SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   Certificado incentiva mulheres em conselho

Certificado incentiva mulheres em conselho


Fonte: Valor Econômico (14 de outubro de 2019 )
Foto: Getty Images

Dois estudos globais recentes indicam que no Brasil apenas 8% das posições em conselhos de administração são ocupadas por mulheres. Um deles, divulgado no dia 10 de outubro pelo Credit Suisse, aponta que o país fica muito atrás da média global – a representação feminina nos boards subiu de 15,3% em 2015 para 20,6% em 2019. O crescimento ocorreu em países que criaram políticas e cotas, como França, Noruega e Japão, mas também naqueles sem pressão regulatória nesse sentido, como Estados Unidos.

 

Neste último caso, os pesquisadores atribuíram o crescimento à maior aceitação de que o aumento da diversidade na alta liderança gera melhora na governança corporativa. É para difundir essa mentalidade – e motivar a presença maior de mulheres nos conselhos do Brasil sem depender de leis – que um grupo de oito executivas se reuniu e criou o selo WOB (Women on Board).

 

A iniciativa, que conta com o apoio da ONU Mulheres, vai reconhecer por meio de um certificado as empresas que possuem duas ou mais mulheres no conselho. Nesta contagem, não vale incluir as suplentes. “Nossa ideia é criar um reconhecimento objetivo para as organizações e estimular outras empresas a fazerem o mesmo para obter o selo”, afirma a executiva Carol Conay, diretora de assuntos regulatórios do Grupo UOL/PagSeguro, que lidera a iniciativa ao lado de Carolina Niemeyer, Christiane Aché e Patricia Marins.

 

O número de conselheiras não foi escolhido por acaso. “Alguns conselhos, infelizmente, possuem uma única mulher apenas para dizer que tem. Mas quando há voz de pelo menos duas, o impacto gerado na gestão é mais forte”, diz Carolina Niemeyer, diretora da Gryps Investimentos, citando estudos que correlacionam maior diversidade de gênero a um retorno sobre investimento (ROI) mais alto.

 

Entre as quinze primeiras certificadas, estão Natura, WWF, Einstein, Banco BMG e Copel. Todas se comprometeram a avisar a associação sem fins lucrativos por trás do WOB sobre a saída de alguma conselheira. Neste caso, teriam seis meses para se readequarem. Talvez assim, segundo Conay, aumente a probabilidades de existirem mais indicações, como também das mulheres permanecerem lá. “A grande barreira é que existe uma cultura de indicação e, muitas vezes, mesmo sem ser proposital um homem acaba indicando outro”.


Mais lidas


Os dados divulgados pela Autoridade Portuária de Santos (APS), em seu balanço operacional de março, apontam um recorde histórico na movimentação de cargas. Foram mais de 15,16 milhões de toneladas que passaram pelos terminais do Porto de Santos, um crescimento de 10,4% comparado com a marca histórica anterior, conquistada em agosto de 2020.   O […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais