (14 de outubro de 2019 )
Especialistas afirmam que o texto foi fundamental para o desenvolvimento do setor portuário (Carlos Nogueira/ AT)

A participação da iniciativa privada nas operações do Porto de Santos é um dos principais temas de discussão no setor atualmente. Mas a pauta é mais antiga do que parece. Há exatos 150 anos, em 13 de outubro de 1869, sob o reinado de Dom Pedro II, era publicado o edital para a privatização do complexo santista por um prazo de 90 anos. Para especialistas, o texto, moderno para a época, foi fundamental para o desenvolvimento do setor portuário brasileiro.

 

O então ministro e secretário de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas do Império, Joaquim Antão Fernandes Leão, foi o responsável pelo processo, deflagrado com a publicação do Decreto nº 1.746.

 

O objetivo era a contratação da “construção, nos diferentes portos do Império, de docas e armazéns para carga, descarga, e guarda e conservação das mercadorias de importação e exportação”.

José Pinto de Oliveira, Cândido Gaffrée, Eduardo Palacin Guinle, João Gomes Ribeiro de Aguilar, Alfredo Camilo Valdetaro, Benedito Antônio da Silva e Barros e Braga & Cia. ganharam a concorrência para exploração do Porto e criaram a Companhia Docas de Santos (CDS).

 

Pouco tempo após a concessão, em 1892, foi concluída a construção de 260 metros de cais. Com isso, foi inaugurado o primeiro trecho de porto organizado do País, com a atracação do navio inglês Nasmith, em 2 de fevereiro daquele ano.

 

Segundo o presidente da Federação Nacional dos Operadores Portuários (Fenop), Sérgio Aquino, diversos outros países seguiram o mesmo caminho e permitiram a exploração e construção de portos mundo afora.

“A primeira coisa que isso demonstra é que o Brasil insiste em buscar um caminho para não dar certo. Inicia, abandona e desvirtua processos, além de não adotar as melhores práticas”, destacou o executivo. Ele se refere às mudanças impostas pela legislação brasileira, que a afastam investidores e criaram um ambiente de insegurança jurídica.

 

O consultor portuário Frederico Bussinger tem opinião semelhante. “Curiosamente, parece que retrocedemos em relação às (boas) experiências deixadas por D. Pedro II quando da implantação das primeiras ferrovias e portos, ainda no Século 19 (Decreto nº 641/1852 e Decreto nº 1.746/1869). Ou da Light, na primeira metade do Século 20, que explorava/geria bondes, energia, atividades imobiliárias; entre outras atividades”.

 

Regras

O edital previa, entre outras coisas, a aprovação do Governo Imperial das plantas e dos projetos de obras que os concessionários pretendiam executar. Os empresários também foram autorizados a calcular tarifas, que posteriormente foram aprovadas pelo governo.

“Será revista esta tarifa pelo Governo Imperial de cinco em cinco anos; mas, a redução geral das taxas só poderá ter lugar quando os lucros líquidos da empresa excederem a 12%”, dizia o texto.

 

Para Aquino, trechos como este mostram a modernidade do texto. “Ele é coerente com o que é correto nos dias de hoje. Quando se concede algo com conceito de público e não há concorrência, é importante que o poder público estabeleça parâmetros. A regulação é inversamente proporcional ao nível de concorrência. Nos dias de hoje, com uma quantidade imensa de terminais, o mercado se controla”.

 

Já o consultor portuário Fabrizio Pierdomenico aponta que o decreto, que permitiu a exploração e a construção do Porto de Santos, possibilitou a modernização das operações com uma remuneração justa, que era o percentual sobre a carga movimentada.

 

“Neste texto, há elementos regulatórios presentes até hoje na legislação, como a revisão de tarifas e a regulação dos lucros”, afirmou Pierdomenico.


Mais lidas


Os dados divulgados pela Autoridade Portuária de Santos (APS), em seu balanço operacional de março, apontam um recorde histórico na movimentação de cargas. Foram mais de 15,16 milhões de toneladas que passaram pelos terminais do Porto de Santos, um crescimento de 10,4% comparado com a marca histórica anterior, conquistada em agosto de 2020.   O […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais