SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   Asiáticas dominam leilão da ANP

Asiáticas dominam leilão da ANP


Fonte: Valor Econômico (11 de outubro de 2019 )

Depois de dois anos de leilões protagonizados ora pela Petrobras, ora pela ExxonMobil, a 16ª Rodada de concessões de blocos de exploração de óleo e gás foi dominada, ontem, pelas asiáticas Petronas, da Malásia, e QPI, do Catar. Essas foram as empresas que mais investiram na aquisição de ativos na licitação: R$ 3,72 bilhões, no total. O valor equivale a 43% da arrecadação da rodada, de R$ 8,915 bilhões – valor nominal recorde para um leilão sob regime de concessão.

 

 

A Petronas foi o principal destaque do leilão. A empresa malaia foi a companhia que mais tirou o dinheiro do bolso. Pagou R$ 1,945 bilhão por três blocos na Bacia de Campos, sendo dois deles como operadora, e marcou sua estreia na atividade de exploração de óleo e gás, no Brasil.

 

A investida na 16ª Rodada é mais uma etapa do movimento recente de entrada da Petronas no Brasil. A empresa flerta há anos com o país e decidiu fazer, neste ano, as suas primeiras aquisições locais, dando uma guinada rumo à Bacia de Campos.

 

Em abril, a companhia fechou um acordo com a Petrobras para comprar, por US$ 1,29 bilhão, 50% dos campos de Tartaruga Verde e Módulo III de Espadarte. Os ativos produzem atualmente cerca de 120 mil barris/dia. O negócio ainda não foi concluído.

 

A Petronas é uma das maiores petroleiras do mundo, com uma produção de 2,3 milhões de barris diários de óleo equivalente em 2018 – um pouco abaixo dos volumes produzidos pela Petrobras (de 2,6 milhões de boe/dia). A empresa vinha mapeando oportunidades de negócios nos leilões da ANP desde 2017.

 

Em 2013, a companhia chegou a fechar um acordo com a OGX para comprar 40% do campo de Tubarão Martelo, na Bacia de Campos, mas desistiu da operação depois que a antiga petroleira do empresário Eike Batista entrou em recuperação judicial.

 

Até então ausente da exploração e produção do Brasil, a petroleira malaia passa a deter, a partir de agora, um ativo de produção e um portfólio de blocos exploratórios no país. Para o chefe de pesquisa na área de exploração e produção da Wood Mackenzie na América Latina, Marcelo de Assis, a investida da Petronas, no Brasil, faz sentido, dentro de sua estratégia global de diversificação de portfólio. Ele destaca, ainda, que a 16ª Rodada marca a estreia da empresa como operadora de ativos de exploração no Brasil.

 

“As reservas da Malásia estão em declínio nos últimos anos e a Petronas está buscando repor suas reservas”, comentou Assis.

 

A empresa adquiriu, no leilão, 100% dos blocos C-M-661 (pelo qual pagou R$ 1,115 bilhão) e C-M-715. A companhia também entrou como sócia minoritária da Total, com 20% de participação, na concessão C-M-541, a área mais valiosa da rodada, que teve um bônus de R$ 4,029 bilhões, o valor mais alto pago até hoje por um bloco em leilão sob o regime de concessão.

 

O sócio da área de energias e recursos naturais da KPMG, Anderson Dutra, disse que a Petronas surpreendeu, ao entrar sozinha em dois ativos. Ele acredita que a companhia, em breve, buscará sócios no mercado, com quem dividir seus investimentos futuros.

 

“Acredito que em breve ela fará uma venda de parte de seus ativos. É possível que seja alguém que não esteja no Brasil, que ela esteja preparando o tapete para alguém”, afirmou Dutra, citando o histórico de parcerias com outras empresas asiáticas, como a Saudi Aramco.

 

A catari QPI foi outro destaque do leilão. A companhia adquiriu três concessões na Bacia de Campos (C-M-541, C-M-659 e C-M-713) por R$ 1,92 bilhão, todas como sócia não operadora, em parceria com Shell e Total. Com a rodada de ontem, a QPI eleva para nove o número de blocos exploratórios detidos no país. A petroleira também extrai cerca de 9 mil barris diários de óleo, relativos à fatia minoritária de 23% que possui no projeto Parque das Conchas, operado pela Shell na Bacia de Campos.

 

A presença no país, segundo Assis, faz parte do plano de internacionalização da petroleira. “A QPI produz muito gás. É o seu ‘core business’. Mas ela está procurando diversificar o seu portfólio, buscando mais óleo e uma internacionalização”, disse.

 

Sobre as ausências, nota para as estatais chinesas, figuras cativas nos leilões passados. A CNOOC chegou a se inscrever, mas não participou da rodada. Para Assis, da Wood Mackenzie, a ausência delas pode ser um sinal de que os chineses se preparam para o megaleilão dos excedentes da cessão onerosa, que envolve um bônus de assinatura de R$ 106,5 bilhões. “A chance é grande [de presença deles na rodada de 6 de novembro]”, disse.


Mais lidas


Os dados divulgados pela Autoridade Portuária de Santos (APS), em seu balanço operacional de março, apontam um recorde histórico na movimentação de cargas. Foram mais de 15,16 milhões de toneladas que passaram pelos terminais do Porto de Santos, um crescimento de 10,4% comparado com a marca histórica anterior, conquistada em agosto de 2020.   O […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais